terça-feira, 28 de maio de 2019

Autores "medalhões" podem escrever para a faixa das seis, diz colunista

"Pensando aqui numas ideias..."

A direção de teledramaturgia da Globo, capitaneada por Silvio de Abreu, já tem a fila das próximas produções para o horário das nove. Haverá uma série de estreias na faixa, com as novelas de Manuela Dias, Lícia Manzo e Alessandra Poggi, que atualmente estão escaladas para entrarem (nesta ordem... ou não) na sequência de A Dona do Pedaço. Depois das “novatas”, João Emanuel Carneiro aparece na lista. Gloria Perez pode vir em seguida.

Trata-se, sem dúvidas, da maior renovação de autores do horário dos últimos tempos. O que é bem saudável, já que traz novidades para a faixa nobre. Porém, para os espectadores fanáticos, fica também a “saudade” de seu autor favorito. Nomes como Gilberto Braga, Manoel Carlos e companhia, que declararam estar dispostos a assinar apenas histórias mais curtas, têm seus fãs. Neste contexto, a notícia dada por Patrícia Kogut, colunista de O Globo, é digna de comemoração.

Segundo Kogut, a ideia da Globo, agora, é voltar a apostar em histórias mais curtas às seis (que já teve suas experiências com Estrela Guia, Meu Pedacinho de Chão e Sete Vidas). E que estão na mira para assinarem estas produções justamente os autores mais tarimbados da emissora, que não estão mais dispostos a encarar a pauleira de uma novela grande na faixa das nove. A jornalista noticiou que a emissora solicitou a autores importantes, como Gilberto Braga, para apresentarem sinopses de histórias curtas para o horário.

Desde que a Globo abriu a “novela das onze”, depois chamada de “supersérie”, autores veteranos viram o espaço com bons olhos. E justamente Gilberto Braga e Manoel Carlos demonstraram interesse em desenvolver histórias para a faixa, seduzidos com o formato mais curto e exibido em horário avançado, onde temas mais ousados são permitidos. No entanto, sabe-se lá por que, nenhum autor da velha guarda conseguiu emplacar histórias no horário, que ficou nas mãos de nomes como Alcides Nogueira, Mário Teixeira, Ricardo Linhares e Walcyr Carrasco (experientes, mas de outra geração), e de autores “novos”, como George Moura, Sergio Goldenberg, Angela Chaves e Alessandra Poggi. Para piorar, a “supersérie” perdeu espaço na programação. 2019 não contou com a produção, mas há projetos para 2020.

Se os veteranos “aposentados” do horário das 21h não puderam se aventurar às 23h, poderão, então, trazer algum frescor ao horário das 18h, atualmente a faixa que traz produções mais variadas. Em sua nota sobre a novidade, Patrícia Kogut falou apenas de Gilberto Braga, mas o blog torce também pela volta de Manoel Carlos (creio que ficou claro, já que o novelista foi citado trocentas vezes neste texto). Ambos ótimos autores, que não desejam mais voltar ao horário nobre, e que, de quebra, têm experiência às seis. Novelas curtas assinadas por grifes têm tudo para fazer com que o horário das seis continue surpreendendo. Uma ótima ideia, e já estamos ansiosos!

André Santana

11 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvidas seria um ganho enorme para faixa das 18h. Eu também fico na expectativa do Maneco trazendo uma novela tão boa quanto foram Felicidade e História de Amor.

    ResponderExcluir
  3. Eae André. Essas filas de novelas costumam mudar, vamos torcer para que não mude porque o horário precisa mesmo de uma renovação. Confesso que queria ver Carlos Lombardi no horário das 19h. Sobre Maneco e Gilberto Braga, só um horário diferente para ver se algo de bom sai desses autores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sinto falta de Lombardi, Marcelo! Sobre Gilberto Braga, o amigo Duh Secco, do RD1, revelou qual é o projeto dele para às 18h, e parece bem interessante. Vamos torcer!

      Excluir
  4. Manuel Carlos podiam trazer histórias leces boas as seis ..prquenas bem de cotidiano mesmo tipo história de amor ...que tinha cenas forte e mesmo as seis ..Do que mais se encaixa na faixa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho o texto do Maneco bem adequado ao horário das seis.

      Excluir
  5. Acho o horário das 18h a cara do Manoel Carlos. Apesar de não acompanhar Órfãos da Terra, acho que o primeiro horário de novelas da Globo é justamente o que tem apresentado as tramas mais interessantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Mister Ed! Faz tempo que a Globo mais acerta do que erra às 18h, uma constância que não se vê nos demais horários.

      Excluir
  6. Quero muito estar errado, mas infelizmente nao vejo mais Maneco escrever novelas. Ele eh um autor artesanal e nao consegue escrever com frente de capitulos, se dependesse dele, as novelas seriam tele teatros ao vivo, ou quase ao vivo. E na verdade eh isso que ele faz, ja que entrega os capitulos quase em cima da hora. Nao eh critica isso viu, e sim constatando que eh uma caracteristica dele. Eu amo o Maneco, mas infelizmente nao vejo como uma novela dele cabe numa televisao cada vez mais industrial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, concordo. Mas tenho essa esperança porque ele poderia escrever num esquema semelhante a Meu Pedacinho de Chão. Ou seja, escrever no tempo dele, mais curta, e entregar o texto fechado para a emissora produzir.

      Excluir