Ticker

6/recent/ticker-posts

Publicidade

"Nos Tempos do Imperador" repete fórmula bem-sucedida de "Novo Mundo"

Pilar (Gabriela Medvedovski), Samuel (Michel Gomes), Luísa (Mariana Ximenes), Dom Pedro II (Selton Mello) e Teresa (Letícia Sabatella)
Foto: divulgação Globo

Estreia adiada pela Globo há um ano e meio, por conta da pandemia da covid-19, a novela Nos Tempos do Imperador finalmente entrou no ar nesta semana. A trama de Alessandro Marson e Thereza Falcão repete a mesma fórmula de Novo Mundo, mesclando tramas históricas e ficcionais para propor um retrato de uma época do Brasil e seus ecos com a contemporaneidade. Se Novo Mundo tinha início com a chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil e a independência liderada por Dom Pedro I (Caio Castro), agora o foco é o império de Dom Pedro II (Selton Mello).

Assim, o novo folhetim das seis tem como base uma história de amor na Corte, envolvendo Pedro, a imperatriz Teresa Cristina (Letícia Sabatella) e Luísa, a Condessa de Barral. Pedro se casou com Teresa em razão de acordos políticos, mas os dois começam a trama com uma relação baseada numa parceria afetuosa. Mas a chegada de Luísa, preceptora das princesas, mexe com o coração do imperador. Paralelamente, a novela aborda a visão política de Pedro II, ressaltando seu apreço pela educação e pela cultura.

Nos Tempos do Imperador também apresenta um casal principal “jovem”, formado por Pilar (Gabriela Medvedovski) e Jorge/Samuel (Michel Gomes). Ela é a tradicional mocinha à frente de seu tempo, que foge de um casamento arranjado para realizar o sonho de ser a primeira médica do Brasil. Ele é um escravo alforriado que tenta sobreviver com seu trabalho, ao mesmo tempo em foge da perseguição de Tonico (Alexandre Nero), pois foi acusado de ter matado o pai dele. Os dois se apaixonam, mas não terão vida fácil, já que Tonico é, justamente, o noivo prometido que foi abandonado por Pilar.

A partir da amizade que surge entre Pilar, Samuel e Luísa que as histórias se entrelaçam, repetindo a mesma fórmula de Novo Mundo, que tinha as figuras históricas Pedro I e Leopoldina (Letícia Colin), e as ficcionais Anna (Isabelle Drummond) e Joaquim (Chay Suede) como protagonistas. Desta vez, porém, como Pedro II é um imperador mais maduro, as histórias parecem mais maduras, o que dá um diferencial ao enredo.

A fórmula de se contar um capítulo da História do Brasil no formato de folhetim funcionou muito bem em Novo Mundo, que se mostrou uma aventura saborosa e muito simpática. E Nos Tempos do Imperador parece ir pelo mesmo caminho. Ao menos na semana de estreia, a novela se mostrou envolvente, com bons personagens e um enredo interessante e bem costurado. 

Além disso, a novela proporciona a volta de Selton Mello ao formato, que ele não se aventurava desde 1999, quando atuou em Força de um Desejo. Também mostra Letícia Sabatella madura, com uma protagonista interessante em mãos. E, ainda, traz Mariana Ximenes numa de suas melhores personagens em anos, como a carismática e forte Condessa. A trama também tem o mérito de valorizar novos nomes, como Gabriela Medvedovski e Michel Gomes, que formam um belo casal. Também é bom reencontrar Germana (Vivianne Pasmanter) e Licurgo (Guilherme Piva), agora idosos (aliás, que caracterização bem-feita!), mas ainda aprontando todas. 

Por fim, Nos Tempos do Imperador também se aproveita do fato de ser a única novela inédita da Globo na atual programação, o que garante algum interesse. Afinal, após um ano e meio de inúmeras reprises, o público merece acompanhar uma novela verdadeiramente nova. Os primeiros capítulos se mostraram promissores, e Nos Tempos do Imperador tem tudo para cair nas graças do público do horário.

André Santana 

14/08/2021

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Olá, tudo bem? Concordo. A estrutura do roteiro de Nos Tempos do Imperador é bastante similar a Novo Mundo. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir