sábado, 26 de janeiro de 2019

"O Tempo Não Para" sofreu da 'maldição' "I Love Paraisópolis"

#Maruca ou #Saroca?

Em 2015, o autor Mario Teixeira, em parceria com Alcides Nogueira, assinou a novela das sete I Love Paraisópolis. A trama, que narrava a trajetória da humilde Mari (Bruna Marquezine), começou muito bem. Leve, divertida, com bons personagens e situações, a história elevou a audiência do horário das sete, que parecia numa crise eterna. Porém, ao longo de sua trajetória, a trama perdeu fôlego, a história desandou e a audiência acabou caindo.

Um dos motivos que levou à queda de I Love Paraisópolis foi a ideia dos autores de casar os protagonistas, Mari e Ben (Maurício Destri), num momento bem distante de seu desfecho. O casal caiu nas graças da audiência jovem e “shippadora”, que não aceitava vê-los separados. Assim, eles se casaram e passaram todo o resto da novela juntos. Com isso, a história de ambos esvaziou-se, e Mari e Ben perderam o protagonismo. Os autores acabaram deslocando o romance principal para o casal antagonista, Grego (Caio Castro) e Margot (Maria Casadevall). Para suprir a ausência de vilões, trouxe o mafioso Dom Peppino (Lima Duarte) de volta (a princípio, ele faria apenas uma participação nos primeiros capítulos), e I Love Paraisópolis se tornou uma estranha comédia sobre uma máfia italiana instalada numa comunidade paulistana.

Com O Tempo Não Para, do mesmo Mario Teixeira, desta vez assinando sozinho, aconteceu algo semelhante. A história começou inspiradíssima. A ideia de congelar uma família do século 19 e colocá-los num contexto atual, por si só, já parecia brilhante. Quando Dom Sabino (Edson Celulari), Marocas (Juliana Paiva) e seus parentes acordaram no século 21, O Tempo Não Para se colocou como uma comédia provocativa e reflexiva. Afinal, em que ponto evoluímos enquanto sociedade do século 19 para cá? E em quais pontos regredimos? Estas perguntas eram colocadas na novela o tempo todo, sempre com bom humor.

Por meio da estranheza de Dom Sabino vivendo nos dias de hoje, O Tempo Não Para levantou questões importantes, sobretudo nas temáticas de machismo e patriarcado e, principalmente, escravidão e racismo. Enquanto isso, a mocinha Marocas vivia um romance com um jovem dos dias de hoje, Samuca (Nicolas Prattes), que passou bons momentos tentando entender como funciona a cabeça de uma jovem do século 19 para poder conquistá-la. Foi um romance gracioso e divertido.

O casal funcionou. E os “shippadores”, sempre eles, mais uma vez não queriam ver seu casal favorito separado. Em matéria recente do site Notícias da TV, foi revelado que, na sinopse original de O Tempo Não Para, Samuca e Marocas passaria um bom tempo separados. Ele acabaria se envolvendo com Walesca (Carol Castro), enquanto ela se casaria com Emílio (João Baldasserini). Ao mesmo tempo, Samuca e Dom Sabino travariam uma grande batalha pelas terras da Sam Vita, a empresa de Samuca, instalada nas mesmas terras que pertenceram a Dom Sabino no passado. A briga familiar impediria os protagonistas de viver o amor por um bom tempo. Mas nada disso aconteceu. O autor até separou o casal, mas por pouquíssimo tempo. E tratou de casá-los logo em seguida. Com isso, precisou tirar novas tramas da manga para manter a novela de pé. Mas, neste processo, acabou se perdendo.

Para agitar O Tempo Não Para, o autor “matou” o vilão Emílio, trazendo em seguida seu irmão gêmeo, Lúcio (João Baldasserini). A troca nunca se justificou. Betina (Cleo), que já era uma antagonista um tanto sem graça, se tornou uma maluca criminosa, cometendo as maiores barbaridades sem levantar uma suspeita sequer. Para piorar, os personagens congelados já estavam adaptados à vida nova, e a contraposição entre passado e presente perdeu espaço. Assim, sem ter mais o que fazer, Mario Teixeira trouxe de volta a doutora Petra (Eva Wilma), que havia participado dos primeiros capítulos, injetando uma última trama sobre um vírus mortal que os congelados carregariam. Petra voltou como uma espécie de vilã, confinando os protagonistas. Assim, a “estratégia Dom Peppino”, de I Love Paraisópolis, foi repetida.

Neste contexto, a trama abandonou vários personagens no caminho. Zelda (Adriane Galisteu) começou como comparsa de Betina, mas acabou sendo substituída justamente pelo seu “escada”, Poc (Leo Bahia). Assim, foi deslocada para um triângulo amoroso com Teófilo (Kiko Mascarenhas) e Monalisa (Alexandra Richter), outros atores jogados para escanteio. Enquanto isso, Helen (Rafaela Mandelli), Cairu (Cris Vianna), Amadeu (Luiz Fernando Guimarães), Mazé (Juliana Alves) e tantos outros fizeram figuração de luxo. E alguém aí sabe o que aconteceu com Marino (Marcos Pasquim)?

Apesar dos problemas estruturais, O Tempo Não Para teve seus méritos. Mesmo quando a trama desandou, ainda era possível assistir e se divertir com os diálogos inspirados e o humor classudo da trama. Personagens como Mariacarla (Regiane Alves), Coronela (Solange Couto), Januza (Bia Montez), Cesária (Olívia Araújo), Elmo (Felipe Simas) e Miss Celine (Maria Eduarda de Carvalho), entre outros, mantiveram a trama de pé. Além disso, O Tempo Não Para nos brindou com as boas performances de Juliana Paiva, Edson Celulari, Christiane Torloni (Carmen) e Milton Gonçalves (Eliseu), entre outros.

Ou seja, apesar dos pesares, O Tempo Não Para não foi uma novela ruim. Mas sairá de cena com a impressão de que deveria ser melhor do que foi. Fica a lembrança da ótima premissa, dos primeiros capítulos geniais, dos diálogos inteligentes e dos bons personagens de uma novela que teve seus momentos.

André Santana

12 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Divulgarei o meu balanço com os pontos positivos e negativos da novela no meu blog. Infelizmente, o autor perdeu o controle nas histórias paralelas que poderiam irrigar a trama principal. A novela perdeu muito fôlego nesta reta final. Lamento mesmo pq teve um início arrebatador. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Fabio! O Tempo Não Para teve um início empolgante!

      Excluir
  2. Engraçado; eu que não acompanho tanto novelas, vi alguns capítulos dessa O Tempo Não Para e tive a mesma impressão. Começou com uma premissa muito interessante e depois, mesmo não vendo todos os dias, a coisa parece que ficou andando em círculos.

    Talvez o tempo de duração da atração fosse grande demais para o que a história principal pretendia contar; poderia ser uma série de 1 mês por exemplo. E já existe um certo consenso de que as novelas ter de ter duração menor hoje em dia. Mas de fato não dá para tirar a responsabilidade da necessidade dos autores e das TVs quererem agradar os fãs, algo que é importante, mas pode atrapalhar os rumos da história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Casal junto estragaa a trama pois impede que coisas novas aconteçam com eles outros ronances etc
      ..acho que quando a novela estabiliza na audiência os autores ficam com medo de moderna história

      Excluir
    2. Alexandre, realmente a temática poderia não render uma novela tão longa. Mas concordo com Miguel, ela poderia ter sido uma novela mais interessante se não tivesse caído na armadilha de juntar o casal protagonista e não o separar mais.

      Excluir
  3. Falou tudo, Andre, eu ia dizer isso, do Noticias da TV , o que era a sinopse original. O problema da enrolacao dessas duas novelas, I Love e O Tempo, foi justamente esse, quebraram a sinopse original, me o autor foi improvisando tudo, sem fio condutor. Ate concordo com o Stycer que disse que a novela funcionaria mais como uma serie de mais de uma temporada. Dos atores que voce citou eu me apaxonei pela Olivia Araujo desde que a vi em Tempo de Amar, que ela fazia a dona de uma pensao. Eu desisti da novela no final de novembro, e para minh tristeza, nao me fez falta, eu que sou noveleiro pra caramba detesto largar, mas larguei. Percebi que essa equioe de autores, Alcides, Vitor de Oloveira (que hoje esta na Record), Tarcisio e Mario Teixeira, escrevem com uma sintonia tal aue parecem uma pessoa so, mesmo quando estao separados. Embora eu saiba distinguir maismas caracteristicas do Alcides Nogueira. Mas como os colaboradores sao os mesmos num primeiro momento me deu a impressao de Tempo de Amar e O Tempo Nao Para serem de um mesmo autor rs. Que pena, isso que da, quebrar a historia original. Nao eh todo autor que consegue fazer uma oitra historia em cima de uma que foi quebrada, em pleno andamento da novela. O Sstimo Guardizo esta no ar, e ja esta tendo alteracoes, mas nao a pomto de modicar a espinha dorsal da historia, esta, pelo menos por enquanto, tendo uma coerencia. Se a novela esta boa ou nao, eh outra historia, mas ela nao foi destruida, como foi A Lei do Amor.
    Agora, essa equipe de autores que trabalham juntos, Alcides, Mario, Tarcisio e Bibi tem uma poetica nas palavras, uma literatura nos dialogos, isso pra mim eh um ponto positivo. De resto, voce falou tudo, Andre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olívia Araújo é ótima! Ela esteve também em I Love Paraisópolis, ao mesmo tempo em que também participava de uma novela do SBT (Chiquititas, se não me engano...). Sua participação em I Love deve ter rendido a admiração tanto de Alcides Nogueira, que a escalou para Tempo de Amar, quanto de Mario Teixeira, que a trouxe para O Tempo Não Para.

      Excluir
  4. Eae André. Gostei do início da novela, mas depois fui perdendo o hábito de asssitir. Cleo (Pires) como vilã não deu, porém Edson Celulari conseguiu ótima performance.
    Confesso que essas novelas das 7 só me fazem sentir falta de Carlos Lombardi no horário!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vdd sinto falta da ironia ,sarcasmo e frescor das novelas dele. ..sempre malucas até o final com reviravoltas

      Excluir
    2. Carlos Lombardi é rei! Não sei o que a Globo espera para trazê-lo de volta!

      Excluir
  5. O Tempo não para foi uma ótima ideia jogada fora numa história muito fraca.
    Lombardi realmente faz muita falta!

    ResponderExcluir