quinta-feira, 4 de julho de 2019

Marcílio Moraes seria um nome e tanto para nova fase da Globo

"Chama eu, Globo!"
A Globo tem feito a maior renovação de autores da faixa das nove dos últimos tempos. Com o afastamento de medalhões como Manoel Carlos, Silvio de Abreu, Benedito Ruy Barbosa e Gilberto Braga (este já tem seu retorno confirmado, mas no horário das seis), o horário tem como “veteranos” “apenas” Gloria Perez, Aguinaldo Silva, João Emanuel Carneiro e Walcyr Carrasco. Por este motivo, o canal tem investido em novos nomes, como Manuela Dias e Lícia Manzo, que devem assinar as tramas que virão na sequência de A Dona do Pedaço.

Enquanto isso, a Record segue firme e forte em seu projeto bíblico na dramaturgia. Com isso, o canal dispensou vários autores que, anteriormente, assinaram novelas de sucesso, como Lauro César Muniz, Margareth Boury, Gisele Joras e Carlos Lombardi. O último da “velha guarda” que ainda permanecia na emissora era Marcílio Moraes, autor de Essas Mulheres, Vidas Opostas e Ribeirão do Tempo. Desde a minissérie Plano Alto, o novelista tentava emplacar novos projetos, mas não conseguiu mais espaço. Afinal, são raros os projetos “não-bíblicos” a emplacar atualmente. Assim, Moraes cumpriu seu contrato sem conseguir engatilhar mais nenhum projeto.

Ou seja, atualmente, Marcílio Moraes está solto no mercado. Neste contexto, seu retorno à Globo poderia ser bem interessante. Na emissora carioca, Moraes fez poucas coisas sozinho, mas engatou boas parcerias, em produções como Roque Santeiro, Roda de Fogo, Mandala e Irmãos Coragem. Como autor principal, assinou Mico Preto, produção de reputação duvidosa, e Sonho Meu, esta sim um grande sucesso.  Além disso, roteirizou séries e especiais. 

Mas não há dúvidas de que foi na Record que Marcílio Moraes teve seu talento mais bem aproveitado. Vidas Opostas, seu principal sucesso, foi um divisor de águas na teledramaturgia do canal. Uma grande novela, que ditou os rumos das tramas que a emissora produziria a partir dali. Enquanto isso, Essas Mulheres é uma das novelas de maior prestígio da Record. E Ribeirão do Tempo foi uma das novelas mais inventivas já produzidas pelo canal. Isso sem falar em A Lei e o Crime e Fora de Controle, duas boas séries policiais. Plano Alto foi outro acerto, um drama político da melhor qualidade.

Já imaginou um criador deste naipe tendo carta branca e a estrutura da Globo à disposição? Marcílio Moraes já provou que é capaz de assinar uma excelente novela das nove. Tem texto refinado, boas soluções, é criativo e, acima de tudo, entende muito bem da estrutura do folhetim. Com isso, teria todas as condições de fazer uma novela que vá além do óbvio, como tem sido as últimas produções do horário na emissora. Porém, infelizmente, o canal tem dado preferência a textos mais simplistas, o que poderia ser uma barreira para a chegada de Moraes. No entanto, Marcílio Moraes seria um “estreante veterano”, que poderia contribuir muito com a experiência que acumulou ao longo de sua bem-sucedida trajetória. 

André Santana

9 comentários:

  1. Assino embaixo e acrescento Lombardi e Lauro Cesar. As novelas desses dois ultimos sao totalmente anarquicas, Lombardi no texto e Lauro nos temas ousados, na estrutura, muitos temas que ele abordou esteve a frente do seu tempo. Sinto mais falta desses dois, mas concordo inteiramente no que diz respeito ao Marcilio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos Lombardi faz muita falta as sete ..ninguém mais tem aquele estilo debochado dele..Sausade de tramas como pe na jaca

      Excluir
    2. Sim, Daniel, com certeza! Este trio tem um texto maduro, bem diferente da atual safra de autores da Globo (salvo raras exceções) que vem resvalando num tom infantiloide que chega a irritar. E faço coro, Miguel, sinto muita falta do Lombardi às 19h na Globo. Sinto falta, na verdade, de novelas adultas. Estão cada vez mais raras.

      Excluir
  2. A Record dispensou autores veteranos e agora vai seguir com tramas contemporâneas no horário das 19h. Li que a Christiane Fridman vai engatar outra novela após Topíssima, como se não bastasse a dobradinha com Jezabel.

    Por que não aproveitar os autores medalhões para inovar as novelas que antecedem as tramas biblicas? A Record precisa de alguém com experiência em televisão urgentemente pra tomar essas decisões. Parece amadorismo o que ocorrendo. Ou estão jogando contra a própria casa. Loucura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Mister Ed! A emissora tinha grandes nomes para dar sequência à faixa de Topíssima, mas dispensou todo mundo. Christiane Fridman é uma sobrevivente. E o último que sair apague a luz...

      Excluir
  3. Eae André. Ele realmente daria um chacoalhão na dramaturgia da Globo. Realmente é cansativo ver três novelas, por exemplo, falarem de um mesmo tema ou situação, por exemplo, personagem viciado em jogo ou então um casal de vilões tramando em um quarto de motel kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, Marcelo! As novelas atuais estão muito simplistas. Órfãos da Terra, que infelizmente vive uma barriga, ainda é a única novela atual a apresentar um texto menos boboca. Eu gosto de Verão 90, mas reconheço que ela é bem infantil. E A Dona do Pedaço... bom, é Walcyr Carrasco, né? Não preciso nem explicar.

      Excluir
  4. André, o Marcílio poderia ainda ser muito aproveitado pelo GloboPlay com ótimas séries a serem vistas depois na TV aberta.

    ResponderExcluir