sábado, 18 de novembro de 2017

"Superpop" completa 18 anos em sua pior fase

No último dia 15 de novembro, a RedeTV comemorou seus 18 anos de vida. Foi neste dia, no ano de 1999, que o canal lançou, oficialmente, sua primeira grade de programação. Ou seja, lá se vão 18 anos desde aquela estreia empolgante, quando parecia que ia nascer um canal de alta qualidade. Com o slogan “uma opção de qualidade na sua TV”, filmes clássicos, bons seriados, programas de formatos variados e bem embalados, e uma programação jornalística de nível, além de um elenco repleto de bons nomes, parecia que a RedeTV viria para substituir a Rede Manchete à altura. Mas a proposta ficou no campo da promessa.

É interessante observar que alguns dos programas que compõem a primeira grade da RedeTV estão no ar até hoje, ou seja, estão também completando 18 anos de existência. É o caso do Leitura Dinâmica, que estreou como uma revista eletrônica dominical e, hoje, é um belo jornal de fim de noite na programação da emissora. Ou ainda o TV Fama, que estreou como uma revista de cultura e bastidores apresentada por Mariana Kupfer, mas que foi cancelado logo no início, retornando ao ar alguns meses depois, já como um programa de fofocas apresentado por Monique Evans e Paulo Bonfá, e com matérias de Otávio Mesquita (meses depois, Nelson Rubens e Janaína Barbosa assumiriam).

Além destes, outro programa que faz parte do canal desde a estreia é o Superpop. O programa, que atualmente é apresentado por Luciana Gimenez nas noites de segunda e quarta-feira, entrou no ar em 15 de novembro de 1999, e era exibido de segunda a sábado, das 20h às 21h30, com apresentação de Adriane Galisteu. Era o início da ascensão de Adriane como apresentadora de TV, já que o programa de variedades era considerado o carro-chefe da grade de entretenimento do canal.

É preciso lembrar do contexto do lançamento do Superpop. Em 1999, a Band fazia sucesso com o programa juvenil H, apresentado por Luciano Huck em suas noites. A atração deu tão certo que chamou a atenção da Globo, que tratou de contratar Luciano Huck. Para substituí-lo, a Band contratou Otaviano Costa para seguir com o H em suas noites. Enquanto isso, Adriane Galisteu despontava como uma promessa na telinha, comandando com sucesso o game Quiz MTV, na extinta MTV Brasil. O desempenho de Adriane no canal musical despertou o interesse da direção da RedeTV, que decidiu apostar nela para ser a grande estrela da nova grade que estava sendo formatada. No início, aliás, a contratação de Adriane pela RedeTV permitia que ela continuasse dando expediente na MTV.

Assim, a RedeTV tratou de formatar um programa para Adriane. O canal chegou a pensar em colocar Adriane em seus fins de tarde, mas logo mudou de ideia e Superpop foi concebido para o horário nobre, justamente para tentar fazer frente ao H. O programa era simples e eficaz: com um sofá de couro instalado no meio do cenário, Adriane recebia convidados para entrevistas, debates e, ainda, trazia atrações musicais, com muita música ao vivo. Ou seja, a proposta do Superpop era ser uma espécie de “Hebe juvenil”, trazendo várias atrações de variedades típicas dos programas de auditório da época em torno de um sofá. E deu muito certo!

Superpop mostrou ter potencial, já que tinha uma boa apresentadora e atrações interessantes. Mas não dava sinais de decolar em seu horário de exibição, afinal, a faixa das 20 horas era muito concorrida. Percebendo isso, a direção da RedeTV mudou seu horário alguns meses depois da estreia, jogando o Superpop para faixa das 22 horas, e escalando as séries Jeannie É um Gênio e A Feiticeira para a faixa das 20 horas. A mudança deu certo e Superpop emplacou. Emplacou tanto que a direção da Record se interessou pelo passe de Adriane, contratando a loira antes mesmo de o Superpop fazer um ano de vida. Desfalcada e pega de surpresa, a RedeTV apelou para uma solução caseira, escalando Otávio Mesquita (que estava no canal no TV Fama e no Perfil 2000) e Fabiana Saba (que comandava o Interligado) para substituí-la. Ao mesmo tempo, abriu um número de telefone onde a audiência podia ligar e sugerir um nome para apresentar o Superpop.

Enquanto recebia sugestões da audiência, a direção da RedeTV convidava vários nomes para gravar pilotos para o Superpop. Monique Evans foi o nome mais votado na linha dos espectadores, seguida de Astrid Fontenelle. Pois várias delas foram testadas. E uma das personalidades convidadas para testes foi a então modelo Luciana Gimenez. Mesmo não sendo o melhor teste, a RedeTV resolveu apostar nela e Luciana estreou à frente do Superpop em janeiro de 2001. Com Luciana, o Superpop seguia basicamente o mesmo formato de quando estreou, mas logo foi ganhando outros contornos.

Já inserido na fase mais “apelativa” da RedeTV, o Superpop acabou se caracterizando por promover debates sobre temas polêmicos (quase sempre envolvendo sexo) e com a participação de subcelebridades, além do famigerado desfile de lingeries das quartas-feiras. Mesmo com o conteúdo de gosto duvidoso, Luciana Gimenez conseguiu se desenvolver como apresentadora, ganhando cada vez mais desenvoltura e traquejo. Mas, enquanto sua comandante evoluía, o programa ficava cada vez pior. E a apelação, que garantia alguns pontinhos de audiência, hoje já nem funciona mais. Superpop patina em parcos números no Ibope.

Luciana, hoje, é uma boa apresentadora. Prova disso é seu outro programa na grade, o Luciana By Night, às terças-feiras, anos-luz mais interessante que o Superpop. Já este, que deixou de ser diário e é exibido duas vezes por semana, já está fazendo hora extra. Neste aniversário de 18 anos da atração, seria a hora de a RedeTV perceber que o programa já deu o que tinha que dar e apostar em coisas novas na sua linha de shows. Até o tosco Sensacional, exibido às quintas-feiras, consegue ser melhor que o Superpop atualmente. Já passou da hora de uma reavaliação.

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

3 comentários:

  1. Confesso que fiquei decepcionado com a rede TV! que prometia mundos e fundos mas optou por audiência à qualquer custo. Aí faltou mencionar o João Kléber que começou com o Te Vi na TV que tinha como proposta trazer de volta o humor às segundas feiras, mas quando resolveu apelar com o teste de fidelidade foi o símbolo da fase de apelação do canal, remanejou as pegadinhas pro Canal Aberto, saiu, foi pra Portugal e voltou com as mesmas coisas: a tal "caixa de segredos" no Você na TV e as pegadinhas foram pro João Kléber Show que quando começou achei que daria certo com calouros, mas não deu certo e as pegadinhas voltaram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rede tv era Boa quando estreou..tinha áries clássicas..sessão interativa de filmes....tentaram depois aposta em dramaturgia importando serie com atorea brasileiros mas não deu certo...caiu numa pobreza. .porém ainda tem mais programas que a band que e bem mais antiga

      Excluir
  2. Realmente Luciana Gimenez melhorou sim!!!! O mais interessante e que ninguém fala é que mesmo com baixaria os programas da rede Tv ! Não atingem mais de 2 pontos (sendo genoroso RS)
    Ora então deveriam voltar com a qualidade de seu início ,lah os programas e séries não davam muita audiência ,mais tinha qualidade ,anunciantes importantes é uma grande opção de qualidade para quem quer fugir da mesmisse (chororo ,barracos )
    Melhor ter 1 ponto ou 2 pontos c qualidade e faturamento do que esses mesmos índices só que com baixaria e péssima reputação que tem esse canal com donos arrogantes !!

    ResponderExcluir