quinta-feira, 27 de junho de 2019

Angélica não volta ao ar este ano, diz site

Esperando sentada

O que já parecia provável se confirmou: a apresentadora Angélica não deve estrear seu novo programa este ano na Globo. Segundo o site Notícias da TV, a equipe que trabalhava na implantação do novo projeto foi demitida há duas semanas. A matéria assinada por Ana Cora Lima afirmou que Angélica ficou desapontada com a suspensão do programa, mas que foi prometido a ela que a atração deve vingar em 2020. A mesma matéria ainda afirma que a comunicação da Globo negou as demissões, limitando-se a dizer que “existem projetos em discussão, mas nada definido”.

Com isso, Angélica deve ficar, no mínimo, dois anos sem um espaço próprio na TV. Algo novo na carreira da artista, que estreou como apresentadora aos 12 anos na Rede Manchete e nunca ficou muito tempo fora do ar. Na Globo, onde ela estreou em 1996, Angélica havia ficado longe do vídeo apenas por dois meses, entre agosto e outubro de 2000, na fase de transição entre o Angel Mix e o Bambuluá. Quando o segundo infantil chegou ao fim, a loira já dava expediente no Vídeo Game, do Vídeo Show. Além disso, dividiu as aparições no vespertino com a apresentação do Fama e, depois, com o Estrelas. Neste meio-tempo, se ausentou apenas durante suas licenças-maternidades.

Porém, desde o fim do Estrelas, Angélica se encontra em compasso de espera. Neste meio-tempo, choveram especulações. Falou-se que ela comandaria um novo game show aos moldes do Passa ou Repassa, e até que ela ia deixar a Globo. A emissora não fala sobre os contratos de seus artistas, mas sabia-se que o de Angélica venceria no segundo semestre do ano passado. Como ela segue sendo tratada como funcionária pela casa, deduz-se que houve renovação. Neste contexto, foram surgindo notícias sobre um novo programa: que seria uma atração com entrevistas, que trataria de assuntos relacionados a comportamento e que seria de temporadas, possivelmente exibido nas noites de quinta-feira.  Geninho Simonetti era o diretor.

O cancelamento (ou adiamento) do novo programa tem a ver com o atual momento da Globo. A emissora colocou o pé no freio e tem limitado estreias. Já havíamos comentado aqui que o novo programa de Fernanda Gentil, prometido para este ano, também estava “de rosca” e devia ficar apenas para o ano que vem. Angélica, como se vê, segue o mesmo caminho. Ou seja, se 2019 seria o ano de muitas mudanças na grade da Globo, tais mudanças foram vistas apenas nos cancelamentos, como do Bem Estar e do Vídeo Show. Praticamente não houve estreias no campo do entretenimento fora da dramaturgia. Tá Brincando, a única novidade, já foi cancelado e seu apresentador, Otaviano Costa, dispensado. Sinal de que a emissora está receosa com o contexto econômico atual e sem coragem para arriscar.

Enquanto isso, Angélica deve se limitar a continuar aparecendo como convidada dos programas da casa. Recentemente, ela participou do Gonga La Gonga, no Caldeirão do Huck. Uma pena. Aliás, pelo que foi dito do novo projeto da loira, sempre me pareceu que o novo programa tinha todo o jeitão de GNT. Será que ninguém na Globo pensou em fazer uma coprodução com o canal pago para viabilizar a atração? Poderiam fazer como o Lady Night, com exibições no GNT e uma temporada no canal aberto. O Grupo Globo já está adotando uma política de integração entre seus canais, e este projeto poderia entrar nesta nova política. Seria bem interessante.

Mas há quem acredite que a Globo parece não ter mais interesse em Angélica. Ou ainda que ela vem sendo cozinhada pelo canal em razão das pretensões políticas de seu marido. Se fosse algo neste sentido, por que não a dispensam logo? Ao menos ela estaria livre para buscar novos ares. É uma pena essa situação!

André Santana

10 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Tiago Leifert poderia ficar com o BBB e Angélica com o The Voice Brasil...O apresentador comanda três atrações, enquanto a loira fica na geladeira. Está errado isso aí.... Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela ja comandou o fama muito parecido na um tempo atrás bem lembrado

      Excluir
    2. Oi Fabio, tudo bem? Com certeza, Angélica comandaria o The Voice com muita competência! Ainda prefiro a loira num projeto autoral, mas se existisse essa possibilidade de Angélica assumir um formato, também seria bem legal! Ela precisa é voltar ao ar, sinto falta dela. Miguel, lembrou bem do Fama. Angélica é uma apresentadora versátil, faz bem tudo o que lhe propõe. Difícil entender ver apresentadores medianos no ar, e bons apresentadores na geladeira. Abraço Fabio, abraço Miguel!

      Excluir
  2. Angélica no The Voice seria realmente uma boa opção, acho o Leifert um saco. Mas creio que o destino da loira seja a porta da rua mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser, Mister Ed. Só não entendo o porquê de a Globo esperar mais de um ano para dispensá-la. Se não têm interesse, deviam liberá-la de uma vez.

      Excluir
    2. Eles fizeram isso com o Jô, lembra? Um ano fora do ar mas recebendo e sem a possibilidade de negociar com outro canal.

      Excluir
  3. Eae André. Não dá pra entender ela fora do ar, seria interessante um programa nas tardes.

    ResponderExcluir
  4. O mais estranho é que não aparece outra rede de televisão no passe da Angélica ,que por sinal precisa voltar logo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí são duas situações: a primeira é que, salvo exceções, as emissoras não estão mais apostando em grandes comunicadores. Repare como é cada vez menor o número de apresentadores com programas, digamos, "autorais". A Record é um exemplo claro disso, pois só manteve Rodrigo Faro e Geraldo Luís com programas próprios. Os demais animadores viraram mestres de cerimônia. Programas como o de Faustão, Luciano Huck, Raul Gil e Eliana estão cada vez mais raros. O segundo ponto é que a Globo ainda não dispensou Angélica. Então nenhum canal vai tentar contratá-la se o canal ainda a mantiver presa. Mas eu acho que o melhor destino de Angélica, fora da Globo, seria o GNT. Não a vejo em outro canal aberto mais. Sei lá, impressão minha.

      Excluir