quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Após 20 anos, "Teleton" poderia rever formato

No último final de semana, o SBT exibiu a 20ª edição do Teleton, uma maratona televisiva que tem o objetivo de arrecadar fundos para a AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente). Para comemorar a passagem destes 20 anos, nos quais a entidade ampliou de maneira significativa seu atendimento, o Teleton relembrou momentos importantes deste tempo todo.

Foi muito emocionante rever o primeiro discurso de Silvio Santos, ao abrir o primeiro Teleton, em 1998. Também é sempre oportuno relembrar a marcante presença de Hebe Camargo, madrinha do evento desde seu início até quando nos deixou, em 2012. Hebe era entusiasta da ideia, uma de suas idealizadoras, e era a mais presente dentre os apresentadores maratonas, sendo vista na abertura e no encerramento, e também em outros momentos.

Além da causa nobre, o Teleton é sempre interessante em se acompanhar em razão da presença de profissionais da televisão de todas as emissoras. Para quem gosta de TV, é muito divertido ver o encontro entre artistas de canais “rivais”, que surgem unidos em razão da boa causa. Neste ano, sem dúvidas, um dos encontros que mais causou burburinho foi entre Eliana e Rodrigo Faro, rivais na programação dominical do SBT e Record, respectivamente. Juntos, eles mencionaram a “rivalidade profissional”, ao mesmo tempo em que relembraram até a canção que emplacaram juntos. Foi um belo encontro.

Um dos momentos mais aguardados do Teleton sempre foi seu encerramento, marcado pelo encontro entre Silvio Santos e Hebe Camargo. Juntos no palco, os dois arrancavam risos da plateia e pareciam se divertir em cena até mais do que o espectador. Desde que Hebe Camargo morreu, Silvio vem encerrando a maratona ao lado de sua família, principalmente Patrícia Abravanel. Em anos anteriores, ele chegou a unir no mesmo palco Patrícia, Silvia Abravanel e seu neto Tiago Abravanel. Este ano, no entanto, Silvio optou por comandar o desfecho sozinho, “pulverizando” os “abravanéis” ao longo da maratona.

Silvia Abravanel comandou o segmento infantil, na manhã do sábado, enquanto Tiago Abravanel foi visto na faixa da tarde, comandando um divertido “revival” de Chiquititas ao lado de Fernanda Souza, a eterna Mili da primeira versão. Rebeca Abravanel surgiu no palco no final da tarde, enquanto Patrícia Abravanel se apresentou à noite, antes do pai. Patrícia, aliás, também fez parte de outro encontro interessante, já que dividiu o palco com Gugu Liberato, Celso Portiolli e Ratinho.

Por essas e outras, o SBT, mais uma vez, promoveu um bom Teleton, e ainda conseguiu alcançar a meta de doações, com mais um resultado positivo. O único “porém” é sobre seu formato limitado, que é praticamente o mesmo desde a estreia, em 1998, com um rodízio de artistas costurando “histórias emocionantes” de pacientes da AACD. Entre seu terceiro e quinto ano, o Teleton chegou a apostar em formatos diferentes, com edições especiais de Show do Milhão e Curtindo uma Viagem com celebridades, além de formatos feitos especialmente para a maratona, como a Batalha dos Artistas e o Show de Talentos. Neste ano, a única “novidade” foi um especial do Roda a Roda, com as presenças de Ratinho, Luciana Gimenez e Rodrigo Faro.


É importante manter o Teleton sempre ao vivo, para que a temperatura permaneça alta. Mas seria bem interessante se o programa conseguisse ir além do óbvio, para garantir o entretenimento e, consequentemente, a colaboração do espectador.

PS: Nos últimos dias, estive na organização de um Festival de MPB, daí o meu sumiço por aqui. Agora, com mais tempo livre, estou me atualizando a respeito de O Outro Lado do Paraíso para publicar da análise dos primeiros capítulos no próximo sábado, 04. Agradeço a compreensão.

André Santana

6 comentários:

  1. Ufa, ja tava na noia achando que voce tava desistindo eou deixando o blog em terceiro plano e priorizando o OT , o que eh compreensivel ja que vem o seu dindin.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, outubro é um dos meses que eu mais trabalho. Como disse, eu estava na organização de um festival de MPB, o que me consome muito tempo. O pouco tempo que eu tinha era para o Observatório, sim, porque, como você bem disse, lá é meu ganha-pão. O restante eu ainda tinha que me atualizar sobre TV, afinal, espera-se de que alguém que escreva sobre TV assista TV. Pra você ter uma ideia, eu só consegui me atualizar quanto a O Outro Lado do Paraíso na segunda semana de exibição, pois na primeira eu não tive tempo de ver nada. Fora tudo isso, eu ainda estava me mudando de casa, e até hoje estou sem internet em casa, tendo que me virar para mandar os textos para o Observatório e, ainda, atualizar o blog. O blog é e sempre será de textos inéditos. Mesmo quando eu aproveito um tema trabalhado no Observatório, eu refaço ele aqui. As poucas vezes que acabei usando o mesmo texto foi pela pura falta de tempo. Eu não abandonei e não vou abandonar o blog, mas eu tenho outros quatro empregos, tenho que assistir TV, e mais várias coisas para fazer. Portanto, peço um pouco mais de compreensão. Se eu sumi aqui, não foi porque eu quis, foi porque foi necessário. Quando eu comecei o blog, eu fazia apenas o blog. Hoje, eu tenho mais tantas outras coisas para fazer. E continuo no blog, porque é cria minha, é algo meu, pessoal. E, mesmo que às vezes eu tenha que me ausentar, eu voltarei sempre. Então, quando eu sumir, não pense que estou deixando o blog em terceiro plano, e sim que eu tive outros compromissos e contratempos que me impediram de estar aqui.

      Excluir
  2. Ah, sei que posso estar abusando, mas tenta por algum texto inedito aqui tambem. Adoro OT , Joao Paulo Reis principalmente, mas sou time Tele-Visao rs

    ResponderExcluir
  3. O Teleton é bem esperto ,pois só querem apresentadores que são estrelas
    Já que a causa é nobre porque não chamem artistas que são talentosos porém não estão na tv ou em uma grande rede aberta como Silvia Popovick , Olga bongiovanni ,Claudete troiano ,Regina Volpato etc
    Só querem os mesmos de sempre

    ResponderExcluir