terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Globo veta "Barba Azul" e Antônio Calmon segue na geladeira

Antônio Calmon foi um dos principais autores de novelas da Globo entre as décadas de 1980 e 2000. São dele novelas que marcaram época, como Top Model, Vamp, Cara & Coroa, Um Anjo Caiu do Céu e O Beijo do Vampiro. Além disso, Calmon também criou e/ou colaborou com diversas séries e minisséries que também marcaram a televisão, como Armação Ilimitada, A, E, I, O, Urca, Sex Appeal, A Justiceira e Mulher. No entanto, logo após assinar a série Na Forma da Lei, de 2010, o novelista vem encarando uma fria e inóspita geladeira na emissora. Geladeira que quase chegou ao fim, com a aprovação da sinopse de Barba Azul, novela que estrearia na faixa das sete em 2018. No entanto, a trama foi reprovada após a entrega dos primeiros capítulos.

Com isso, não será desta vez que Antônio Calmon regressará ao horário das sete, faixa onde chegou a ser um dos principais autores, ao lado de Carlos Lombardi (hoje na Record). E sempre fica a dúvida: estaria o autor em baixa após o insucesso de suas últimas novelas? Começar de Novo, que escreveu em parceria com Elizabeth Jhin no ano de 2004, e Três Irmãs, de 2009, foram consideradas fiascos de público e crítica. E a série Na Forma da Lei, seu último trabalho como autor em televisão, também não convenceu muito. Situação complicada para um autor com boas produções no currículo.

Segundo o site Notícias da TV, Barba Azul teria tido sua sinopse aprovada pela Direção de Teledramaturgia Diária da Globo (leia-se Silvio de Abreu), mas seu desenvolvimento nos primeiros capítulos teria desagradado, daí seu cancelamento. Com isso, uma história de Izabel de Oliveira e Paula Amaral, chamada provisoriamente de Anos Incríveis, que substituiria Barba Azul, acabou tendo sua produção adiantada, e agora entrará no lugar de Pega Ladrão, que será a sucessora de Rock Story. E isso, parece, está se tornando uma prática cada vez mais comum desde que Silvio de Abreu passou a responder pelas novelas da emissora.

Vale recapitular: na faixa das nove, os parcos desempenhos de Babilônia e A Regra do Jogo levou o diretor a adiar A Lei do Amor e “promover” Velho Chico, inicialmente pensada para o horário das seis. Recentemente, O Homem Errado, que marcaria a estreia de Duca Rachid e Thelma Guedes no horário das nove, também acabou cancelada e, com isso, Walcyr Carrasco foi escalado para a fila dos autores da faixa. No horário das onze também houve mudanças: Jogo da Memória, de Licia Manzo, acabou remanejada com formato de minissérie para 2018 e, em seu lugar, entrou Os Dias Eram Assim, de Angela Chaves e Alessandra Poggi, que anteriormente seria uma novela das seis, a entrar depois de Novo Mundo que, por sua vez, substituirá Sol Nascente. Com a saída de Os Dias Eram Assim da fila das seis, a novela Amor e Morte, de Alcides Nogueira, teve sua produção adiantada. E ainda propuseram um desafio ao autor: como Amor e Morte se passaria em época semelhante à Novo Mundo, Nogueira terá de passar sua trama para os anos 1920, o que acarretará uma série de mudanças.

No ano passado, o TELE-VISÃO chegou a publicar um texto comentando a organização das filas de novelas da Globo, todas com tramas enfileiradas até 2019. No entanto, passado um tempo, percebe-se que tal fila não era assim tão segura, e, pelo jeito, ainda está sujeita a muitas mudanças. O lado bom é que esta estrutura tão antecipada permite com que trocas, cancelamentos e adiamentos se tornem possíveis, de acordo com a estratégia do canal. Mas a impressão que tantas notícias de mudanças causam é de indecisão, como se estivessem “chutando” uma grade. Mas vale lembrar sempre que, por mais que o horário das nove esteja passando por uma de suas piores crises, nos demais horários a emissora vem acertando com muita regularidade, incluindo aí Malhação.

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

14 comentários:

  1. Silvio de Abreu adotou duas etapas pra uma novela ser definitivamente aprovada: a primeira eh a sinopse, assim da pra por uma sequencia e ter um maior planejamento. Justamente devido a esse maior planejamento vem a segunda etapa que ate entao, antes do Abreu comandar a teledramaturgia diaria, nao havia tanto, que eh a avaliacao do primeiro bloco de capitulos. Porque uma coisa eh saberos apenas a sinopse. Mas Silvio de Abreu sabe que so da pra ver se uma historia contada em plano geral como eh uma sinopse se ver como o autor desenvolve em forma de capitulos. Isso nao eh bagunca, muito pelo contrario.
    Silvio de Abreu eh novelista, entende do assunto, tem experincia de sobra. O que nao quer dizer que ele nao erre nas decisoes. A Lei do Amor por exemplo, hoje tenho certeza que funcionaria mais se fosse exibido no seu horario original, as onze. La, o publico eh mais aberto as questoes abordadas pelos autores e as novelas tem um ritmo mais rapido, inclusive com varios personagens, ja que o excesso de rapiddez e de personagens foram considerados defeitos nessa novela. Outra decisao que questiono eh a reprovacao do Rui Vilhena: com todo respieto ao Silvio,, duvido muito que o Rui nao seja capaz de desenvolver uma novela, ele eh rapido agil, sabe terminar os capitulos com otimos ganchos, em Portugal eh reconhecido como grande autor de novelasl O problema de Boogie Oogie eh que a Globo espichou por demais, acho que tres vezes a novela. Nao sou mais contra novelas cumpridas, desde que isso esteja no cronograma estabelecido pelo autor. Agora, ocorrer o que ocorreu com Boogie Oogie e Amor a Vida, a direcao mandar aumentar mais e mais e mais os capitulos sem que isso estivesse ja pre estabelecido, acaba com a historia montada por um autor, pode ser uma enchecao de linguica (o segredo de Carlota) como foi Boogie Oogie ou o samba do Felix doido, onde em Amor a Vida o Felix ficou irreconhecivel.
    Ja Calmon, infelizmente seus ultimos trabalhos realmente nao mostraram a que vieram e ele eh um autor que vai escrevendo de acordo com os capiutlos no ar, vai pelo seu instinto, ele nao tem a historia inteira montada. Funcionou em Cara & Coroa ou Beijo do Vampiro mas em Tres Irmas que deu a sensacao que nao acontecia nada, falhou. Talvez seja isso que o Abreu nao tenha gostado.
    por outro lado, o momento atual do publico eh que ele nao quer historias tao rapidas como foi em AvBr. A Lei do Amor tinha essa rapidez e o publico nao entendia, teve dificuldade em acompnhadar. Rock Story tem essa agilidade mas nao causa o mesmo furor na audiencia nem na repercussao.
    Calmon tem uma importancia enorme na teledramaturgia global,mas talvez , TALVEZ, ele tenha perdido a mao a partir de Comecar de Novo, o que nao apaga seu excelente historico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito que A Lei do Amor fosse melhor às onze. Gosto da novela, mas reconheço suas falhas que não a tornaram um sucesso. É uma pena, mas equívocos acontecem. Tenho confiança no trabalho de Silvio de Abreu à frente da teledramaturgia. Se a faixa das nove não entrou no trilho, todas as outras melhoraram após a sua gestão, e isso precisa ser colocado. E crises no horário das nove acontecem de tempos em tempos, logo passa.

      Excluir
    2. Eu nao falei que o SIlvio so erra, mas sim que ele pode errar tambem, apesar de sua enorme experiencia e entender sim do assunto.
      Reconheco defeitos da novela , mas pra mim os defeitos mesmo so apareceram a partir das reformulacoes, porque eu nao me incomodava com o numero de personagens ou pela rapidez , dois dos motivos que alegaram no inicio. E teve a primeira fase, a comparacao. A novela passou a ser mais didatica, com exceco de flash back , a famosa reiteracao. A trama politica foi abolida. Na verdade na historia original , as onze, os protagonistas seriam Tiago, Isabela e Leticia. Ao deslocar pras nove, tiveram que aumentar, colocaram uma linguica, que foi a primeira fase que nao havia e os protagonistas passaram ser Pedro e Helo. O Vincent disse isso numa de suas entrevistas, que os protagonistas em principio seriam o trio jovem.
      E concordo que em algum momento a crise nas nove vai passar, mas nao sera tao facil assim. Afinal acho que completaremos dois anos de audiencia frustante (frustante pra critica porque considero Velho Chico sucesso mas a critica nao acha isso) e ja sao quatro novelas.
      Em todo caso, a proxima sequencia de autores sera blockbuster: Gloria Perez, Walcyr Carrasco, Aguinaldo SIlva e JEC. Se esses quatro indo nessa sequencia nao levantarem a audiencia pondo uma novela na media geral de 30 pontos, significa que esse patamar ja esta fora da realidade atual.

      Excluir
    3. Concordo sobre Velho Chico, ela estancou a queda e faz algo que pouca gente cita, brecou a febre de Dez mandamentos e tbm matou a critica de que as novelas das 21h só tinha morro e funk.

      Excluir
    4. Não falei que você disse que o Silvio só erra, só coloquei isso porque muita gente credita a ele os recentes "fracassos" das 21h. Sobre A Lei do Amor, acho excesso de personagens era um problema, sim. Não precisava tanta gente, eram personagens desnecessários. Nas demais críticas, também não concordo, gostava da novela inicialmente.

      Excluir
  2. As Novelas passam por desgaste. .e hora de rever tudo porem não param a roda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não creio num desgaste das novelas. A prova é que há várias em exibições, em praticamente todos os canais, e a grande maioria alcança resultados bem satisfatórios.

      Excluir
    2. Tbm não vejo desgate do gênero novela, mais vejo que quem não gosta do gênero tenta tumultuar, a Globo tem que tomar cuidado por exemplo em fazer mudanças pra tentar agradar uma galera que quer só o caos que são os haters verdadeiros milicianos virtuais.

      Excluir
    3. Isso é verdade. Mas não acho que a Globo leva opinião de haters a sério na hora de mudar uma novela. Eles ainda se baseiam nos grupos de discussão (que nem sempre acerta também, mas ainda acho mais confiável que os twiteiros da vida, rs).

      Excluir
  3. O departamento dramatúrgico da Globo anda meio bagunçado, André. Sinto que eles parecem não ter paciência com autores consagrados (ultrapassados?) e preferem dar chance a novos talentos que por vezes se saem bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se é isso, mas se for, não vejo problemas. Aliás, Silvio de Abreu, mesmo antes de se tornar diretor de gênero, já incentivava a busca por novos autores, era o mais engajado na renovação do quadro de novelistas. Ele sempre estudava as sinopses dos "novatos" e escolhia algumas para supervisionar,e assim vieram nomes como Alcides Nogueira, Elizabeth Jhin e João Emanuel Carneiro. Depois que ele assumiu a direção, nunca se viu tantos novos autores em tantos horários. E a maioria com bons resultados, não acha? George Moura, Manuela Dias, Maria Helena Nascimento, Daniel Ortiz... enfim, muitos bons nomes vêm surgindo.

      Excluir
  4. O departamento dramatúrgico da Globo anda meio bagunçado, André. Sinto que eles parecem não ter paciência com autores consagrados (ultrapassados?) e preferem dar chance a novos talentos que por vezes se saem bem.

    ResponderExcluir
  5. No geral o trabalho do Silvio é muito bom. Só não entendo como passou uma bomba como Sol Nascente, com tanta novela reprovada. E como não se viu com tanto tempo que teve antes de estrear os problemas de A lei do amor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que Walther Negrão tem carta branca, porque Sol Nascente é chatinha, mas não é muito diferente de Flor do Caribe e Araguaia, e as duas foram aprovadas também, e nem era pelo Silvio de Abreu... rs!

      Excluir