sábado, 28 de março de 2020

Final feliz e Gloria Pires consagram a versão da Globo de "Éramos Seis"

Ownnn

Éramos Seis chegou ao fim na Globo com uma generosa dose de esperança para o público. A versão de Ângela Chaves do texto original de Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho, inspirado na obra de Maria José Dupré, modificou os rumos de praticamente todos os personagens, deixando a trama mais terna e otimista. Assim, Lola (Gloria Pires) teve que esperar a quinta versão de sua história para a TV para poder terminar a obra feliz, apaixonada e com os filhos por perto.

Pequena obra-prima do SBT (e também feita duas vezes pela Tupi e uma vez pela Record), Éramos Seis mexe com a memória afetiva do público. A versão do SBT tornou-se um clássico, afinal, foi uma produção bastante superior ao que a emissora de Silvio Santos costumava produzir no campo das novelas até então. Capitaneada por Nilton Travesso, e com excelentes textos à disposição, a estratégia de dramaturgia do SBT implantada em 1994 atraiu grandes nomes, como Irene Ravache, Othon Bastos, Marcos Caruso, Denise Fraga e Nathalia Timberg, entre tantos outros. Por isso, fez história.

Assim, para fazer valer a sua versão, a Globo também optou por um elenco de peso. E acertou, de cara, com a escolha da Lola da vez. Gloria Pires, com sua interpretação sempre humana e minimalista, fez uma Lola grandiosa. Foram os olhares e os pequenos gestos da personagem que fizeram o público embarcar na saga da dona de casa que fazia tudo para ver sua família feliz. O calvário da personagem, cuja trajetória é marcada por perdas e reveses, foi bastante equilibrado com uma postura forte e esperançosa de Lola. Com isso, Éramos Seis fez justiça à própria Gloria Pires, que vinha de uma série de personagens equivocados nos últimos anos. Finalmente, ganhou um papel à sua altura e nadou de braçadas.

Com uma Lola menos submissa, a atriz e o texto ainda abriram espaço para um novo amor para a dona de casa, coisa que nunca aconteceu nas versões anteriores. O sentimento entre Lola e Afonso (Cássio Gabus Mendes) foi construído de maneira sutil, aos poucos, crescendo sem pressa diante do público. Assim, criou-se toda uma expectativa para que Lola voltasse a viver um amor, depois da perda de Julio (Antonio Calloni, outra escalação excepcional). Com isso, Ângela Chaves criou um entrecho inédito, muito delicado e feliz.

Falando em história de amor, outra trama que cresceu e tomou rumos inesperados foi a saga de Clotilde (Simone Spoladore). A irmã de Lola, nesta versão, ganhou contornos mais românticos e dramáticos. Sua paixão proibida por Almeida (Ricardo Pereira), um homem casado, representou bem o conservadorismo da época e emocionou. A trajetória cheia de altos e baixos, desembocando num final feliz, foi bastante acertada. Excelente retorno de Simone à Globo, grande atriz.

Aliás, como dito acima, o elenco poderoso foi um grande acerto desta versão. Nomes como Maria Eduarda de Carvalho (Olga), Eduardo Sterblich (Zeca), Carol Macedo (Inês), Joana de Verona (Adelaide), Julia Stockler (Justina), Denise Weinberg (Maria) e Camila Amado (Candoca) foram outros acertos. A veterana Susana Vieira, que vinha com uma série de personagens que mais pareciam versões dela mesma, desta vez saiu do piloto automático e surpreendeu com sua tia Emília. Aliás, outra personagem modificada nesta versão, ganhando interessantes contornos mais humanos, apesar da dureza com que se relacionava com todos. A relação complicada da ricaça com suas filhas foi outra trama que chamou bastante a atenção.

De quebra, a versão Globo de Éramos Seis acertou ao homenagear, sempre que possível, a versão do SBT. Participações especiais de nomes como Othon Bastos, Marcos Caruso, Wagner Santisteban e Luciana Braga se mostraram uma maneira bastante simpática de reverenciar a montagem anterior. Isso sem falar no “encontro das Lolas”, proporcionado pela sequência em que Gloria Pires, Irene Ravache e Nicette Bruno se encontraram em cena. Foi lindo vê-las juntas, reunindo tantos capítulos importantes da história da TV.

Assim, Éramos Seis sai de cena como um acerto da Globo. A “simples” saga familiar criada por Maria José Dupré, mais uma vez, se mostrou como uma história poderosa, magnética, que faz o público se envolver e se emocionar. Valeu.

André Santana

7 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Discordo da sua visão. Infelizmente, a autora e a direção fugiram da visceralidade da obra. Uma novela blasé....Sem intensidade. E o final feliz terminou como tantas outras novelas. É condizente com o que foi produzido. Aguarde a meu balanço final com os pontos positivos e negativos. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio! Não concordo. Achei que ela fez a sua própria leitura, e uma boa leitura, da obra. Acho que é preciso "se esquecer" de outras versões ao analisar esta, pois fatalmente somos traídos pela nossa memória afetiva. Eu mesmo tenho muito afeto com a versão do SBT, então procurei acompanhar esta sem ficar comparando com a anterior. E a experiência foi muito válida. Mas, claro, respeito sua opinião. Abraço!

      Excluir
  2. Já eu concordo com a visão... a tristeza dos revezes da Lola estavam todas ali, os problemas com a Guerra, perseguições políticas. Porém com menos intensidade. Quando criança tentei ler o livro, mas era tanta coisa ruim acontecendo que não achei "graça" e desisti. Já quando adulto me debulhei em lágrimas com o final triste e melancólico. Mas para uma novela das seis achei muito acertado mudarem o rumo dos personagens. E nesta novela não fiquei com ódio tão grande do Júlio quanto fiquei na versão do SBT, até hoje não consigo assistir nada com o Otho Bastos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também tenho essa impressão, Jackfowl. Tenho muito carinho pela versão do SBT, mas esta versão da Globo ficou um novelão das seis muito gostoso e cheio de afeto. Foi legal!

      Excluir
  3. A novela foi bem morna até a morte de Carlos, que teve uma virada e emoção começou a aparecer. E o que mais questionei foi a escalação da Glória Pires. Uma grande atriz com toda uma história mas que não performa bem desde Insensato Coração. Glória esteve correta, tem um carisma inegável mas a Globo tem em sua prateleiras atrizes como Lilia Cabral, Patrícia Pillar, Cássia Kiss, Guilia Gam, Dira Paes, Renata Sorrah que fariam Lola lindamente e que entraria na galeria de inesquecíveis como foi com a Nicette Bruno e Irene Ravache.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fillipe, achei a escalação tão acertada! Gloria tem um estilo de interpretação que tem tudo a ver com a proposta da dona Lola, que é uma matriarca absolutamente comum. Não é fácil fazer uma mulher comum. E Gloria faz isso lindamente. Foi uma boa personagem, que ela não tinha desde justamente a Norma, de Insensato Coração (que as pessoas criticam, mas eu gostava muito!). Adoro todas estas atrizes que você citou, mas no meu entendimento, a Lola tinha que ser da Gloria.

      Excluir