sábado, 14 de setembro de 2019

Band e Record ampliam espaço do jornalismo na programação

"Não vá pra cama sem mim!"

Nesta semana, a TV aberta viu crescer consideravelmente as horas dedicadas ao jornalismo em duas das principais redes do Brasil. Band e Record incrementaram suas respectivas programações jornalísticas com os lançamentos de Band Notícias e JR 24 Horas. Em comum, os dois canais vivem uma fase caracterizada pela dificuldade em emplacar novos programas de entretenimento. Sendo assim, preferem apostar em informação.

Band Notícias é o novo noticiário da Band, que estreou na última segunda-feira, 09, às 22h, com a ingrata missão de suceder o Show da Fé e elevar os índices de audiência para a linha de shows. Apresentado por Rafael Colombo e Cynthia Martins, a novidade é um jornal tradicional, com um apanhado dos fatos do dia. Seu diferencial é a participação de comentaristas, que ajudam a interpretar a notícia. No entanto, trata-se de uma participação restrita. O resumo dos acontecimentos do dia é a tônica do jornal.

Com a estreia do Band Notícias, a emissora sinaliza que vem modificando os rumos de sua estratégia de programação. A Band promoveu uma série de estreias fracassadas no campo do entretenimento no ano passado. Agora, o canal foca seus esforços em sua vocação natural: o jornalismo. Deste modo, há um visível investimento em notícias, visto na reformulação da grade matinal e, agora, na faixa das 22 horas. A emissora acerta ao investir no segmento que sempre teve tradição. Brasil Urgente e Jornal da Band não são as maiores audiências da emissora por acaso.

E não é de hoje que o canal tateia em busca de alguma solução para o problema chamado Show da Fé. O horário da igreja é fundamental para equilibrar as finanças da estação, mas prejudica consideravelmente os programas exibidos na linha de shows da Band. Nos últimos anos, a emissora tentou de tudo para tentar uma transição mais suave entre a igreja e seus programas, como as diferentes versões do VídeoNews, Zoo (lembra?), Os Simpsons... Há pouco tempo, a Band chegou até a tentar “colar” o Show da Fé nos shows, mas o resultado foi desastroso. Assim, um jornal parece uma aposta mais interessante. Se vai dar certo, só o tempo dirá. Mas trata-se de uma aposta válida.

Enquanto isso, a Record, que já tem muitas horas de jornalismo diário ao vivo, ampliou ainda mais o espaço para informação. Trata-se do primeiro grande projeto de Antonio Guerreiro, atual vice-presidente de jornalismo do canal, que resolveu levar a grife do Jornal da Record para diferentes horários da programação. Assim, reformulou o tradicional Jornal da Record das 21h30, e lançou quatro boletins diários, o JR 24h, exibido às 11h40, 16h45, 17h45 e 0h30, com apresentação de Janine Borba e Sergio Aguiar.

Os novos boletins chamam a atenção pela boa iniciativa de apostar em jornalismo ao vivo. De curta duração, os noticiosos contam com poucas matérias gravadas e muitas entradas ao vivo de repórteres, que trazem informação em tempo real. O maior acerto é a edição da 0h30, no qual Sergio Aguiar, excelente âncora, conversa também com comentaristas. Mesmo curto, o jornal consegue ser minimamente analítico. Assim, o boletim da madrugada do JR 24h cumpre o papel de encerrar a programação da emissora com informação, incrementando o fim de noite do canal, dedicado aos enlatados desde o fim do Programa do Porchat. Uma boa novidade, que até merecia um tempo maior no ar.

André Santana

9 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu discordo da decisão do Guerreiro em encher a programação da Record com esses boletins. A grade já conta com muito jornalismo. É uma overdose..... Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E a maior tradicao desses canais ...noemtrtebonento eo formato conpraso ou choro. .Pôr que ninguém pensa nu Na revista eletrônica?

      Excluir
    2. Oi Fabio! Pois é, também achei estranha essa ideia. Pra mim não faz muito sentido os boletins do JR, já que a Record já tem trocentos noticiosos ao vivo, que ocupam horas e horas da grade. O que eu gostei mesmo foi da edição da 0h30, que tem uma abordagem interessante dos assuntos do dia. A emissora devia centrar seus esforços apenas nesta edição. Gosto do Sergio Aguiar também, acho que foi uma boa aquisição. Abraço, Fabio e Miguel!

      Excluir
  2. Coincidentemente duas emissoras que apoiam o atual governo (na verdade apoiaram todos, sempre foram coniventes), colocam mais jornalismo, ainda que, as duas, dão ainda maior destaque ao sensacionalismo nos seus programas da tarde/noite.

    E o projeto de "renovação" da Record News, que dizem que pode virar um canal quase que "juvenil", com notícias ao estilo da internet? E a Band News que basicamente é um canal com alguém sentado lendo notícias repetidas o dia todo? Então não adianta apenas ter o jornal, o que é citado pode ser mais bem colocado e buscado.

    E a Record quase sempre emulando algo da Globo; até a marca do JR lembra alguma antiga do JN...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre, pois é! Mas nem vou me ater à política, e sim em termos de estratégia da grade. Neste ponto de vista, gosto principalmente das investidas da Band. Porque o canal já mostrou não ter muita vocação para variedades. Jornalismo, então, é um rumo interessante.

      Excluir
  3. Investimento em jornalismo de boa qualidade é sempre louvável. Os boletins são interessantes justamente pela agilidade e pela entrada dos repórteres, diferente do G1 em um Minuto, que só dá notas. Apesar de ser o melhor, o JR da madrugada entra depois da série americana, não seria um erro de estratégia? Podiam cancelar a série e aumentar o tempo do jornal, que entraria no ar logo após o programa da linha de shows. E a Record bem que poderia diminuir o tempo de arte dos horríveis Balanço Geral e Cidade Alerta.

    Por mais interessante que seja a ideia do Band Notícias, entrar após a igreja será sempre o erro da Band. Talvez cresça em audiência quando fizer sala pra próxima temporada do MasterChef.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mister Ed, bem colocado! Não entendi nada a Record encerrar A Fazenda e entregar pro MacGiver (?). Isso ajuda a afundar o jornal. Nada a ver.

      Excluir
  4. Já tivemos várias fazer na TV
    Infantis, programas femininos ,baixaria ,reality shows
    Tomara que venha a fase de bons telejornais na TV, rede Globo ,band e Record esfao se esforçando e trazendo boas novidades
    Creio que jornalismo é um caminho de vida longa na atual fase da TV, pois os serviços on demand não oferecem jornalismo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas, Caio! Jornalismo ao vivo é o que vai manter a relevância da TV aberta.

      Excluir