Ticker

6/recent/ticker-posts

Publicidade

Mais curta, "Pega Pega" ficou mais interessante

Agnaldo (João Baldasserini), Sandra Helena (Nanda Costa), Malagueta (Marcelo Serrado) e Júlio (Thiago Martins), em Pega Pega

A edição especial de Pega Pega, que terminou nesta sexta-feira, 19, deu uma boa enxugada na trama de Claudia Souto. Enquanto na exibição original a trama teve mais de 180 capítulos, a reprise sai de cena com 107 episódios. Com isso, a reapresentação conseguiu o feito de melhorar a impressão da novela, que se mostrou cansativa em 2017.

Pega Pega parte de uma boa premissa. Um roubo num hotel de luxo que envolve quatro personagens desastrados remete às chanchadas brasileiras e dá personalidade à trama. Júlio (Thiago Martins), Agnaldo (João Baldasserini), Sandra Helena (Nanda Costa) e Malagueta (Marcelo Serrado) eram ladrões amadores e um tanto desastrados, fazendo o crime da novela ser abordado com leveza.

Além disso, o mote também trouxe um casal principal interessante. Ao colocar o ladrão arrependido Júlio se apaixonando justamente pela investigadora do crime, Antônia (Vanessa Giácomo), Pega Pega não apenas construiu uma história de amor inusitada, como propôs uma discussão ética. Claro, tudo com a mesma leveza da proposta da trama, mas, ainda assim, que chamou a atenção.

No entanto, na primeira exibição, o crime do Carioca Palace cansou. Para adiar ao máximo a conclusão das investigações e fazer a novela render, a autora usou de subterfúgios que faziam os investigadores verdadeiros palermas. Ficou claro que a trama principal, embora promissora, não tinha fôlego para sustentar tantos capítulos.

Já na reprise, Pega Pega se mostrou mais envolvente. Como a proposta era uma reapresentação menor, a trama ganhou uma edição que eliminou muitas gorduras desnecessárias. Núcleos inteiros praticamente desapareceram da trama, como a família de Borges (Danton Mello), que teve boa parte de suas cenas cortadas. Com isso, o foco ficou na trama principal.

Ao passar o facão nas histórias paralelas, os capítulos de Pega Pega ampliaram a presença do núcleo principal, fazendo tudo ganhar mais agilidade. Com isso, a novela perdeu o ar de enrolação que tanto incomodou na primeira exibição. As investigações que solucionavam o crime do Carioca Palace se mostraram mais fluídas.

Ou seja, Pega Pega conseguiu o feito de ser mais interessante na reprise do que na exibição original. Mais ágil, a história da novela fez muito mais sentido e se mostrou bem mais envolvente. Claudia Souto chegou a chiar publicamente de alguns dos cortes, é verdade, mas é inegável que Pega Pega saiu ganhando com as tesouradas.

André Santana

20/11/2021 

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Olá, tudo bem? Sinceramente, vi nada de especial em Pega Pega....Enfim... Deu audiência na época, o que não se viu agora. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir