sábado, 17 de outubro de 2020

Efeito pandemia: Globo "enxuga" programação 2021

 

Como era esperado, a pandemia vem afetando todas as emissoras brasileiras. As consequências da crise mais expostas ao público são a vistas no SBT, que vem promovendo uma verdadeira debandada de profissionais. Band, na contramão, realizou contratações, mas vem investindo com parcimônia. RedeTV também realizou contratações, mas reduziu salários e enxugou custos. Record cancelou produções e também vem investindo com mais cautela.

Neste cenário, a Globo consegue mostrar mais vigor graças ao seu “excesso de gordura”. No entanto, até ela verá sua programação sentir os efeitos da crise. Nas últimas semanas, notícias sobre a grade de 2021 mostram que o canal também está cortando na própria carne para se manter no jogo.

A primeira notícia que surpreendeu foi o cancelamento de Malhação – Transformação. A emissora decidiu que não produzirá uma nova temporada de Malhação em 2021. A ideia é reapresentar mais uma leva da trama adolescente após Viva a Diferença no ano que vem. A trama só voltará com conteúdo inédito em 2022. Ou seja, a Globo vai economizar algo como uma novela inteira no ano que vem. Será o grande corte na dramaturgia, que deve voltar a ter novelas inéditas às seis, sete e nove em 2021.

O humor também passará por um grande corte. Nesta semana, a emissora anunciou o fim de seus atuais humorísticos. Zorra, Escolinha do Professor Raimundo e Fora de Hora não terão novas temporadas em 2021. O anunciou pegou todo mundo de surpresa, já que, uma semana antes, já havia a confirmação do retorno do Fora de Hora, por exemplo. A ideia da emissora é lançar um novo programa de humor no ano que vem, reunindo esforços numa única produção, que deve apostar em diferentes estilos e talentos. O novo programa marcará o fim da “era Marcius Melhem” no humor da emissora. O ator e roteirista deixou a Globo recentemente.

Enquanto isso, a linha de shows da emissora deve continuar apostando em reality shows, que são programas de grande retorno comercial. Quanto às séries, o mais provável é que os esforços sejam concentrados no Globoplay, com produções que podem vir a ser exibidas na Globo depois. E, claro, a emissora deve continuar promovendo “intercâmbio” de produções com seus canais pagos, como Lady Night e Que História É Essa, Porchat?. Enfim, é tempo de “apertar o cinto”.

André Santana

8 comentários:

  1. Eae André, eu tenho receio da Globo reprisar a Malhação: vidas brasileiras rsrs... Mas você tem alguma informação sobre a segunda temporada de Segunda Chamada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito em reprise de Vidas Brasileiras. Ela não teve grandes resultados de audiência. Aposto minhas fichas em Malhação Intensa como a Vida ou Malhação Sonhos. Vamos ver. Segunda Chamada, até onde sei, ainda não retomou as gravações. Mas a segunda temporada continua confirmada sim, só não se sabe pra quando.

      Excluir
  2. Sobre o humor o quadro Isso a Globo não mostra que era exibido no Fantástico também dançou, aliás foi só duas edições este ano, ou seja outra ideia do Marcius Melhem dançou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostava muito mas os fãs dp Bolsonaro não ..e a emissora ficou com medo

      Excluir
    2. Isso a Globo Não Mostra é a grande perda! Era bom demais!

      Excluir
  3. Respostas
    1. E a famosa dívida da Globo. .Bolsonaro vai destruir tudo em 2022..capaz de dar o sinal pra Record. ...o que seriam absurdo

      Excluir
    2. Anônimo, antes da Globo falir, vão falir todas as outras. Se ela está enxugando custos, é justamente pra não falir. Então, não se preocupe, mesmo em crise a Globo ainda é a emissora que mais tem lenha para queimar no Brasil. Não vai falir.
      Miguel, o sonho do Bozo é não renovar a concessão da Globo. Mas isso não é tão simples assim. Será preciso uma infração do Grupo Globo no que se refere às regras da concessão, o que é muito pouco provável que apareça. E, mesmo se o presida insistir, ele não define isso sozinho. Vai precisar do apoio do Senado e da Câmara. E o que mais tem ali é dono de afiliada da Globo. Ou seja, a possibilidade de ele tirar a concessão da Globo e entregar pra Record é praticamente nula.

      Excluir