sexta-feira, 5 de junho de 2020

Globo se torna o canal das séries na TV aberta

Num passado já distante, o SBT era um oásis para quem gostava de séries americanas. Antes do streaming, quem não tinha TV paga tinha que apelar para os sites que disponibilizavam episódios de séries para download (ou seja, pirataria mesmo!), ou podia assistir às produções mais populares do segmento no SBT. O canal de Silvio Santos mantinha contratos com grandes distribuidoras, como Warner e Disney, e utilizava seu grande arsenal de seriados para tapar buracos na programação.

Havia séries na linha de shows, a faixa de séries das madrugadas (que se chamou Séries Premiadas e, depois, Tele Seriados), as séries das tardes e noites de sábado, e as saudosas séries das manhãs de domingo (quem não se lembra da deliciosa dobradinha The OC e Smallville na hora do almoço?). Isso sem falar na série da noite de domingo, normalmente exibida após os programas de Silvio Santos ou Marília Gabriela (produções como Família Soprano e A Sete Palmos foram exibidas ali).

Porém, esta era chegou ao fim quando o SBT desistiu de manter contratos com grandes distribuidoras. Como estes contratos eram em dólar, eles ficaram caros demais e a relação “custo-benefício” pesou. Foi aí que o SBT eliminou as faixas de séries e voltou a investir em produções próprias, mais baratas e com retorno comercial praticamente garantido. E é assim que o canal tem se mantido atualmente.

Enquanto isso, a Globo havia desistido de séries enlatadas para valorizar sua produção nacional. Em meados da década de 2000, a emissora só exibia séries americanas para tapar o buraco nas férias do Programa do Jô, quando 24 Horas e Lost estrearam no canal. E isso aconteceu durante um bom tempo. Algumas exceções aconteciam de tempos em tempos, como a exibição de Glee nas manhãs de sábado, ou Revenge nas noites de domingo.

O leque só começou a ser ampliado quando o Intercine chegou ao fim. A sessão de cinema interativa foi extinta, e abriu espaço para uma faixa de séries exibidas diariamente. Esta faixa vive até hoje, exibida após o Conversa com Bial, promovendo uma constante renovação de títulos. Atualmente, a atração é a série Castle. Mais tarde, a emissora voltou a apostar em séries na linha de shows, quando abriu sua noite de sexta-feira para enlatados. Atualmente, a Globo efetivou a faixa como um espaço para exibições de séries importadas do Globoplay, na agora batizada Sessão Globoplay (que exibe MASH).

No ano passado, com a forte concorrência de A Praça É Nossa, a emissora sacou The Good Doctor, sucesso do Globoplay, nas noites de quinta. Deu certo. A segunda temporada já está confirmada para o mesmo horário, com estreia marcada para o fim do mês. Enquanto isso, por conta da pandemia, séries como Segunda Chamada e Sob Pressão estão suspensas, o que abriu brechas na grade. A emissora, então, recorreu a Manifest nas noites de terça. Ou seja, em breve, a Globo terá séries importadas em sua linha de shows às terças, quintas e sextas. Quem diria, hein?

André Santana

6 comentários:

  1. Tempos de contenção de gastos..a Globo pode ir utilizando o catálogo da globoplay até como propaganda para a plataforma e assim valorizar as produções próprias poucas mais bem produzidas..as sexta feiras fidelizpu os seriados pois não tem msis as séries da Fernanda Young..podiam passar séries no lugar do se joga ou sábados tn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda tem Shippados, da Fernanda, que é inédito na TV. Mas não acho que combine com a TV aberta, Shippados é meio maluco, rs! Vi no Globoplay e gostei muito!

      Excluir
  2. Não entendo como outros canais não conseguem, ou não pensam, ou mesmo não tentam, fazer horários com seriados semanais, como até a Bandeirantes fez agora com Orange is the New Black. Acho opção interessante até mais para essas emissoras com audiência menor que a Globo, para poder ter alternativas de maior qualidade e sem a necessidade de gastar tanto em programas que já estreiam meio que fadados ao fracasso. Ser uma alternativa à Globo, com inteligência, pode ser interessante.

    Mesmo a Globo pode usar esse expediente, mas ela tem mais opções, mesmo com séries nacionais, para poder se escorar, isso claro no momento em que as coisas voltem ao normal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Alexandre! Boas séries costumam ter boa resposta da audiência, vide os bons números da Band nas noites de sábado.

      Excluir
  3. Também sou da época da dobradinha The OC/Smallville, saudades. Hoje em dia, não consigo mais ver séries dubladas e as que estão em exibição na Globo, não me atraem. O que me deixa embasbacado é como SBT e Record entregaram suas parceiras para Globo, que hoje possui contrato com, praticamente, todos os estúdios de entretenimento. Também é curioso analisar que o trio Chicago (Med, Fire e PD) faz tanto sucesso nos EUA e passa batido na tela da Record.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Mister Ed! Não só elas, a Record tem várias boas séries que passam em brancas nuvens, como Bates Motel.

      Excluir