sábado, 24 de outubro de 2020

"Sassaricando" e "Haja Coração": com as duas tramas no ar, comparação é inevitável

 

Viva e Globo, normalmente cuidadosas com escolhas de títulos para reprises para não se tornarem “concorrentes”, desta vez não conseguiram fugir de uma curiosa “coincidência”. Enquanto o canal pago do Grupo Globo exibe Sassaricando, novela de Silvio de Abreu de 1987, a Globo reapresenta Haja Coração, remake da obra assinado por Daniel Ortiz. Com as duas tramas no ar, é possível assisti-las e apontar as diferenças e semelhanças entre suas tramas.

Mesmo com títulos diferentes, as duas novelas contam basicamente a mesma história. Como qualquer remake que se preze, são feitas algumas alterações e adaptações, mas boa parte dos personagens e da espinha dorsal são as mesmas nas duas produções. Aliás, é justamente por isso que um remake se justifica. Se for pra fazer uma nova versão sem as devidas adaptações, melhor seria simplesmente repetir o original. Guerra dos Sexos é um exemplo claro de remake que não foi bem atualizado, revelando-se um fiasco. Já Ti Ti Ti é um belo exemplo de trama que soube se reinventar em sua segunda versão.

Então, sim, Haja Coração é um remake de Sassaricando. Com algumas adaptações. A mudança mais significativa é o deslocamento do protagonismo. Varela (Paulo Autran) conduzia a história de Sassaricando, enquanto Tancinha (Claudia Raia) liderava o núcleo cômico. Em Haja Coração é o contrário: Tancinha (Mariana Ximenes) se tornou uma mocinha romântica, enquanto Varela (Alexandre Borges) passou a liderar o núcleo cômico.

A mudança veio bem a calhar com a mudança de tom no texto. Enquanto Silvio de Abreu é adepto de um humor mais refinado, com referências cinematográficas e boas doses de ironia, Daniel Ortiz caminha mais pela comédia romântica, com uma comicidade mais infantil (pra não dizer “infantiloide”). É justamente o fato de Sassaricando ser uma comédia mais rasgada, enquanto Haja Coração é um “romance bem humorado”, que se torna o grande diferencial entre as duas produções.

A mudança no eixo do protagonismo se justifica na própria trajetória de Sassaricando. Segundo o próprio Silvio de Abreu, os “sassaricos” de Varela não foram muito bem-aceitos pelo público na época da novela, que preferia rir das trapalhadas de Tancinha. Assim, Varela acabou perdendo espaço na obra, enquanto o núcleo cômico ganhou mais visibilidade. Não por acaso, Tancinha se tornou um divisor de águas na carreira de Claudia Raia. A divertida personagem foi a dona da novela.

Assim, Haja Coração “corrige” o principal percalço de Sassaricando. Mas, ao transformar Tancinha de figura cômica a heroína romântica, a novela de Daniel Ortiz acabou fazendo com que a personagem não chamasse tanto a atenção desta vez. Sem desmerecer o trabalho de Mariana Ximenes, que é ótimo, mas, na época da primeira exibição, a trajetória da mocinha não repercutiu tanto quanto as aventuras da família Abdala. Ou seja, desta vez, o “núcleo Varela” foi mais bem aceito 

Não por causa de Varela, já que Alexandre Borges apenas repete o tipo cafajeste de tantas outras produções. Mas porque vários dos personagens que orbitam em torno dele caíram nas graças da audiência, como Teodora Abdala, cuja intérprete Grace Gianoukas teve uma performance tão brilhante, que a personagem acabou escapando da morte. A dinâmica que se estabeleceu entre as “mulheres de Varela”, Rebeca (Malu Mader), Penélope (Carolina Ferraz) e Leonora (Ellen Rocche) também deu muito certo. E o trio virou um quarteto divertidíssimo com a presença de Dinalda (Renata Augusto). O tom non sense imperou neste núcleo, o que se revelou um acerto.

Entretanto, ao assistir a novela do Viva e a novela da Globo, é impossível não reparar que Sassaricando é uma novela bem mais interessante que Haja Coração. Varela pode não ter feito tanto sucesso, mas o trabalho de Paulo Autran é simplesmente irretocável. O ator o faz com um tom irônico, com atitudes sutis, que fazem o tipo um adorável “perdedor”. Tão irretocáveis são suas parceiras de cena: Tônia Carrero (Rebeca), Eva Wilma (Penélope) e Irene Ravache (Leonora) roubam a cena. E a Tancinha de Claudia Raia dispensa apresentações. Incrível.

Sassaricando tem um humor menos óbvio, com um texto que vai além da simples piada. Além disso, é muito moderna para a sua época. Enquanto isso, Haja Coração tem um texto mais simples, um humor mais batido e, curiosamente, tem cara de novela antiga. O que mostra que sua atualização não foi tão bem feita assim.

Haja Coração foi um sucesso de 2016, e sua reprise tem repetindo a boa performance. Mas, entre o remake e o original, Sassaricando está anos-luz à frente da atual novela das sete da Globo. Vale uma espiada.

André Santana

3 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Confesso que preciso acompanhar algum capítulo de Sassaricando no VIVA. É a minha primeira lembrança mais firme de telenovela. Lembro do último capítulo, em especial. Mariana Ximenes foi um erro de escalação em Haja Coração. Não entendi até hj... Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela e marcada por mocinhas românticas não caiu bem ..não é espalhafatoso e grandona como a raia e não tem tanto timing comico.

      Excluir
    2. Oi Fabio! Eu gosto do trabalho da Mariana Ximenes em Haja Coração. Miguel, creio que a ideia dessa nova Tancinha era ser menos espalhafatosa, já que a primeira não era mocinha, mas a atual é, então foi uma coisa mais "contida". Abraços a todos!

      Excluir