sábado, 28 de setembro de 2019

Apesar de irregular, "Órfãos da Terra" acertou na temática e no tom otimista

"Não faço tanto sucesso assim
desde minha participação
na Família Dinossauros"

Órfãos da Terra, novela das seis da Globo finalizada ontem, 27, teve uma estreia arrebatadora. Com jeitão de saga épica, a novela tinha um tom documental no qual abordava um assunto atual e urgente: o drama dos refugiados de guerra. Ao mostrar uma mocinha refugiada da Síria, que passa por maus bocados com sua família para chegar ao Brasil, a história de Duca Rachid e Thelma Guedes trazia uma temática envolvente em meio ao folhetim tradicional. E Laila (Julia Dalávia) não era “só” refugiada”. Ela também fugia da obsessão do terrível sheik Aziz (Herson Capri), ao mesmo tempo em que se apaixonava pelo seu funcionário, Jamil (Renato Góes).

Assim, com reviravoltas folhetinescas pra ninguém botar defeito, Órfãos da Terra teve uma primeira fase acima da média. A novela era tão eficiente em sua função de entretenimento somada à denúncia social, que muitos apontaram que a trama devia estar no horário mais nobre. Órfãos da Terra tem cara de novela das nove, disseram vários. Realmente. A primeira fase era tão grandiosa que parecia maior que o horário que ocupava.

Um dos acertos da primeira fase era justamente o grande vilão. O sheik Aziz era uma figura odiosa, que despertava medo. Ao mesmo tempo em que era obcecado por Laila e fazia de tudo para tê-la em seu harém, o sheik também mimava a igualmente do mal Dalila (Alice Wegmann), sua filha, e maltratava Soraia (Letícia Sabatella), uma de suas esposas. O drama ficou mais intenso quando Soraia se apaixonou por Hussein (Bruno Cabrerizo), enfrentando a fúria do vilão. O final desta história de amor foi trágico.

Mas Aziz é misteriosamente assassinado no final da primeira fase de Órfãos da Terra. Com isso, dá-se início à ascensão de Dalila como principal vilã, que iniciou um amalucado plano para se vingar da morte do pai. Deste modo, Órfãos da Terra perdeu o tom épico para se tornar uma novela das seis mais tradicional. Sua trama principal passou a ser, apenas, a vilã tentando separar Laila e Jamil, ao mesmo tempo em que criava as armações mais sem sentido para prejudicar toda a família da mocinha.

Apesar de não ter o mesmo brilho da fase inicial, Órfãos da Terra não ficou necessariamente ruim. Sim, a trama principal ficou um tanto frouxa e desinteressante. Porém, a novela tinha tramas paralelas bastante envolventes, que, cada uma do seu jeito, tratava de aceitação, tolerância e respeito às diferenças. Personagens como Missade (Ana Cecília Costa), Camila (Anaju Dorigon), Almeida (Danton Mello), Zuleika (Emanuelle Araújo), Rania (Eliane Giardini), Norberto (Guilherme Fontes), Teresa (Leona Cavalli), Sara (Verônica Debom), Ali (Mouhamed Harfouch), Abner (Marcelo Médici), Latifa (Luana Martau), Boris (Osmar Prado) e Mamede (Flavio Migliaccio), entre outros, ofereceram bons momentos.

Ao se segurar nas tramas paralelas, Órfãos da Terra conseguiu consolidar um público. Mesmo que as críticas passaram a ser mais constantes, a audiência não sofreu grandes alterações e a novela encerrou seu ciclo ostentando uma boa média. Até porque, apesar dos pesares, o saldo geral de Órfãos da Terra não é negativo. A trama, no geral, ofereceu bons momentos, ótimas atuações e uma direção segura e criativa. Além disso, acertou em cheio ao passar uma mensagem de otimismo e esperança em meio ao caos mundial em que vivemos. De uma maneira singela e driblando a panfletagem, Órfãos da Terra deixou o seu recado.

Assim, o maior problema de Órfãos da Terra foi mesmo o abismo que separou suas duas fases. Enquanto a primeira fase foi épica e muito bem realizada, com cara de horário nobre, a segunda fase foi “apenas” um arroz com feijão bem temperado. A comparação entre suas duas fases é que pesa contra a novela. A trama concorreu com ela mesma. E perdeu.

André Santana

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Farei minha análise sobre Órfãos da Terra no meu blog hj. Não fiquei envolvido com a novela.... Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio! Gostei de algumas coisas, como disse no texto. Abraço!

      Excluir
  2. A trama central decepcionou, mas como voce disse, foi uma novela boa. Ela fez jus ao titulo Orfaos da Terra e os refugiados foram retratados nas varias tramas, como o sirio que tenta ser medico mas recebe preconceito por ser refugiado, mesmo motivo que Missade nwo conseguiu abrir sua barraca. Ou nos personagens Boris e Mamede. Ou nas entrevistas com refugiados reais. E as autoras fizeram bem nao correr e dar mais tempo com os dialogos. Na reta final tivemos a mudanca com coerencia da Camila e seu romance lesbico, tivemos uma personagem gorda sem sofrer por ser gorda, na reta final teve a delicadeza de abordar o Mal de Azheimer. E as autoras foram prudentes em so no ultimo capitulo por a paixao de Missade e padre Zoran. O unico personagem que detestei foi o Elias, machista com as duas mulheres, Missade e Helena. Concordo contigo que foi um erro deixar esquecer a morte do Aziz. Mas no geral foi uma boa novela das seis. O erro como bem disse foi a primeira fase espefacular rs. Segundo Ricco, talvez seja a ultima novela das autoras juntas e elas talvez caminhem por trilhos individuais. Foi uma novela necessaria pros dias de hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei, Daniel! As histórias diferentes dos refugiados e imigrantes foi necessária no sentido de lembrar a gente que todos somos imigrantes aqui. Brasileiro é tão sem memória que é preciso lembrar disso sempre.

      Excluir