sábado, 4 de abril de 2020

"Malhação – Toda Forma de Amar": o final atropelado de uma trama arrastada

"Deu ruim mesmo, galera!"

Malhação – Toda Forma de Amar conseguiu um feito e tanto: ser atropelada pelo próprio final, mesmo tendo se arrastado por meses a fio com uma história que andava em círculos. A trama de Emanuel Jacobina claramente não tinha fôlego para durar mais de um ano, como deveria. Mas foi obrigada a antecipar seu desfecho em um mês, por conta da pandemia de coronavírus, e acabou não tendo tempo para uma conclusão digna, embora a trama em si já tivesse se esgotado há meses.

Toda Forma de Amar foi uma temporada irregular. Primeiro, é preciso salientar que, desde que Cao Hamburger assinou Viva a Diferença, Malhação atingiu outro patamar. A temporada de 2017, que será reapresentada a partir da próxima segunda, trouxe uma proposta mais madura, livrando-se de certos vícios que perduravam na novela adolescente. Cao tratou Malhação como uma novela com jovens, e não um programa para jovens com toques de novela, e imprimiu veracidade e assuntos relevantes em meio ao folhetim tradicional. Deu certo. E influenciou as temporadas que vieram a seguir.

Foi nesta esteira que Toda Forma de Amar surgiu. Sem dúvidas, foi o êxito de Viva a Diferença que levou o autor, que já assinou outras temporadas da atração, a criar uma leva com um tom mais adulto e diferente. Jacobina, que sempre foi adepto da velha fórmula “casal ameaçado por megerinha”, desta vez propôs uma história com novos contornos. Ao centrar sua trama na briga judicial entre Rita (Alanis Guillen) e Lígia (Paloma Duarte) pela guarda da pequena Nina, o autor propôs uma trama novelesca que não necessariamente tinha a ver com juventude, embora seus personagens principais fossem adolescentes. Só isso já configura uma importante mudança de paradigma.

Sendo assim, a história de amor principal de Toda Forma de Amar não tinha uma vilãzinha para atrapalhar. Era justamente a batalha entre Rita e Lígia que atrapalhava o romance da primeira com Filipe (Pedro Novaes), o filho da segunda. Paralelamente, Rita tinha um grupo de amigos que trazia, cada um, um molho à trama, com histórias paralelas que abordavam assuntos relevantes, como violência urbana, racismo, educação e homossexualidade. Este último tema, aliás, foi no geral, bem abordado. Guga (Pedro Alves) enfrentou as típicas dificuldades da descoberta da sexualidade, enfrentando conflitos familiares para viver seu amor por Serginho (João Pedro Oliveira).

Entretanto, por mais que a história tivesse boa proposta e bons personagens, a trama se mostrou sem musculatura para atravessar o ano. Não demorou muito para a briga judicial entre Rita e Lígia passar a andar em círculos, num “ata nem desata” que começou a aborrecer. Rita não tinha outro assunto que não fosse a briga para ficar com a filha. E Lígia teve momentos de pura apatia, chegando até a sumir em alguns capítulos. O autor poderia ter abordado algumas nuances nesta trajetória. Por exemplo, se Rita conseguisse a guarda provisória, a briga se inverteria, trazendo novos conflitos. Mas isso nunca aconteceu. A batalha foi levada em banho-maria.

Por conta disso, Toda Forma de Amar mudou de rumo com a chegada de Rui (Rômulo Neto), o pai biológico de Nina, e que assumiu as vilanias na reta final. Bandido perigoso, o vilão tocou o terror, ameaçou meio mundo e esteve envolvido no sumiço da mocinha. E foi aí que Malhação mostrou o quanto já não tinha trama. Rita ficou mais de um mês desaparecida, num sequestro que nunca se justificou. Ali ficou claro que a história não tinha mais para onde ir e estava apenas ganhando tempo até maio chegar, quando a trama terminaria.

Porém, a pandemia de coronavírus se revelou o grande vilão desta temporada. A decisão de encerrar a trama um mês antes fez com que a história tivesse um fim atropelado, mesmo em meio à enrolação. O sequestro de Rita foi resolvido sem qualquer emoção, e a cena final foi focada em Rita e Filipe narrando os finais dos personagens. Malhação ganhou seu momento Brida, a novela da Manchete que teve seu final narrado em meio a cenas de arquivo (Metamorphoses, da Record, também terminou assim, diga-se).

Obviamente, encerrar Malhação antes da hora, dado o contexto, foi a melhor solução no momento. Porém, esta situação só reforça uma antiga impressão: Malhação está apostando em temporadas longas demais. Vidas Brasileiras, a trama anterior, já sofreu deste mal, mesmo apostando em histórias pontuais. E Toda Forma de Amar deixou isso ainda mais claro. A emissora poderia apostar em temporadas que durassem menos de um ano, como uma novela tradicional. Viva a Diferença foi assim: durou menos de um ano e a trama rendeu o que tinha que render neste período.

Claro, ninguém poderia prever este caos mundial que estamos vivendo. Mas, se a previsão de Toda Forma de Amar fosse de menos capítulos, a emissora teria um problema menor para resolver. E, talvez, não se visse obrigada a radicalizar tanto neste desfecho pouco digno.

André Santana

10 comentários:

  1. Entendo que voce eh adepto a historias curtissimas, quase uma minisserie. Mas o seu argumento eh relativo, visto que voce , eu e todo mundo adorou a Malhacao do Cao Hamburger e ela durou um ano. E sabemos que quando a historia eh ruim, ou melhor, quando nao tem folego, nao importa se tem 200, 100 ou 30 capitulos. Tem series com 10 episodios que nao mostraram a que veio.
    Essa eh a primeira Malhacao do Jacobina que vejo, e se essa eh a melhor, puxa, inda bem que nunca tentei ver as outras. Mas eu parei de ve-la a partir desse ano. Abandonei as novelas que nao curtia como essa Malhacao e a Eramos Seis, e fiquei com Bom Sucesso e AmordeMae. E me dediquei ao BBB20 hehehe. E agora assisto Fina Estampa, a unica reprise que vejo. Totalmente e Novo Mundo ainda estao frescas na minha memoria. E eu sou o publico que gostou de Fina Estampa , sorry.
    Dessa Malhacao so lamentei a Paloma Duarte e sua Ligia, muito mal aproveitada, esperava um equilibrio de importancia nas historias da Rita e Ligia, mas a protagonista foi so a Rita. Fora que detesto o ator Romulo Neto muito canastra pro meu gosto, nao sei como consegue tantos papeis em tao pouco tempo. E sempre interpretanto mal.
    E estou ansioso pela Malhacao Transformacao, a estreia da Priscila , esqueci o sobrenome rs, como autora titular ao lado da Marcia Prates.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não estou defendendo Malhações curtíssimas, Daniel. Defendo que as temporadas durem menos de um ano. Viva a Diferença não durou um ano: ficou no ar de maio de 2017 a março de 2018, com 213 capítulos. Ou seja, dez meses. E, se fosse um pouquinho menor, seria melhor ainda, já que até ela teve alguns momentos menos inspirados. Já Vidas Brasileiras ficou no ar um ano e um mês, com 284 capítulos. Um erro. E Toda Forma de Amar teria este tamanho também, só foi menor por conta da pandemia, e claramente não tinha história pra tanto tempo. Eu acredito que as temporadas de Malhação poderiam durar de 8 a 10 meses, não mais que isso.

      Excluir
  2. A trama inicial era realmente interessante, mas era visível que não teria fôlego pra durar um ano. De uns anos pra cá, os episódios de Malhação ainda se tornaram maiores, de 22/23 minutos nas temporadas antigas pra 28/29 minutos nas temporadas mais recentes. A Globo realmente deveria rever isso, porque isso prejudica bastante o resultado final.

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Confesso que nunca fui um telespectador assíduo de Malhação. isso desde a estreia lá em 1995. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio, tudo bem? Tenho acompanhado Malhação com mais atenção desde que adotaram este formato de temporadas que não têm relação umas com as outras, com trocas de autor e diretor. Ficou com mais cara de novela, e, assim como nos outros horários, há histórias boas e ruins. Viva a Diferença foi um marco neste sentido. Abraço!

      Excluir
  4. Só ficou sem nexo o pq da Rita ter sido sequestrada e tal. A cena final do casal narrando o fim dos outros personagens e eles caminhando pela cidade cenográfica foi muito linda.
    Caso desejem venham conferir meu blog: https://gibrealityalternativo.blogspot.com/2020/04/reta-final-gib-03x41-simpatia-e-quase.html?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andie, eu gostei da honestidade como tocaram o episódio final. Jogaram limpo com o público, explicando porque não vimos o desfecho como ele deveria ser. Neste sentido, foi uma cena bonita mesmo. Mas todo o contexto do sequestro foi muito enrolado, e um final abrupto piorou tudo. Uma pena.

      Excluir
  5. Ah, Andre, o correto pra mim, e isso eu ja opinei antes aqui, era acabar com o titulo Malhacao, ja que na pratica, todo ano eh uma historia diferente. Portanto, ai sim concordo com voce, ao inves de um ano, seis meses que eh uma duracao de novela (o que nao invalida o que falei anteriormente, quando uma historia nao tem folego nao importa se tem meia hora de duracao ou 200 capitulos). Mas de inicio deve ser muito arriscado uma novela juvenio de seis meses, entao ok c9ntinua um ano, mas pelo menos tirem o titulo Malhacao, nao faz mais sentido o titulo e um subtitulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre acreditei que o fato de a Globo ter passado a destacar os "subtítulos" (isso vem desde Seu Lugar no Mundo; antes era usado de vez em quando, como em ID, ou apenas "internamente", como Sonhos ou Casa Cheia) já era um ensaio para, um dia, abolir o título Malhação de vez. Mas acho que a marca é muito forte e o canal tem medo de se livrar dela. Mas na prática já a vejo como uma "novela juvenil das cinco", e não um único programa, já que cada temporada tem um nome, um autor e um diretor diferentes.

      Excluir