quinta-feira, 10 de outubro de 2019

GNT vira bom destino para profissionais sem espaço na TV aberta

"Não sou Luciano Huck,
mas também reformo casas!"
Recentemente, o canal GNT, do Grupo Globo, anunciou a contratação de Otaviano Costa. O apresentador, que deixou o agora extinto Vídeo Show e teve seu Tá Brincando cancelado na Globo, voltará ao ar pelo canal pago. A ele está destinado o comando da versão brasileira de Extreme Makeover, um famoso reality show de reformas. 

Trata-se de mais um nome de destaque da TV aberta a emplacar um espaço no GNT. O canal também foi o destino de Fabio Porchat, que deixou a Record no final do ano passado. Porchat já pertencia aos quadros da emissora, na qual comandava (e segue comandando) o Papo de Segunda. Porém, ao deixar o comando do Programa do Porchat, o apresentador e humorista conquistou mais espaço e lançou seu novo talk show, Que História É Essa, Porchat?. Com formato distinto ao apresentado no canal de Edir Macedo, o novo talk show é uma das melhores novidades da TV brasileira neste ano. 

Eles não são os únicos. O GNT também foi o destino de Fernanda Paes Leme, atriz interessante, mas que se mostrou uma apresentadora bastante eficiente. Depois de co-apresentar o SuperStar, na Globo, e comandar o X Factor na Band, a artista migrou para a TV paga, onde comanda programas bem divertidos, como o Desengaveta e Missão Design. Outra Fernanda, a Rodrigues, segue sendo escalada para novelas na Globo de tempos em tempos (sua última foi O Outro Lado do Paraíso), mas encontrou espaço cativo mesmo no GNT, onde comanda o Fazendo a Festa há anos.

Outro exemplo: Patrícia Poeta deixou o Jornal Nacional e tentou emplacar um programa seu na Globo. Não conseguiu, mas foi encaixada no É de Casa e como apresentadora substituta dos matinais diários da emissora. Porém, se não encontrou um espaço para chamar de seu na TV aberta, na TV paga ela conseguiu, ao comandar o reality Caixa de Costura. Isso sem falar de Astrid Fontenelle, uma veterana na TV aberta, que se viu sem espaço ao deixar a Band, lááá em 2004. Pois a profissional, uma das melhores apresentadoras que temos, se reencontrou ali, onde comandou programas como Happy Hour e Chegadas e Partidas. Atualmente, esbanja competência à frente do Saia Justa.

Com uma programação bastante voltada para o público feminino, com muitos realities, programas de culinária e decoração, o GNT acabou se tornando um canal bem interessante e variado. E vem atraindo bons profissionais, que encontram ali espaço para emplacarem projetos que parecem não interessar à TV aberta. Além disso, se tornou um espaço para que a Globo otimize a presença de seus artistas, já que o espaço no principal canal anda cada vez mais restrito. O GNT está com uma boa cara, bons produtos e vem reunindo um cast respeitável. Bem legal. 

André Santana

8 comentários:

  1. Gosto bastante do GNT, tem vários programas do mesmo gênero mas que diferem um do outro. Sobre o Extreme Makeover, vale lembrar que o reality já teve uma versão na Record, Extreme Makeover Social, que reformava creches, sob o comando de Cristina Arcangeli, atualmente no Shark Tank Brasil, do Sony Channel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado, Mister Ed! Me lembro da versão Record do Extreme Makeover, mas o programa não fez muito baruho na época. Eu também gosto bastante do GNT, é o canal que eu mais assisto atualmente.

      Excluir
  2. Sempre gostei do GNT ..podia ser o destino da angélica e da Fernanda Lima tbm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda Lima fez uma série de viagens que foi exibido no GNT recentemente. Concordo que o canal poderia utilizá-la mais, ela tem o perfil. E já bati nesta tecla aqui sobre a Angélica, acho que este programa que ela criou tem mais cara de GNT do que de Globo. O Grupo Globo deveria produzi-lo como coprodução entre os dois canais.

      Excluir
  3. Sempre achei achei que seria o destino da Galisteu, que na minha opinião tem a cara do canal. Uma pena que nunca aconteceu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filippe, também acho a Adriane super adequada para o GNT. Dizem que ela não é boa de ibope, mas é boa de vendas. Então seria um nome ideal para o canal, que não precisa de grande audiência para sobreviver. Ela deveria ter se aproveitado desta aproximação com o Grupo Globo, no Dança, na novela e na rádio Globo, para bater na porta do canal pago.

      Excluir
  4. O grupo Globo deveria investir tb no canal viva, que por sinal divulga mais o GNT do que o viva
    Em breve o Globo play exibirá novela antigas, seria o fim do canal viva ou esse canal tem retorno financeiro, tomara que não saia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Caio, o Viva anda meio esquecido. Mas creio que ele ainda é um bom negócio, já que as reprises de novelas o colocam como um dos canais mais assistidos da TV paga. Ou seja, é um bom negócio.

      Excluir