sábado, 6 de fevereiro de 2021

Record investe pesado em "Gênesis" na tentativa de reviver fenômeno "Os Dez Mandamentos"

Os Dez Mandamentos foi a “glória” e a “cruz” da Record. Foi a glória, porque foi um fenômeno incontestável. Um sucesso que incomodou a Globo e fez a emissora abraçar a dramaturgia bíblica, dando uma identidade ao seu setor de novelas que o canal buscava há tempos. Mas foi também uma “cruz”, já que ficou no ar a obrigação de repetir tal fenômeno. Coisa que a emissora não conseguiu até aqui.

Para tentar reviver os áureos tempos de Os Dez Mandamentos, a Record fez de tudo. Apostou em tramas “semelhantes”, como A Terra Prometida, e também em tramas “diferentes”, como Apocalipse. Apelou até mesmo para Jesus, a história mais conhecida e contada da Bíblia. Também voltou a apostar em minisséries, como Lia e Jezabel. Algumas funcionaram, outras não, mas nenhuma foi uma “nova” Os Dez Mandamentos.

Por isso, Gênesis estreou com ar de “arrasa quarteirão”. A emissora não economizou na produção e na divulgação da mesma, optando por produzir uma “mega saga” composta por sete fases, cada uma delas com cenários e elencos próprios. “Apenas” Deus (Flavio Galvão) e Lúcifer (Igor Rickli) costuram todas as fases da história, que narra Éden, Dilúvio, Torre de Babel, Ur dos Caldeus, Abraão, Jacó e José do Egito.

Ou seja, na prática, Gênesis é uma junção de sete minisséries bíblicas. Que, até aqui, tem funcionado bem. As tramas contam com produção caprichada, bons atores e, principalmente, importantes pontos de virada que ajudam a segurar o público. Isso, somado ao fato de Gênesis ser a única novela inédita em exibição, tem feito a trama atingir excelentes índices de audiência. Assim, até aqui, a aposta se mostrou acertada e pode ser a tal “nova” Os Dez Mandamentos que a emissora tanto busca.

No entanto, Gênesis também pode significar o esgotamento da fórmula. Afinal, ela conta sete histórias de uma vez. E finalizará em José do Egito, trama que já teve uma versão na Record, como uma minissérie muito bem-sucedida. Que histórias bíblicas de maior apelo poderão virar novela depois, se as principais já foram contadas? A emissora investirá em remakes?

Já se sabe que a trama que substituirá Gênesis será Rei Davi. História que já foi contada em outra minissérie bem-sucedida da Record, há nove anos. Ou seja, a emissora já começará a fazer regravações. E o que virá depois? Sabemos que a Bíblia ainda tem várias outras histórias, mas são poucas as que são conhecidas por um público mais amplo e menos iniciado em estudos religiosos. 

Ou seja, Gênesis poderá significar o apogeu e a queda das produções bíblicas da Record. O que virá depois desta “superprodução” é uma incógnita. Que, provavelmente, a própria Record ainda não sabe bem como responder.

André Santana

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu acredito que Gênesis começará a perder fôlego na audiência com as histórias já contadas e recontadas e com os atores de sempre nos papéis principais. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio! Sim, provavelmente é o que acontecerá. Abraço!

      Excluir
  2. Boa tarde André. Parabéns pelo seu trabalho excelente. Gostaria de lhe convidar a seguir o meu Blogger. Bom início de semana.

    ResponderExcluir