quarta-feira, 15 de julho de 2020

Com "Tempero de Família", "É de Casa" reforça sua vocação de "quintal da Globo"

O Notícias da TV divulgou nesta quarta-feira, 15, que o programa Tempero de Família, exibido pelo GNT, vai se transformar num quadro do É de Casa. Na já tradicional atração do canal Globosat, o ator Rodrigo Hilbert ensina diversas receitas e modos de fazer. Na estreia, por exemplo, ele ensina o preparo de uma costela, mas também ensina a fazer o forno (!).

O programa das manhãs de sábado da Globo, então, passa a mostrar os melhores momentos do programa do GNT. Com isso, a emissora reforça a impressão de que o reaproveitamento de conteúdo de seus canais pagos na TV aberta é mesmo um caminho sem volta. E mostra que o É de Casa é mesmo o “quintal da Globo”, ou seja, é ali onde são “despejados” conteúdos e profissionais diversos.

Vale lembrar que, desde a estreia, É de Casa se coloca como um programa de “reaproveitamento”. Afinal, ele estreou sob o comando de Patrícia Poeta, Ana Furtado, Cissa Guimarães, André Marques, Tiago Leifert e Zeca Camargo. Em comum, todos eles (com exceção de Leifert) estavam sem programa na emissora. Ou seja, É de Casa virou meio que um “prêmio de consolação” para profissionais queridos do canal, mas que estavam sendo pouco aproveitados.

E, agora, desde que a atração passou a ocupar quase seis horas na grade dos sábados da Globo, esta impressão aumentou. O exemplo mais recente é Fernanda Gentil, que, com o Se Joga fora do ar, passou a responder por um quadro do É de Casa, o Mundo Gentil. Além disso, o programa também aposta em quadros com vários colaboradores “exclusivos”, como o chef Ravioli e a campeã do BBB Thelma Assis, além da repórter Maria Cândida.

O “flerte” com o conteúdo do GNT começou em maio. Na ocasião em que o canal pago anunciou a exibição do especial Cartas Para Eva, apresentado por Angélica, o É de Casa exibiu uma versão compacta da atração, como se fosse um quadro. O fato de Ana Furtado se emocionar no ar com a “pílula” do projeto de Angélica chegou a ser notícia em vários sites. Agora, é um programa regular da grade, o Tempero de Família, que ganha um espaço na TV aberta.

É interessante quando todo o Grupo Globo se esforça para otimizar sua produção. Transformar programas de canal pago em quadros de programa de TV aberta pode ser uma saída bastante interessante para que um conteúdo seja mais bem aproveitado. Tempero de Família tem tudo a ver com o É de Casa e, com certeza, vai agregar mais ao matinal. Aliás, outros programas do GNT têm a mesma vocação. Ou seja, não estranhem se surgir um quadro baseado no Decora, ou no Extreme Makeover.

Com isso, reforça-se também a impressão de que o É de Casa vai se tornando praticamente um Fantástico matinal. Com mais horas no ar, o matinal ganhou um conteúdo bastante diversificado, com uma boa atuação do jornalismo e quadros variados. Tornou-se, de fato, uma grande revista eletrônica. Vive um bom momento. 

André Santana

14 comentários:

  1. O programa finalmente esta encontrando seu caminho, seu formato, Andre ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, eu acho que sim. Como você sabe, eu sempre fui um severo crítico do É de Casa. Mas, sobretudo neste ano, eu me peguei assistindo ao programa com interesse. O conteúdo melhorou demais, sem comparação com aquela fase "faça você mesmo" chata!

      Excluir
  2. Meu problema com o É de Casa é que, com ele, acabaram as transmissões dos treinos da F-1, rs. Ao menos ainda existe a cobertura no Sportv, mas a Globo ainda não renovou os direitos da categoria para o ano que vem, o que é algo, no mínimo, estranho pela demora.

    Sobre o programa em si eu concordo que, podendo abranger jornalismo e tendo a chance de usar alguns produtos da TV paga, ele ganha em variedade e conteúdo. Só tem de ver se, ao colocar os programas do cabo em TV aberta, não pode vir a acontecer um desgaste deles pela exibição mais ampla.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinal dos tempos até o futebol tem.se rebelado coma Globo ..e de casa acabz sebdo maos conpleto que o encontro

      Excluir
    2. Existe a possibilidade da Globo, com o tempo, abrir mão dos estaduais, mas penso que a maioria dos clubes não vai abrir guerra com a Globo, até porque existe o contrato até 2024 para o Brasileiro e dele, acredito que ela não abra mão.

      O que houve no Carioca foi muito mais uma briga que o atual governo federal fomentou com a nova MP de direitos de transmissão mas, mesmo com ela, isso não significa que a Globo fica fora do jogo, pois pode negociar com os times individualmente na pior das hipóteses e na TV aberta não tem alguém que faça frente, a não ser que a Record despeje dinheiro ali, ou outra TV tenha apoio governamental para isso, como aconteceu em parte na Argentina; porém a gritaria contra isso seria enorme e não faria sentido político para ninguém (e mesmo assim, para tirar o Brasileiro seria algo apenas para 2025).

      Excluir
    3. Hahahaha Alexandre, não tenho tanto apreço pela F1, mas já tive. Eu sinto falta das partidas de vôlei. Claro que agora tenho TV por assinatura mas, quando não tinha, era só na Globo mesmo.

      Excluir
    4. Se for vantajoso pra discutor valorea e mais cavia transmitirem talvez comece um movimento pra outros cabaia transmitirem o carioca

      Excluir
    5. Alexandre, viu que tem negociacao da F1 ir pra Band ? So me pergunto onde ta saindo dinheiro pra ter F1, Mariana Godoy e Zeca Camargo .

      Excluir
    6. Alexandre, eu acho que o É de Casa não foi o "único culpado" pelo fim da exibição dos treinos da F1. Os treinos, tradicionalmente, derrubavam a audiência da Globo. Exibir trechos dentro do programa foi a maneira encontrada de conter prejuízos. Mas entendo, pra quem gosta é ruim mesmo. E como entendo quase nada de esportes, nem vou entrar nesta discussão sobre as transmissões do F1 e do futebol. Mas gostei da conversa de vocês, Alexandre, Mister Ed, Miguel e Daniel, continuem o debate! ;-)

      Excluir
    7. Obrigado André, sempre que possível é bom passar aqui acompanhar os seus textos e as repercussões! Concordo que a audiência da F-1 não é a mesma no Brasil, mas em termos de concorrência, ainda é suficiente para a Globo liderar.

      Daniel, eu acho que a Liberty Media, que hoje é dona da F-1, esteja pressionando a Globo para a renovação, pois acredito que eles saibam que a categoria fora da Globo e sem um brasileiro de destaque daria uma audiência ainda menor da que tem hoje. Mas o Feltin no UOL disse que até pode ser ação do governo federal (pasmem...), que estaria, nos bastidores, tentando tirar a F-1 da Globo. Aquela história do autódromo do RJ pode ter algo a ver, pois a empresa que o administraria (ou administrará, caso ele venha a existir), é de pessoas que apoiam o atual governo. Vamos ver o que acontece nos próximos dias.

      Excluir
  3. Confesso que as únicas vezes em que tive contato com o É de Casa foram na esteira da academia, ainda assim porque a TV estava ligada. Nunca me despertou a menor curiosidade. Acho que esse quintal do GNT deve-se também ao crescimento da Record na faixa horária, já que o Fala Brasil vem apresentando boa audiência e até disputando ponto a ponto com a Globo. Tanto que a volta do Esporte Fantástico foi adiada.

    Tenho achado a grade da Globo repleta de enlatados. E nem é só culpa da pandemia, pois já estava assim antes. Muitos filmes e séries gringas. Parece que estão investindo tanto no Globoplay que esqueceram um pouco da empresa-mãe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A globo anda investindo em produções exclusivas lata o globoplay e so despois lra tv aberta lra convidar o povo a assinar como o netflix..em troca tem que preemxher oa horarios com series gringas..inverteu com o sbt que era o rei das series no passado...contenção de despesas..novos tempos oue provlema financeiro sei la

      Excluir
    2. Sim, Mister Ed, a Globo ampliou o espaço dos enlatados. Sobretudo no quesito séries, já que filmes sempre foram muito mesmo. Nos filmes, o único espaço que aumentou foi a volta da Sessão de Sábado e a estreia de Campeões de Bilheteria, mas são sessões passageiras. Sessão de Sábado acaba em agosto, e Campeões de Bilheteria deve perder espaço quando o futebol voltar. Mas as séries, sim, aumentou muito o espaço. Na linha de shows, elas ocupam as noites de sexta há uns quatro anos, pelo menos. Mas agora ocupam também as noites de terça e quinta.

      Excluir
  4. Eu gostei do programa hoje, e o quadro foi bem rápido e focado. Não assisti as 6 horas quase do programa, tenho outras coisas pra fazer, mas o que vi me interessou.

    ResponderExcluir