sábado, 7 de setembro de 2019

"É de Casa" reduz dicas inúteis e ganha mais ritmo

"Praticamente um Irmãos à Obra!"

Desde que estreou, o É de Casa sempre rendeu mais críticas negativas que elogios. A atração dos sábados de manhã da Globo se caracterizou pelo excesso de apresentadores e pelas pautas batidas, muitas delas inúteis ou impossíveis de serem reproduzidas pelo espectador comum. No entanto, verdade seja dita, o programa melhorou consideravelmente nos últimos meses. Ao que tudo indica, a troca de comando, quando É de Casa passou das mãos de Boninho para as de Mariano Boni, fez bem ao programa.

O maior acerto da atual temporada é a aposta em quadros no estilo reality show. Inicialmente, É de Casa estreou Reforma Certa, que mostra Zeca Camargo às voltas com a recauchutagem de um apartamento. Durante três meses, o público acompanhou o passo a passo da reforma, do projeto inicial, passando pelas dificuldades de execução, até chegar à obra pronta. Um time de arquitetos, engenheiros e pedreiros expunham a condução dos trabalhos, o que se mostrou uma maneira um tanto mais divertida de passar dicas de casa ao espectador. Claro, o programa não escapou de momentos “fakes”, com dificuldades que pareciam fabricadas. Mas isso não tira o mérito do quadro de fugir do “mais do mesmo”.

E não foi apenas Zeca Camargo que ganhou um reality para chamar de seu. Patrícia Poeta ganhou o comando de Minha Mãe Cozinha Melhor que a Sua, uma nova competição culinária. Quer dizer, “nova” não é bem a palavra, já que se trata, basicamente, de uma nova versão do Duelo de Mães, atração de Ticiana Villas Boas no SBT, com toques do Minha Mulher que Manda, competição culinária de Eliana, também no SBT. Mesmo assim, apesar de não ser nova, a ideia combina bem com a proposta do É de Casa.

No jogo, Patrícia Poeta recebe duas celebridades e suas respectivas mães. Os famosos precisam reproduzir pratos que suas mães costumam fazer. Mas elas, as mães, devem interferir o mínimo possível, apenas orientando de fora. O chef Roberto Ravióli avalia os pratos e elege o vencedor. Com isso, o espectador se envolve com a competição, ao mesmo tempo em que absorve algumas dicas culinárias.

É de Casa estreou com a proposta de ser um “programa sobre a casa”. Entretanto, a atração foi se perdendo em sua própria proposta. Inicialmente mais variado, aos poucos o programa foi se tornando um longo “faça você mesmo”. Os quadros se resumiam, basicamente, a mostrar modos de fazer nos mais variados ambientes da casa. Com isso, se tornou sonolento e profundamente desinteressante. Tanto que chegou a ver o Sábado Animado, do SBT, e até o Esporte Fantástico, da Record, se aproximarem.

Agora, com o lançamento de quadros como Reforma Certa e Minha Mãe Cozinha Melhor que a Sua, o programa mostra que é possível falar sobre assuntos da casa de maneira menos óbvia e mais divertida. Além disso, o programa ampliou o espaço do jornalismo, com entradas ao vivo e a atualização do noticiário, ficando mais dinâmico. E isso é bastante positivo. O programa possui bela estrutura, apresentadores versáteis e tempo de sobra para variar seus assuntos. Por isso, era bem difícil entender como a emissora produzia um semanal tão preguiçoso. A mudança de rumo sinaliza que É de Casa está mais disposto a sair da zona de conforto e experimentar mais. E sem perder de vista a proposta de ser um programa sobre a casa.

E é possível ir ainda mais além. A televisão é parte importante da casa e, sendo assim, caberia ao É de Casa tratar deste assunto também. Sem Vídeo Show, o matinal de sábado poderia assumir esta missão de receber artistas e repercutir as novidades da programação da emissora. Afinal, É de Casa tem três longas horas de duração e um formato bastante flexível. Ou seja, variar os temas tratados é uma obrigação.

André Santana

2 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu sempre gostei do É de Casa. É um programa matinal de sábado. Essa é a proposta. É uma atração agradável. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio! O problema do É de Casa, na minha visão, é que ele era pouco variado. Era só um "faça você mesmo", uma eterna experiência da Eliana com 3 horas de duração. Hoje, o programa busca quadros variados, e é isso que devem buscar mesmo. Antes eu via o É de Casa com sonolência, agora assisto com interesse. O programa melhorou muito. Abraço!

      Excluir