sexta-feira, 17 de julho de 2020

"Otalab" é mais uma interessante experiência de TV na internet

Com a popularização (e profissionalização) dos vídeos da internet, a TV, muitas vezes, tentou emular o formato. O contrário também já aconteceu: há experiências na internet que se inspiram em formatos televisivos. Neste contexto, a chegada do streaming (e até da pandemia) fez tais experiências ganharem mais força. Já falamos aqui que o Globoplay tem feito boas experiências de programas remotos para a plataforma. E, agora, o UOL entrou na onda.

Não é de hoje que o portal UOL tenta aumentar a oferta de produção audiovisual. E agora, com este novo cenário criado pela pandemia, incluindo aí a popularização das lives, começam a surgir formatos híbridos e criados para serem veiculados nesta plataforma. Otalab, estreia de ontem, 16, do portal, surge nesta esteira. É Otaviano Costa mostrando a tal inquietação que ele sempre se referiu na ocasião em que deixou a Globo, onde comandava o game Tá Brincando

Otalab parece mesmo um programa de TV feito para a internet. Uma atração de variedades, no qual cabem todos os assuntos. O apresentador surge simpático num estúdio intimista, no qual divide a cena apenas com uma banda. Como em todos os programas de TV da atualidade, no Otalab os convidados surgem por videochamadas. Na estreia, o apresentador comandou boas entrevistas com Xuxa Meneghel, Paulo Ricardo, e outros convidados.

O diferencial é que o Otalab conta com o “material humano” do UOL. A promessa é que o apresentador receba colunistas do portal para debater assuntos do dia. Reinaldo Azevedo e Chico Barney participaram da estreia. Assim, o Otalab se mostrou como uma “salada”, misturando informação e entretenimento. É praticamente um programa de auditório de fim de semana da TV aberta, mas sem auditório presencial. Cabe de tudo.

Foi uma boa estreia. A atração leva a produção audiovisual do UOL para um novo lugar, neste momento em que o portal tem investido em nomes populares da TV (além de Otaviano, Zeca Camargo lançou um programa na plataforma recentemente). E ficou a cara de Otaviano Costa. Otalab deixou claro qual era a tal “inquietação” de Otaviano: ele queria um programa mais autoral. Um espaço dele, onde ele pudesse fazer o que quiser.

E a TV convencional, como já dissemos aqui em posts anteriores, tem cada vez menos espaço para isso. Programas autorais têm perdido a vez para formatos de temporada, e os comunicadores estão se tornando meros mestres de cerimônias. Otaviano nunca escondeu que queria um programa dele. Como não conseguiu na TV, resolveu explorar um novo terreno. O resultado não apenas convence, como abre um precedente interessante. Mostra que trocar a visibilidade de uma TV aberta para um espaço autoral na internet pode não significar um “rebaixamento”, pelo contrário: pode ser uma reinvenção possível. E muito agradável. 

Otalab é exibido toda quinta-feira, às 15 horas, ao vivo, nas plataformas do UOL. Para quem não viu, o primeiro programa pode ser assistido abaixo:


André Santana

7 comentários:

  1. Apesar de tudo, gostei, tem potencial. Mas a estreia achei cansativo, muito longo e sim, eh um programa de tv aberta. Eu acho que eu ia curtir bastante se fosse na tv aberta, tipo Cultura . Me lembrou um pouco o Fanzine do Marcelo Rubens Paiva ou Materia Prima do Serginho Groissman , pela versatilidade dos temas e convidados. Na Globo cabe esse tipo de programa sim, basta ver Altas Horas e Coversa com Bial ou mesmo Encontro. O UOL acho que quer se popularizar e aumentar tambem seu prestigio ne, ao contratar Otaviano, Zeca . Mas a audiencia do ao vivo pra mim ficou a desejar, suou pra chegar mil internautas. Esperava mais. Aquele game com a familia de Miami nao me entreteu. Mas temos que ver que eh estreia ne, no geral me pareceu bom embora me incomkdou parecer muito um otimo programa de tv aberta. Em internet a gente espera mais ousadia no formato e conteudo ne rs. Mas o saldo foi bom , tem potencial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Daniel, é TV aberta mesmo. Só bato na tecla que é um formato em extinção na TV aberta, por isso a minha torcida que ele ganhe sobrevida na internet. Não tinha visto o número de visualizações ao vivo. Mas o bom da internet é que a exibição não acaba em si, o programa ganha uma vida útil mais longa, já que tem a possibilidade de se assistir depois. Bom você lembrar do Fanzine e do Matéria Prima, já que eu tive uma impressão semelhante. Confesso que me lembro pouco do Matéria Prima, já que eu era muito novo quando ele foi ao ar, mas o Fanzine eu me lembro muito bem, e era por aí mesmo. E achei Otaviano muito melhor no Otalab, manteve esse espírito meio abobalhado dele, mas sem subir demais o tom, como ele fazia no Tá Brincando. Torço por um bom futuro para experiências assim.

      Excluir
  2. Não tava sabendo dessa estreia, gostei da crítica e tive boas impressões, vou assistir. Sem contar que tem Xuxa que, pra mim, já é um ótimo motivo pra assistir hahaha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi muito boa a entrevista com a Xuxa, ela fez boas revelações sobre sua carreira e seus projetos!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Acredito que esse formato do Otalab daria certo na Record aos sábados após o Balanço Geral.

    ResponderExcluir