Ticker

6/recent/ticker-posts

História da TV: Conheça "Vila Esperança", infantil pouco lembrado da Record


Em agosto de 1998, a Record ainda tentava consolidar uma programação infantil. Depois do fim de atrações como Agente G e Mundo Maravilha, a emissora buscava uma nova atração capaz de atrair os pequenos. E resolveu apostar na boa dramaturgia infantil, lançando Vila Esperança, produzido pela Idea e protagonizado por Gérson de Abreu.

Vila Esperança levava o nome da vila onde se passava a história. Ali vivia o simpático Tio Du (Gérson), o dono de uma mercearia que era o grande amigo das crianças do lugar. Fabinho (Freddy Allan), Nanda (Tarcila Amorim), Juju (Carolina Alves), Guilherme (Cauã Souza), Zé Batata (Murilo Troccoli) e Mima (Daniela Marques) eram os pequenos, que brincavam e aprontavam todas na vila. Eles só paravam para ouvir as histórias do Vô Zico (Josmar Martins), o fundador da vila, e sua esposa, a vó Iza (Ana Maria Barreto). Eles também se divertiam com as invenções do professor Piragibe (Brian Penido), irmão do tio Du.

Juntos, os habitantes da Vila Esperança viviam uma história diferente a cada dia. A cada episódio, um assunto era abordado levando as crianças a refletirem sobre temas como ciúmes, solidariedade, preservação do meio ambiente, preconceito, amizade, tecnologia, voluntariado, orgulho, respeito às diferenças e mais de uma centena de argumentos. Além disso, eles tinham que enfrentar os vilões Mil Faces (Sergio Mastropasqua) e Meia Boca (Fabio Araújo), que tentavam semear a discórdia dentro da Vila Esperança.

Vila Esperança bebia da fonte do Castelo Rá-Tim-Bum, ao fazer de seu cenário uma porta para diferentes quadros, que costuravam uma história principal. Entre os quadros, não faltava a indefectível experiência de Gerson de Abreu, que fez fama ensinando as crianças a fazer brinquedos com sucata e experimentos científicos. Em Vila Esperança, ele seguia este expediente na pele do Tio Du, com o quadro Passo a Passo. Outro quadro era o Estela Natela, um programa que os personagens viam pela TV. Na atração, a repórter Estela Estelar (Lu Schievano) trazia reportagens curiosas e divertidas.

O programa foi criado por Betina Rugna e Marisa Martins, e era um projeto da produtora Idea e da ONG Parábola. O supervisor-geral do projeto, Jairo Silva, falou à Folha de S. Paulo de 30 de agosto de 1998 sobre a novidade. "É a história de uma vila onde moram vários personagens, que se encontram e vivem aventuras", explicou. Jairo apontava as boas intenções de Vila Esperança. "Será o primeiro programa com perfil de TV pública dentro de uma emissora comercial", disse.

Vila Esperança estreou no dia 31 de agosto de 1998, na faixa das 17 horas, e tinha seus episódios reapresentados no dia seguinte, às 10h. Com a estreia do programa, o enorme Note e Anote, que na época era apresentado por Ana Maria Braga e ocupava a tarde toda da emissora, perdeu uma hora de duração. Porém, colocar Vila Esperança entre o Note e Anote e o Cidade Alerta não se revelou uma boa ideia. Além disso, Eliana seria contratada pelo canal pouco tempo depois da estreia do Vila, e lançou seu Eliana & Alegria em outubro do mesmo ano. Com isso, as atenções da emissora se voltaram à loira, e Vila Esperança acabou jogada para escanteio, realocada para a faixa do meio-dia.

Mesmo assim, a série agradou a crítica, e Vila Esperança foi eleito o melhor programa infantil de 1998 pela APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte). Mas o prêmio não foi o suficiente para manter a série no ar, e Vila Esperança foi exibida pela Record apenas até abril de 1999.

André Santana

Postar um comentário

8 Comentários

  1. Eliana tem génio forte, personalidade, todos sabem disso nos bastidores da TV, não duvido que nessa época ela pediu para a emissora só ter a atração dela de infantil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito que tenha sido isso. O programa estreou com um número de episódios encomendado e não foi renovado.

      Excluir
  2. Eu amava Vila Esperança! Na época, eu estudava à tarde, então, assistia às reprises pela manhã. Era um programa muito bem feito, com cara de TV Cultura ou Cartoon/Nickelodeon. Fora que ver Freddy Allan no Vila remetia aos bons tempos do excelente Castelo Rá-Tim-Bum, como o eterno Zequinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou me mandar rapidinho lá pra Vila Esperança! Amava o tema de abertura! Hehehe... Vila la la la, Vila Esperança!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado, João Paulo! Lu virou um dos melhores memes de A Fazenda, anos depois da Estela Natela!

      Excluir
  4. Lembro que a minha crush era a Juju, eu achava ela LINDA s2 por onde será que anda aquela atriz?

    ResponderExcluir
  5. Que bom que todos gostaram da Vila Esperança BASEADO EM FATOS REAIS.
    Este programa é e sempre será ÚNICO.

    ResponderExcluir