sábado, 26 de dezembro de 2020

Top 10 de 2020: destaques negativos

2020 foi um ano complicado para todos. Para a televisão não foi diferente. A pandemia afetou a programação e limitou as produções. Isso contribuiu para algumas das falhas de 2020 na TV. Mas não só isso. Novidades equivocadas e más escolhas também foram determinantes para esta primeira retrospectiva do ano, dedicada aos destaques negativos de 2020. E vale lembrar que a lista é elaborada baseada na opinião deste que vos escreve e, portanto, é sujeita a injustiças e esquecimentos. A ordem em que aparecem não é importante. Acompanhem:

- “Alerta Nacional”

Já conhecida por apostas de gosto duvidoso, a RedeTV se superou ao lançar Alerta Nacional. Além de fazer a mistura de mau gosto entre sangue e “humor”, o programa de Sikêra Jr. se apresenta como um telejornal, mas se dedica à disseminação de fake news e preconceitos. Travestido de conservador, o programa é, na verdade, uma máquina de ódio irresponsável, sem inteligência e que não deveria ter espaço em televisão nenhuma. Um horror!

- “Opinião no Ar”

Repetimos aqui a mesma argumentação acima. Com a diferença que o programa comandado por Luís Ernesto Lacombe se coloca como um programa de debates. Mas não é. Os “lados” são desequilibrados e não há debate, já que os “debatedores” proferem barbaridades e fake news travestidas de “opinião”. Nem tudo é questão de opinião. Há coisas que são simplesmente mentiras. Mais um programa irresponsável da RedeTV, que se superou em chorume em 2020.

- “Novo domingo” da Record

Com dificuldades em superar o Eliana, do SBT, a Record promoveu uma importante repaginada em sua grade dominical em 2020. No já longínquo mês de março deste ano, a emissora apostou numa edição dominical do Hoje Em Dia, um novo Domingo Show com Sabrina Sato, um Hora do Faro em novo horário e a segunda temporada de The Four no início da noite. Nada funcionou, e a emissora aproveitou as mudanças impostas pela pandemia para implodir a nova grade e voltar tudo a como era antes. Mesmo sem pandemia, já era uma tragédia anunciada.

-  “Fina Estampa” e “Haja Coração”

A pandemia prejudicou demais as produções, e a principal consequência disto foram as paralisações das novelas. Globo, Record e SBT substituíram seus folhetins inéditos por várias reprises. E, na Globo, as reprises mais equivocadas foram Fina Estampa e Haja Coração. Fina Estampa se mostrou um acerto do ponto de vista comercial, já que era uma novela pretensamente leve e que o público aceitou bem, o que a fez um sucesso de novo. Mas a reprise também expôs as inúmeras falhas do texto de Aguinaldo Silva, já que a novela praticamente não tinha enredo e envelheceu mal. Enquanto isso, Haja Coração foi outro equívoco, já que o texto de Daniel Ortiz é bem fraquinho. E, de quebra, ficou claro aos olhos do público as inúmeras semelhanças entre a trama e Salve-se Quem Puder, também de Ortiz, e que deve voltar a ocupar o horário ao fim da reprise. Foi uma escolha equivocada.

- “Apocalipse”

Se a Globo errou com as escolhas de Fina Estampa e Haja Coração, a Record errou ainda mais ao selecionar a reprise de Apocalipse para ocupar a brecha de Amor Sem Igual. A novela é ruim e foi um grande fracasso em sua exibição original. Além disso, apostar numa novela sobre o fim do mundo em plena pandemia é de um mau gosto acima da média. Havia claras intenções doutrinadoras nesta reprise, evidentemente, mas nada justifica esta infeliz decisão.

- “Fofocalizando”, “Triturando”, “Notícias Impressionantes” etc

A programação vespertina do SBT foi, mais uma vez, alvo das inúmeras decisões amalucadas de Silvio Santos. O dono da emissora decidiu, do nada, transformar o programa de fofocas Fofocalizando numa atração de “opiniões sem sentido”, o Triturando. Não satisfeito, “renovou” o elenco da atração. Depois, mudou pra Notícias Impressionantes, cuja versão diária durou um único dia. Voltou Triturando. Aí anunciaram que Fofocalizando voltaria, e até teve chamadas no ar. Mas não voltou. Triturando segue no ar, aguardando a próxima decisão maluca. Enquanto isso, o time de Chris Flores segue analisando pautas “fantásticas”, como “homem que coça o saco merece ser triturado?”.

- “Aqui na Band”

O finado matinal da Band teve um período crítico em 2020, o que culminou com o seu cancelamento. Primeiro, houve a dispensa de Silvia Poppovic, nome que agregava prestígio e, principalmente, equilíbrio ao matinal. Depois, a atração que começou como uma revista eletrônica de variedades, se transformou num palanque político esquisitíssimo. Ao ponto de criar rusgas internas, quando sua direção bateu de frente com a direção de jornalismo do canal. A queda de braço levou ao fim do programa de triste lembrança.

- “Programa da Maisa”

O Programa da Maisa estreou com boas expectativas em 2019, chacoalhando as tediosas tardes de sábado da TV brasileira. Mas o programa logo perdeu fôlego, ao se mostrar excessivamente preso ao roteiro e não ter conseguido explorar toda a espontaneidade de Maisa Silva. Em 2020, a pandemia prejudicou ainda mais o programa, que se viu sem ritmo e com entrevistas protocolares um tanto sem vida. Foi cancelado por decisão da apresentadora, que acertou ao procurar outros rumos para sua carreira.

- “Mestre do Sabor”

Em sua segunda temporada, o talent show culinário da Globo mostrou que é tão sem graça quanto uma salada sem tempero. Não há emoção na competição. O formato não consegue fazer com que o espectador crie um vínculo que seja nos competidores, fazendo com que não haja torcidas ou reviravoltas. É tudo insípido, inodoro e incolor. Uma pena.

- Jornalismo do SBT

A pandemia agravou ainda mais a situação da emissora de Silvio Santos, que já vinha de uma série de decisões equivocadas. O canal desmantelou o seu já parco jornalismo, com a dispensa de todas as suas estrelas, como Carlos Nascimento, Roberto Cabrini e Rachel Sheherazade. Com isso, seus telejornais passaram a ser meros leitores de notícias factuais, sem grandes aprofundamentos e fugindo o quanto pôde do debate político, já que a emissora assume uma postura subserviente ao governo federal. E Marcão do Povo e Dudu Camargo seguem sendo tratados como estrelas do segmento, o que, por si só, já diz muito sobre a atual fase capenga da emissora.

E para você, internauta? Quais foram os destaques negativos de 2020 na TV? Deixe sua opinião nos comentários! Sábado que vem, dia 02, o TELE-VISÃO traz o Top 10 de 2020 – Destaques Positivos. Até lá!

Aqui termina o TELE-VISÃO 2020! Um ano difícil para todos, inclusive para este blog, mas creio que chegamos ao fim deste ciclo de maneira digna. E esperamos que 2021 seja um ano muito melhor pra todos nós e para as nossas tele-visões. Feliz 2021 pra você!

André Santana

10 comentários:

  1. Sobre suas escolhas André, concordo. O Alerta Nacional é um programa humorístico disfarçado de telejornal que é a cara da Rede TV! e o jornalismo do SBT sem griffes caminha pra um desmantelamento sem precedentes. Realmente não sentirei saudades de 2020, da mesma forma que o seu blog o meu também encerrará o ano de forma digna.

    ResponderExcluir
  2. A rede TV os donos são apoiadores do presidente
    Saíram em defesa do sikera na confusão sobre maltrato a animais com Xuxa..mesmo assim trocam no ibope

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miguel, a RedeTV está fadada à extinção. Vai vendo...

      Excluir
  3. Olá, tudo bem? Ainda analiso se divulgarei a lista dos piores no meu blog, como sempre faço, em virtude do ano "atípico" e tão difícil para todos nós. Divulguei hoje a relação das melhores novelas da década. Abs e Feliz 2021!!! Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Rodrigo Noé de Souza27 de dezembro de 2020 14:36

    Como eu não vejo TV (aberta e a cabo), vou deixar a resposta em branco, assim como esse ano que vai acabar.

    ResponderExcluir
  5. Bem lembrado da dupla Alerta Nacional e Opinião no Ar, que pra mim são hors concours nesse quesito dos piores da TV de 2020. Mas senti falta do Vou Te Contar, que foi uma aposta da RedeTV de alavancar a audiência das manhãs, e falhou miseravelmente, ainda mais em um ano delicado quando as emissoras paralisaram suas produções. E o pior não foi só a audiência pífia, como também aquele abraço da Claudete no Seu Sidney desrespeitando os protocolos de saúde, além do formato que mais parecia um infomercial disfarçado de programa matinal. Se não me engano já saiu do ar, e foi tarde. Gosto da Claudete, só que a televisão já não dá mais para ela a meu ver, e a tendência é que ela se dedique ao Youtube como acontece com outros apresentadores fora do vídeo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Paulo, não incluí o Vou te Contar porque, embora seja bem ruinzinho mesmo, não acho que ele esteja entre as piores coisas do ano. Apesar dos pesares, torço pela Claudete, uma profissional de trajetória.

      Excluir