Ticker

6/recent/ticker-posts

Publicidade

Com o fim definitivo da Loading, TV aberta fica mais pobre

Cardcaptor Sakura
Cardcaptor Sakura: um dos últimos animes exibidos pela Loading

Uma das grandes novidades da televisão brasileira do final de 2020, a Loading teve vida curta. A nova emissora, que assumiu o sinal da Ideal TV, que, anteriormente, abrigou a lendária MTV Brasil, veio com a proposta de ser um canal jovem, voltado ao público nerd/geek. Na ótima grade, programas sobre cinema, séries, games, animes e HQ’s, além de muitas animações, tokusatsu e campeonatos de games.

Parecia um oásis de boas intenções, que mirava um público desassistido da TV aberta. Mas o voo foi breve. A Loading funcionou, no ar, de dezembro de 2020 até maio de 2021. Com a desistência dos investidores no negócio, o canal demitiu seus funcionários e acabou com a produção de seus programas. Depois disso, o canal seguiu no ar apenas com exibições em looping das animações Lost Canvas, Cardcaptor Sakura e Black Clover.

Mas este sábado, 27, marca o fim definitivo da Loading. A partir deste domingo, 28, o canal volta a transmitir a programação da Igreja Mundial do Poder de Deus. A mesma igreja que ocupava o espaço quando a emissora ainda era Ideal TV. Ou seja, em pouco menos de um ano, o sinal da Loading deu um giro de 360º. 

Sabe-se que há um imbróglio jurídico que envolve a concessão da Loading. O Grupo Abril, que operava a MTV Brasil, vendeu a concessão diretamente ao Grupo Spring, que lançou a Loading. Como a TV é uma concessão pública, a venda foi considerada ilegal. Porém, a Spring recorreu da decisão, e, desde então, este problema se arrasta. Ou seja, até mesmo uma nova venda está em suspenso por conta da pendenga judicial. A Jovem Pan, por exemplo, queria a concessão para lançar sua Jovem Pan News na TV aberta, mas não foi adiante justamente por conta deste problema.

Assim, enquanto a coisa não se resolve, a TV será novamente “alugada” para a Igreja Mundial do Poder de Deus. Com isso, a Loading se junta a emissoras como CNT, Rede Brasil ou Rede 21, que têm a grade praticamente toda loteada por igrejas e se tornam irrelevantes para o público em geral. É uma pena que ainda exista tantas emissoras, que são concessões públicas, totalmente locadas para instituições que não têm qualquer compromisso com a produção audiovisual brasileira; são apenas vitrines para que verdadeiros impérios religiosos continuem perpetuando seus negócios. Uma pena mesmo!

André Santana 

27/11/2021

Postar um comentário

2 Comentários

  1. Isso devia ser de alguma forma controlado. Mesmo que disse uma igreja a dona deveria ter uma programação minimamente cultural tv aberta decadente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miguel, isso é político. A bancada evangélica é forte e impede qualquer atitude de interromper esta prática, que é, sim, ilegal.

      Excluir