sábado, 23 de março de 2019

Band desperdiça "O Aprendiz" em equivocada estratégia de programação

"Aqui não tem comida!"

Um dos mais interessantes reality shows já exibidos na TV brasileira, O Aprendiz esteve num inexplicável hiato. Cinco anos separam a última edição exibida pela Record e a atual, que estreou na última segunda-feira, 18, na Band. No entanto, a pausa serviu para dar um importante respiro à atração, que voltou ao ar com ares de novidade. Mas a nova emissora perdeu a chance de dar o devido destaque ao programa, ao fazê-lo disputar a atenção do público com o MasterChef, que retorna neste domingo, 24.

O Aprendiz foi uma das vedetes da famosa fase da Record “rumo à liderança”, quando o canal apostou numa agressiva estratégia de fortalecimento da programação, em 2004. Foi com o programa apresentado por Roberto Justus que a emissora conquistou um novo público, impulsionando uma linha de shows marcada por inúmeros sucessos. Ou seja, o programa tem um inegável apelo.

Assim, a Band tem em mãos um produto do qual precisava há tempos. Afinal, o canal dos Saad vive um momento complicado, com uma programação frágil em vários aspectos. Seu único programa relevante, há anos, é o MasterChef, outro formato de muito apelo. No entanto, a Band tem abusado da competição culinária, fazendo o programa perder fôlego a cada ano.

Ou seja, a Band precisava, com urgência, de um programa que fosse capaz de revezar com o MasterChef na programação. Um revezamento de formatos faria com que os dois programas tivessem um tempo bom de exibição seguido de uma necessária pausa entre temporadas.

Mas, em vez disso, a emissora preferiu exibir os dois programas ao mesmo tempo. Apostou em O Aprendiz nas noites de segunda-feira, um dia em que o canal não costuma ser muito expressivo. E estreará o MasterChef na sequência. No ar ao mesmo tempo, os dois programas dividirão a atenção da audiência. Ambos podem sair esvaziados da experiência. Faltou ousadia e estratégia de programação à emissora.

Sobre o programa em si, para marcar a nova fase de O Aprendiz, Roberto Justus aposta em digital influencers na competição. A ideia de diversificar a cartela de participantes é boa. Em sua história, O Aprendiz já apostou em disputas de executivos experientes, universitários e até celebridades. Os digital influencers, portanto, injetam alguma novidade no formato. Além, claro, de aumentar o engajamento do programa nas redes sociais.

Mas o grande trunfo de O Aprendiz continua sendo Roberto Justus. O profissional é perfeito para o formato, pois encarna a figura do chefe implacável como ninguém. Ou seja, fica bastante claro que Justus não é bem um apresentador versátil. Quando se aventura em outros formatos, ele não rende. Mas, em O Aprendiz, ele está em casa. Resta saber se ele terá força suficiente para fazer o público voltar a assistir à Band. O parco desempenho da estreia no Ibope mostra que a tarefa será bem complicada.

André Santana

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Comentarei hj no meu blog sobre a estreia do MasterChef. Eu gosto de assistir ao Aprendiz, mas o formato pode já estar desgastado para o público....Sobre A Rosa dos Milagres: eu posso ser o único, mas eu gosto de assistir à série. E eu assistia ao Caso Encerrado com a Dra. Polo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio, como vai? Nossa, eu achei Rosa dos Milagres muuuito ruim, kkk! Acho os "milagres" meio estranhos. A santa botou fogo na casa da mocinha no primeiro episódio pra fazer com que a família dela se reunisse? Achei pesado, rs! Abraço!

      Excluir
  2. De fato, como disse o Fabio, por mais que o programa tenha qualidades, e ele têm, inclusive com o Justus (mesmo sendo alguém que atrai certa rejeição), o formato chega na Bandeirantes com cheiro de coisa velha, afinal, o auge do Aprendiz foi a mais de 10 anos na Record. E o fiasco, esperado, na audiência, mostra que sucesso de "trending topics" no twitter não representa necessariamente sucesso de audiência na TV.

    Assim como era esperado o fiasco de audiência no Masterchef, que deveria ter sido mantido na terça e, no máximo, ter uma segunda edição na quinta. E concordo contigo, os programas poderiam se revezar na programação, sendo de temporadas. Mas pelo que escreveu o Flavio Ricco, deve vir aí o Masterchef Celebridades, ou seja, vão esmerilhar a fórmula ainda mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Alexandre, será que O Aprendiz está tão desgastado assim? Ele ficou cinco anos fora do ar, e estreou em 2004, ou seja, há uma geração que nem viu a estreia. Pode ser que esteja, mas eu também acredito que a atual fase (ruim) da Band contaminou o programa. Creio que se fosse na Record (ou outra emissora de teto de audiência mais alto), poderia ter desempenho melhor.

      Excluir