terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Aguinaldo Silva e os novos rumos da dramaturgia da Globo

"Fui!"

Um dos assuntos que mais rendeu neste início de 2020 na TV foi a saída de Aguinaldo Silva da Globo, depois de 40 anos de bons serviços prestados. O novelista terá seu contrato encerrado no final de fevereiro e o acordo não será renovado. Com isso, o autor de sucessos antológicos, como Roque Santeiro, Vale Tudo, Tieta, A Indomada e Senhora do Destino, encerra um ciclo de muitos sucessos e alguns fiascos.

Muito já se falou sobre isso. Os principais críticos de TV analisaram a situação, que é pouco comum dentro da trajetória da Globo. Houve autores que deixaram a casa, ou se aposentaram. Há uns poucos casos de não-renovação por falta de perspectiva, como Antonio Calmon. Porém, dos veteranos do prime-time, até aqui, só aconteceram “afastamentos”, como Manoel Carlos, Gilberto Braga e Benedito Ruy Barbosa. Nunca uma dispensa, como aconteceu agora. Por isso, muitos apontaram o fato como consequência do fracasso de O Sétimo Guardião, última novela de Silva da Globo, que amargou baixa audiência, críticas pesadas e bastidores conturbados.

Entre tantas análises, uma das que me chamou a atenção foi a de Mauricio Stycer. O crítico do UOL lembrou que a Globo, de maneira geral, vive uma fase de transformações e corte de custos. E Aguinaldo Silva, veterano que é, tinha um alto salário. E, como se diz, a “era dos altos salários” na emissora já está acabando. Ou seja, a dispensa de Silva passa, também, por uma questão econômica. A emissora vem lançando novos autores, que são mais baratos, e começa a dispensar os veteranos, que já estão caros.

Porém, como explicar que Manoel Carlos (por exemplo) está “encostado”, enquanto Silva foi demitido? Afinal, ambos são do prime-time, com um histórico de sucessos incontestáveis, e que não foram felizes em suas últimas produções. Das duas, uma: ou Maneco e seus companheiros “das antigas” também devem ser dispensados ao final de seus contratos, ou o fracasso de O Sétimo Guardião pode ter pesado, sim, na decisão da emissora. Não o fracasso em si, já que todo autor tem seus erros. Mas a maneira como Silva lidou com ele, reclamando publicamente da direção e se recusando a mudar os rumos de sua história. Há quem diga que a relação entre autor e direção de dramaturgia (leia-se Silvio de Abreu) tenha se desgastado.

No entanto, ainda concordo com Stycer. Não é de hoje que a Globo tem dispensado figuras consideradas intocadas. Nos últimos anos, a emissora não renovou com vários atores, jornalistas, diretores e apresentadores. O corte, então, chega às novelas. Assim, acredito que mais novelistas veteranos sejam dispensados em breve. Uma pena, afinal, são profissionais extremamente bem-sucedidos, que em muito contribuíram na consolidação das novelas brasileiras. Mas, ao mesmo tempo, trata-se de uma renovação natural do mercado. Há novos profissionais chegando, e alguns mais velhos não escondem o cansaço e a vontade de parar.

André Santana

9 comentários:

  1. Acho que a renovação no quadro de autores é necessária, porém, causa estranhamento a dispensa de um medalhão como Aguinaldo Silva. Por que não aproveitam os autores mais experientes em obras mais curtas como minisséries? Acho que a maioria dos grandes autores ainda têm gás. Seriam mais apostas para o Globoplay, caso a Globo não quisesse exibir na TV aberta. Sobre o Maneco, li que seu contrato é vitalício, por isso não foi dispensado. Daí fica aquela incógnita: é mais caro um autor com contrato pro resto da vida que nada produz ou um outro em plena atividade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mister Ed, eu não sabia que o contrato do Manoel Carlos era vitalício. Como disse o Daniel, pode ser porque Maneco já está em idade avançada e cansado, e este contrato deve ser tipo uma aposentadoria e um agradecimento da emissora aos anos de contribuição. Já Silva é mais novo e ainda produz, então poderá produzir em outros canal (ou outra plataforma). Mas concordo contigo, Silva tem um histórico de sucesso, e é um nome que não pode ser desprezado. Não entendi essa dispensa.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Se fosse nos tempos que a Record produzia coisas como Vidas Opostas, acredito que até iria. Afinal, o próprio Aguinaldo Silva era fã da novela de Marcílio Moraes, foi por causa dela que ele resolveu fazer Duas Caras passada numa favela, e foi também ali que ele viu Marcelo Serrado como vilão e pensou nele pra ser o Crô de Fina Estampa. Mas neste momento de dramaturgia bíblica e supervisão de Cristiane Cardoso, acho impossível essa contratação...

      Excluir
  3. So endossando o que o Mister Ed escreveu, Leo Dias disse que o contrato do Maneco eh vitalicio. Eu tenho a teoria que nao dispensam Maneco porque ele nao se enquadra mais no formato acelerado de industria e nao conseguiria emprego em nenhuma emissora ou servico de streaming fora os problemas de saude dele. Ja Aguinaldo nao, dispensado da Globo, ele pode sim conseguir trabalho, ja se comenta que sera ou em Portugal ou num servico de streaming. E Aguinaldo tambem ja demonstrava cansaco, de fazer o mesmo servico na Globo e tudo de ruim que aconteceu em Setimo Guardiao foi a gota dagua. Tenho certeza que foi uma decisao de ambas as partes, tanto que ate o momento, Aguinaldo nao deu nenhuma declaracao contra a Globo. E ele esta vendendo saude.
    Acredito eu que o chefao Silvio de Abreu pensou nisso . Silvio de Abreu nao eh esse monstro que pintam, querem botar sempre nas costas dele tudo de ruim que ac9ntece nas novelas da Globo. Agora, ele eh chefe da dramaturgia diaria, portanto toma decisoes e decisoes nem sempre agradam. A unica coisa que lamento eh a maneira fria e seca como Aguinaldo foi saido da emissora. Mas logo estara numa tela, seja a de Portugal ou num servico de streaming, porque convenhamos ne, eh impossivel ele ir pra Record rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele e muito importante pra história da dramaturgia. .herdeiro do estilo de dia a Gomes. .sinal de decadência da Globo dispensa lo....Acho que a emissora ja se prepara pra ser encerrada infelizmente

      Excluir
    2. Concordo contigo, Daniel! E concordo que Silvio de Abreu não é nenhum monstro, pelo contrário. É um homem muito experiente e toma decisões bastante coerentes. Acho que cobram mais dele porque ele é um autor de novelas que se tornou executivo. Se fosse um executivo de carreira, não seria tão famoso e, consequentemente, tão malhado. Eu acho que Silvio mais acertou do que errou na sua gestão à frente da pasta. Miguel, eu concordo contigo sobre o histórico de Aguinaldo Silva. Mas não acho que isso signifique a decadência da Globo. Vejo como uma renovação natural.

      Excluir
  4. Aguinaldo sempre envolvido em brigas com diretores , com outros autores ,ele tem a mesma linha do nosso presidente ou seja gosta de ficar nas redes sociais criticando e sem contar nos famosos testes do sofá que mesmo sendo um senhor de muita idade era algo recente

    ResponderExcluir