sábado, 6 de junho de 2020

História da TV: os 20 anos de "Laços de Família"


No dia 05 de junho de 2000, a bossa nova e a imagem de um Leblon ensolarado já anunciavam: Manoel Carlos estava de volta. E Laços de Família estreava no horário nobre da Globo com um capítulo deliciosamente simples: personagens se apresentando enquanto faziam coisas prosaicas do cotidiano, como ir às compras ou à praia. A principal ação deste início foi o acidente de trânsito (cotidiano de novo...) que uniu Helena (Vera Fischer) e Edu (Reynaldo Gianecchinni, estreando na telinha). Mas o que parecia simples e corriqueiro se revelou uma das histórias mais encantadoras (e polêmicas) de Maneco.

Na opinião deste pequeno blogueiro, Laços de Família é a melhor novela do autor Manoel Carlos. Opinião, aliás, compartilhada pelo próprio Maneco, que já disse em entrevista nutrir um carinho especial pela obra. E este carinho tem razão de ser: Laços de Família é um drama cotidiano em sua melhor forma, com personagens humanos, interessantes e carismáticos, uma história redonda e muito bem arquitetada, e uma protagonista tridimensional que reinou absoluta no centro da história, com tramas paralelas igualmente interessantes que orbitavam em torno dela.

Vera Fischer nunca foi boa atriz, mas sua Helena, sem dúvidas, foi o papel de sua vida. Ela convence como uma mulher moderna e contemporânea, dona de sua própria vida, e que é mãe, avó, mas também mulher. Linda e com muito sex appeal, a personagem é capaz de despertar paixões tanto em garotões recém-formados quanto em homens vividos e maduros. A Helena de Laços de Família pode não ser tão controversa como a Helena de Por Amor (alerta: ranço!), que foi capaz de trocar o próprio filho e o próprio neto na maternidade, mas ela também foi dona de conflitos tão intensos quanto, tendo seus segredos que, aos poucos, se vê forçada a revelar.

Helena desperta a paixão do jovem Edu, com quem vive um romance tórrido. Romance este que desperta a ira da tia do rapaz, a socialite Alma Flora Pirajá de Albuquerque (Marieta Severo), personagem que carrega o DNA do autor Manoel Carlos, da postura ao nome pomposo. Com ares de vilã, Alma, na verdade, é um ser humano cheio de contrastes. Ela é capaz de armar para separar o sobrinho da namorada “velha”, como também é capaz de proferir frases cortantes. Mas também se compadece da dor dos seus, e até se mostra capaz de criar os frutos da traição do marido Danilo (Alexandre Borges).

Helena também desperta a paixão do livreiro Miguel (Tony Ramos), um viúvo culto e amante das artes, outro personagem com o DNA do autor. Miguel tem dois filhos, a espevitada e maravilhosa Ciça (Julia Feldens) e o batalhador Paulo (Flavio Silvino). Ainda na órbita de Helena estão seus vizinhos, como Pascoal (Leonardo Villar) e Ema (Walderez de Barros), que não sabem que a filha Capitu (Giovanna Antonelli) trabalha como garota de programa; está também Pedro (José Mayer), seu primo, homem rústico que administra o haras de Alma; a amiga Yvete (Soraya Ravenle); e sua família, formada pelo pai Aléssio (Fernando Torres), a madrasta Ingrid (Lilia Cabral) e a irmã Iris (Deborah Secco); e, claro, seus filhos, Camila (Carolina Dieckmann) e Fred (Luigi Baricelli).

Helena vive dois grandes conflitos em Laços de Família. No início, ela se vê abrindo mão de seu relacionamento com Edu quando percebe que ele e sua filha Camila estão apaixonados. Logo em seguida, ela se deixa envolver por Miguel, com quem vive um relacionamento maduro, mas acabará abrindo mão deste amor, também por causa da filha. Camila está com leucemia, e Helena planeja engravidar do pai dela, seu primo Pedro, para que o bebê possa ser o doador da medula que salvará a vida da filha. A doença traz à tona a verdadeira origem de Camila, que nunca soube que Pedro era seu verdadeiro pai. Nem Pedro sabia da verdade, e vê na história a chance de retomar o romance adolescente que viveu com a prima, e do qual nunca se esqueceu.

Laços de Família contou grandes histórias. Além do conflito central de Helena, também chamou atenção e despertou polêmicas a história de Capitu, jovem que vivia como prostituta de luxo para sustentar o filho. A personagem foi acusada de “glamourizar” a profissão (que bobagem!), mas despertou a torcida do público, que queria que ela se livrasse de seus inúmeros problemas, como a perseguição do cliente obsessivo Orlando (Henri Pagnocelli), as armações da “amiga” Simone (Vanessa Mesquita) e a chantagem de Maurinho (Luiz Nicolau), pai de seu filho. O público torcia também para que ela fosse feliz ao lado de Fred, com quem viveu um romance na adolescência, mas este amor também carregava um problema: Clara (Regiane Alves), a esposa do moço. É Clara quem revela a todos que Capitu é garota de programa, numa cena antológica. Aliás, cenas antológicas não faltam à Laços de Família: além desta sequência, são memoráveis também a cena da morte de Aléssio; do assassinato de Ingrid, vítima de violência urbana; e quando Camila raspa os cabelos ao som de Love By Grace, que iniciou o drama de sua doença.

Laços de Família é Manoel Carlos em plena forma. O autor segue com seu estilo intimista e tranquilo, com acontecimentos que vão se desenrolando aos poucos e arrebatando o público. Estilo este que manteve em suas obras mais recentes, como Em Família, mas que foram criticadas por isso. Mas há duas diferenças primordiais entre as obras: a direção de Ricardo Waddington consegue fazer das cenas cotidianas e banais de Laços de Família grandes acontecimentos; e o texto de Maneco que, embora “lento”, leva a história para algum lugar, o que não aconteceu em sua última novela. A primeira semana de Laços é praticamente toda focada em festas de Natal em todos os núcleos da obra, mas elas não são desnecessárias. Foi por meio destas festas que o público foi apresentado eficientemente a todos os personagens, e foi ali que começou a ser construído o romance entre Helena e Edu, que daria as cartas nos próximos capítulos do enredo.

Laços de Família é tão arrebatadora que qualquer reprise é sempre bem-vinda. A trama foi reapresentada em 2005, no Vale a Pena Ver de Novo, e também no canal Viva, em 2016, tornando-se a primeira novela dos anos 2000 a dar as caras no canal pago. Aos 20 anos, Laços ganhará, agora, um novo repeteco, desta vez no streaming. O Globoplay disponibilizará a novela na íntegra em agosto. Mais uma oportunidade para rever a trama. E rever Laços de Família nos faz sentir uma falta danada deste estilo de trama no horário nobre, que é forte, mas, ao mesmo tempo, cotidiana, sem grandes viradas rocambolescas.

Maneco está aposentado. Mas deixou discípulos. Uma delas é Manuela Dias, que é adepta das situações cotidianas, mas o faz com uma forte pegada policial, que são os ingredientes de Amor de Mãe, e que a diferencia do veterano. Lícia Manzo é outra que bebe de sua fonte, já que também aposta em personagens humanizados, mas dá mais espaço aos conflitos psicológicos, como foi visto em suas tramas A Vida da Gente e Sete Vidas. Lícia estreará no horário nobre com Um Lugar ao Sol, que deve estrear quando a pandemia deixar. Mas Maneco é sempre Maneco, e seu estilo único de crônica cotidiana faz falta. Felizmente, o Globoplay nos permitirá revisitá-lo.

André Santana

12 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Na minha humilde opinião, a melhor novela do autor neste milênio é Mulheres Apaixonadas. Nada contra Laços de Família que também foi uma ótima produção. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto porque foge so estilo mãe que protege filha mimada que passa por problema pra se redimir. .e maiores conflitos em todos os núcleos ..mas a Helena de mulheres apaixonada não teve uma história tao marcante. .que eu me lembre so queria conhecer um cara novo e viver uma aventura

      Excluir
    2. Oi Fabio, tudo bem? Eu também gosto bastante de Mulheres Apaixonadas, mas acho Laços de Família superior por causa da protagonista. Mulheres Apaixonadas conta grandes histórias, mas a Helena de Christiane Torloni fica perdida no meio delas. Não há um grande conflito para ela. Apesar de ser uma boa novela, acho que Mulheres Apaixonadas foi o início do "declínio" das Helenas, que viria a piorar em Páginas da Vida, Viver a Vida e Em Família. Já Laços eu não vejo defeitos, ahaha! Abraços, Fabio e Miguel!

      Excluir
  2. Eu amo Laços de Família, é uma de minhas novelas prediletas, tá no meu Top 5. Também sinto falta do Maneco em seu ápice criativo. Também adorei Mulheres Apaixonadas, que o Fábio citou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mister Ed, toda vez que tenho a oportunidade de rever Laços de Família, fico me perguntando: onde está este Maneco? Por que ele errou tão feio em Páginas da Vida, Viver a Vida e Em Família? Dizem que a direção de Jayme Monjardim não combinou com o estilo do autor. Até concordo, pois as grandes novelas de Maneco dos anos 1990/2000, História de Amor, Por Amor, Laços e Mulheres Apaixonadas, foram dirigidas pelo Waddington, que fez um baita trabalho. Mas também acho que as histórias seguintes não tinham a mesma força das anteriores.

      Excluir
    2. Concordo, André. Dessas três que você citou, acompanhei apenas Páginas da Vida. Achava aquela galeria tão utópica, algo muito fora da realidade brasileira. Mas em se tratando de Maneco, tem de haver esse ponto de encontro dos personagens. As outras duas não me interessaram. Apesar de não ser novela e,sim, minissérie, também citaria Presença de Anita como outro marco do autor. Elenco de peso, boa história e a revelação de Mel Lisboa.

      Excluir
  3. Fala André, fico em dúvida entre Por Amor e Laços de Família como qual delas é melhor do autor, fico com Por Amor porque a cada vez que ela é reexibida, parece melhor, porém Laços marcou época!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, gosto muito de Por Amor, mas sou completamente fascinado por Laços de Família!

      Excluir
  4. Era novinho qdo passou essa novela. Como não tinha internet via muito para homenagear o gianecheini é o Luigi. Hahah bons tempos

    ResponderExcluir
  5. Na minha humilde opinião, André, concordo contigo que "Laços de família" é a melhor do Maneco. Que delícia de texto, André!!! Vontade de ler e reler... E em segundo "Mulheres apaixonadas". Maneco vai ser sempre Maneco!!!
    www.cascudeando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Lucas, obrigado! Eu amo revisitar Laços de Família, acho que esse é o meu terceiro ou quarto texto revisitando esta novela!

      Excluir