sábado, 28 de dezembro de 2019

Top 10 de 2019: destaques negativos


A televisão brasileira errou muito em 2019. Por isso, a primeira parte da retrospectiva 2019 do TELE-VISÃO lista os destaques negativos da programação do ano que termina. A lista é elaborada baseada na opinião deste que vos escreve e, portanto, é sujeita a injustiças e esquecimentos. A ordem em que aparecem não é importante. Acompanhem:

- “Se Joga”

Neste ano, a Globo demonstrou ousadia ao acabar com programas clássicos, mas que não rendiam mais os resultados de antes. Nesta leva, o Vídeo Show teve um fim melancólico, apressado e sem direito a homenagens. E a promessa era de que a atração seria substituída por um programa mais abrangente e moderno. Este programa estreou cerca de nove meses depois do fim do Vídeo Show e não disse a que veio. Se Joga é um emaranhado de quadros de gosto duvidoso, sem foco e nem propósito. Além disso, não trouxe qualquer novidade. Resultado: apanha ainda mais de A Hora da Venenosa que seu antecessor. Algo errado não está certo.

- “MasterChef”

A Band tanto fez que conseguiu o que queria em 2019: desgastar o seu principal produto de entretenimento. Ao apostar em mais duas longas temporadas de MasterChef, a emissora contribuiu para o cansaço da fórmula, que registrou suas piores audiências em 2019. Além disso, o canal errou ao transferir a atração para os domingos, sendo que estava mais do que consolidado às terças-feiras. Tentou corrigir o erro na segunda temporada do ano, voltando para as terças, mas já era tarde. MasterChef já não é mais mania e nem gera discussão. Passou quase despercebido. Uma pena.

- “O Sétimo Guardião”

A aguardada volta de Aguinaldo Silva ao realismo fantástico foi uma grande decepção. O autor, desta vez, fugiu da comédia e tentou apostar num suspense mal ajambrado. Porém, com personagens sem força e uma trama que não fazia sentido (afinal, pra que proteger a fonte de água mágica, se ela nunca era utilizada para nada?), O Sétimo Guardião serviu apenas para deixar espectadores aborrecidos e atores insatisfeitos. As reprises de A Indomada e Porto dos Milagres no Viva reforçaram que O Sétimo Guardião estava muito aquém da capacidade de seu autor.

- Novelas bíblicas

A Record tomou um tombo com suas novelas bíblicas. Tentando repetir o sucesso de Os Dez Mandamentos, a emissora fez uma aposta a prova de erros na vida do maior profeta do cristianismo em Jesus. Mas o resultado fraco mostrou que a fórmula caminhava para a exaustão. Houve uma tentativa de mudança com Jezabel, que apostou numa protagonista mulher e vilã. Apesar da “ousadia”, a macrossérie também não aconteceu. Resultado: a emissora promoveu nova interrupção na linha das novelas bíblicas e se viu obrigada a reprisar O Rico e Lázaro. Gênesis está prevista para substituí-la, mas a produção está cercada de informações desencontradas. Complicado.

- “A Dona do Pedaço”

Walcyr Carrasco precisa, definitivamente, de férias. Ao emendar uma novela na outra, o autor não mais exerce sua criatividade, e sim propõe um emaranhando de ideias a prova de erros e vai jogando-as ao sabor da resposta da audiência, sem qualquer compromisso com uma história bem contada. A Dona do Pedaço é o auge desta fórmula de pasteurização do autor, com uma novela toda errada, personagens sem motivação e que mudavam de personalidade a toda hora, além do sempre humor de gosto duvidoso e grosseiro que o autor insiste em imprimir em suas obras. Foi um sucesso, é verdade, mas a que preço?

- Reality shows

Os três principais reality shows de confinamento da TV aberta não tiveram grandes temporadas em 2019. O ano já começou errado com o Big Brother Brasil 19, que tentou surfar na polarização política, mas acabou por confinar pessoas nem um pouco interessadas em jogar. Virou uma colônia de férias, e um tédio só para quem assistia. O mesmo aconteceu com o Power Couple, da Record, que teve um elenco apagado e poucos momentos marcantes. No fim do ano, A Fazenda também teve rumo semelhante, com o agravante de que as poucas pessoas que poderiam fazer o jogo render foram sendo eliminadas pelo público. Assim fica difícil.

- Silvio Santos

2019 foi mais um ano em que Silvio Santos se destacou negativamente. O apresentador se recusa a perceber que muitas de suas brincadeiras já não fazem sentido nos dias de hoje, promovendo um festival de ofensas e constrangimentos. Um concurso de beleza infantil, uma saudação sem sentido a Hitler e até uma polêmica no qual o apresentador preferiu premiar uma cantora branca, enquanto o auditório havia escolhido uma cantora negra. Isso sem falar na aproximação muito exagerada ao governo, com a presença constante de políticos em seu auditório. Silvio Santos sempre esteve ao lado do governo seja ele qual for, é verdade, mas nunca o fez de maneira tão escancarada como agora.

- “Padre Alessandro Campos”

A RedeTV chegou aos 20 anos com pouco a comemorar. Dentre tantos erros, destaque para o programa Padre Alessandro Campos, uma aposta da direção do canal para reavivar suas manhãs. O programa estreou já com polêmicas, quando internautas compartilharam vídeos do padre ofendendo senhoras que frequentavam suas plateias. Depois, um site revelou que o padre cobrava para que suas fãs participassem de seu auditório. Por fim, o programa se mostrou um tédio, no qual o padre apenas cantava suas músicas e fazia orações. Por uma hora. Toda manhã. Não tinha como dar certo e o programa saiu do ar cerca de dois meses depois da estreia.

- “As Aventuras de Poliana”

Depois de um início arrebatador, a novela infantil do SBT começou a perder fôlego. A audiência da trama de Iris Abravanel se viu em queda livre ao longo de 2019, mostrando que foi um erro prolongá-la por tanto tempo. Para piorar, o SBT decidiu economizar e não fará uma nova novela em 2020, preferindo apostar numa nova temporada de As Aventuras de Poliana. O desgaste parece inevitável.

- “Domingo Show” e “Hora do Faro”

Demorou, mas a Record finalmente está pagando o preço por ter reduzido seus programas de auditório a chororôs gratuitos. O Domingo Show voltou a ganhar investimentos em 2019, mas não foi o suficiente para que o programa de Geraldo Luís recuperasse sua audiência perdida, que migrou para o alegre Domingo Legal, do SBT. O parco desempenho fez com que Geraldo perdesse sua vaga nos domingos. Além disso, a entrega em baixa prejudicou o Hora do Faro, outro programa que abusa das histórias tristes. Neste ano, Rodrigo Faro ainda encarou a ira de espectadores ao ser flagrado perguntando como estava a audiência, ao vivo, durante uma homenagem a Gugu Liberato. Pela primeira vez, Hora do Faro fechará o ano atrás de Eliana, do SBT (outra que anda abusando da tristeza).

E para você, internauta? Quais os destaques negativos de 2019? Deixe sua opinião! Nos vemos no sábado que vem, 4 de janeiro, com os destaques positivos! Até lá!

André Santana

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Já divulguei no meu blog a lista dos melhores da TV brasileira no meu blog. E ainda publicarei a relação dos piores. Desejo um excelente 2020! Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio! Irei ver sua lista. Obrigado pela presença! Feliz 2020! Abraço!

      Excluir
  2. Nossa, André, muito bem escolhida a lista de destaques negativos, concordo com tudo. A Globo não foi feliz em sacrificar o Vídeo Show, o programa (apesar de desgastado) ainda era melhor que o Se Joga. O SBT segue sendo um canal que não me prende mais. Gosto do Bake Off, da Maisa, mas raramente os vejo na TV de Silvio Santos (Bake Off repisa no Home & Health e Maisa fica disponível no YouTube). MasterChef segue sendo um dos meus preferidos mas, de fato, já não tem a mesma repercussão. Já que irão manter duas temporadas do programa no ano podiam, ao menos encurtar a primeira para haver um respiro. Já a Record é um caso perdido. Seu jornalismo sensacionalista ganha cada vez mais espaço, suas novelas bíblicas já não rendem a mesma audiência (mas insistem nelas), os seus realities estão cada vez mais mal elencados e explicitamente manipulados e seus programas de auditório viraram um show de lágrimas. Socorro!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Mister Ed! Resumiu bem! Coisas tristes da TV 2019...

      Excluir