sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Globo extingue "Como Será?" e promete novidades para 2020

"No Globo Repórter
eu não posso sentar assim!"
A Globo pegou meio mundo de surpresa ao anunciar o fim do Como Será?. Programa das manhãs de sábado que reuniu os assuntos anteriormente tratados nas atrações que compunham a faixa Globo Cidadania, Como Será? era chamado internamente de “Fantástico do bem”, ou seja, uma revista eletrônica de boas notícias. Com boas matérias e entrevistas sobre assuntos variados, como pesquisa, educação, cultura, ciência e voluntariado, Como Será? ainda era comandado graciosamente por Sandra Annenberg.

Como Será? ficou cinco anos no ar, acumulando elogios e com audiência bastante satisfatória para o horário em que era exibido (das 7h às 9h do sábado). Mas isso não foi suficiente para segurar a atração no ar. Nesta semana, a Globo emitiu um comunicado tratando do fim do programa. Segundo a emissora, Como Será? seguirá no ar por mais alguns meses, mostrando material inédito já produzido e reapresentando melhores momentos de sua história. O canal revelou ainda que prepara novidades para o horário no ano que vem, sem revelar quais são.

Porém, segundo o site Notícias da TV, a ideia principal para o horário é fazer uma “edição de sábado” do Bom Dia Brasil. Num momento em que o canal vem ampliando consideravelmente sua programação jornalística, sobretudo na faixa matinal (de segunda a sexta, a notícia ocupa a faixa entre 4h e 9h, ou seja, cinco horas ininterruptas de informação), é até lógico que o horário seja ocupado por algo neste sentido. Além disso, a manhã de sábado já possui uma faixa local (na qual a rede exibe o Via Brasil, da GloboNews), e a ideia pode ser expandir isso, levando adiante o projeto Bom Dia Sábado, que já existe em algumas praças.

É uma boa ideia, sem dúvidas. Jornalismo ao vivo tende a se ampliar cada vez mais, e as coisas não deixam de acontecer porque é sábado. Ao fazer um jornal ao vivo nos sábados, seguido do É de Casa, também ao vivo, a Globo fortalece suas manhãs de sábado, tornando-a mais dinâmica e até flexível, já que haverá um maior espaço para coberturas ao vivo, caso seja necessário.

Porém, é uma pena o fim do Como Será?. O programa ocupava um espaço muito tradicional das manhãs de sábado, que sempre foram reservados para os programas feitos com a Fundação Roberto Marinho. Faixas tradicionalíssimas, como o Globo Ciência e o Globo Ecologia, eram programas antigos, de longa trajetória. As temáticas foram absorvidas pelo Como Será?, mas permaneceram ali. Agora, deixarão a grade em definitivo. Além disso, o Como Será? era a única oportunidade de Sandra Annenberg aparecer como ela mesma, mostrando a mesma simpatia característica dos tempos do Jornal Hoje, e que não tem espaço no Globo Repórter. Sandra merecia um novo projeto, e urgente!

André Santana

5 comentários:

  1. Confesso que só acompanhei alguns episódios do Como Será? em suas reprises no Futura ou algumas matérias específicas no streaming, mas era um programa de qualidades, sem dúvida. Mas se é para investir em jornalismo ao vivo, seu fim é justificável. Uma pena ver ser mesmo ter Sandra na telinha apenas uma vez por semana, ela não merecia esse escaneamento. Até o JH eu perdi o interesse em acompanhar, apesar de adorar a Maju. Será que isso pode gerar um interesse na Sandra por parte de outras emissoras?? A ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *escanteamento

      Excluir
    2. Ela vai acabar mudado de canal ...

      Excluir
    3. Mister Ed, a Sandra tem tantas qualidades que eu acho perfeitamente possível que outros canais a queiram. Acho um desperdício ela virar leitora de TP no Globo Repórter. Quem sabe um dia alguém da Globo leia nossos comentários aqui e substitua o Se Joga por um Estúdio I com Sandra Annenberg!

      Miguel, dizem que ela tem receio de deixar a Globo por conta do marido dela, que também é jornalista da casa. Sei lá... Abraços!

      Excluir
    4. Falou tudo, André. A Sandra tem o perfil ideal para um programa nos moldes do Estúdio I. Tomara que ela seja melhor aproveitada. Sandra não merece ser coadjuvante.

      Excluir