quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Record recorre novamente à reprise para não deixar morrer a “novela das sete”

Quando saiu a notícia de que Topíssima, novela de Christianne Fridman que substituiria Belaventura, teve sua produção interrompida, imaginei que a “novela das sete” da Record morreria de vez. E que, provavelmente, a emissora colocaria no horário o Jornal da Record, ou voltaria a esticar o Cidade Alerta indefinidamente. Mas não. A princípio, a “novela das sete” da Record não vai morrer. Mas vai recorrer, novamente, a uma reprise.

Neste caso, não será uma “nova” reprise, e sim um ajuste na atual configuração da grade. Com o fim de Belaventura, a reapresentação de Os Dez Mandamentos, que ocupa a faixa das 18h15, será empurrada para às 19h45. E o Cidade Alerta, que havia sido reduzido drasticamente desde o retorno de Os Dez Mandamentos, volta a ser enorme, indo das 16h45 às 19h45. Já o SP Record não sobreviverá às mudanças e sairá do ar.

O encurtamento do Cidade Alerta, a reprise de Os Dez Mandamentos e o lançamento do SP Record faziam parte de um pacote de mudanças na programação de 2017 que buscava qualificar a grade da emissora. O jornal policial era enorme e dava audiência, mas não faturava tanto. Com uma novela e um novo jornal, mais voltado à informação e prestação de serviço, o canal esperava fazer uma grade comercialmente mais interessante. No entanto, em termos de audiência, as mudanças revelaram-se um grande fiasco. Os Dez Mandamentos entregava em baixa para o SP Record, que entregava em baixa para Belaventura, que também pontuou mal. Sem a alavanca do Cidade Alerta, a audiência do horário nobre da emissora despencou.

Por conta disso, a Record, agora, tentará recuperar os números perdidos e, mais uma vez, recrutará o Cidade Alerta para a função. Além disso, Os Dez Mandamentos entrará numa fase na qual decolou em sua primeira exibição, e a emissora espera que os números subam a partir daí. Como vai contar com a alavanca do jornal policial, é bem provável que a nova grade refresque, ao menos um pouco, a situação da emissora. Vamos ver o que acontece.

Sendo assim, como a faixa de novelas das sete continuará, com a reprise de Os Dez Mandamentos, pode ser que Topíssima venha, sim, a ser produzida mais adiante. Mas fica claro que a emissora não tem musculatura para manter dois horários de novelas com tramas inéditas sendo produzidas simultaneamente. Quando tentou ter três novelas inéditas no ar, lááá em 2006, o canal penou. Conseguiu, por um certo período, exibir duas produções, mas também aos trancos e barrancos. Agora, desde que a faixa das 19h foi retomada com Escrava Mãe, a emissora vem revezando uma história inédita e uma reprise. De repente, seria melhor concentrar esforços numa única faixa (a das 20h30, que vive uma crise com Apocalipse), ao invés de tentar dar um passo maior do que a perna.


André Santana

5 comentários:

  1. A Record peca em estratégia há anos e eles não aprendem mesmo. Tem de deixar de imitar a Globo e criar seu estilo próprio, por isso o telespectador foge.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho até que eles tem o estilo próprio deles: Violência, jornais sensacionalistas e programas de chororô. Por mais que não gostemos disso, dá audiência e pensando só nisso é o que eles fazem "melhor". Até havia a ideia de uma grade mais qualificada, mas isso láaaa na época do Tudo a Ver (não o das reprises) e do Aprendiz, mas pelo visto isso ficou bem para trás.

      Dizer que hoje a Record imita a Globo fica mais restrito ao Jornal da Record (clone do JN do começo dos anos 2000) e um pouco no Domingo Espetacular e naquele programa de esporte de sábado de manhã. No restante conseguiram essa identidade tosca com os Balanços Gerais e olhe lá. Mas realmente é lamentável que uma TV gaste o tanto qto gastaram para ficar brigando com o SBT.

      Excluir
    2. É verdade, Alexandre, os Balanços Gerais representam bem o que é o "estilo" da Record hoje, já que até seus programas de auditório seguem o estilo Balanço Geral (aliás, eu sempre disse aqui que o Balanço é um programa de auditório sem auditório). É uma pena. Saudades dos tempos do Tudo a Ver e das novelas realmente boas!

      Excluir
  2. Porque não abandonar o formato novela e produzir séries..até mesmo as bíblicas cansariam menos se fossem mais curtas e funcionariam melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que a temática bíblica funciona melhor nas séries e minisséries. Os Dez Mandamentos foi um acerto, sem dúvidas, mas ficar insistindo no formato só faz o espectador cansar.

      Excluir