sábado, 8 de junho de 2019

História da TV: os 36 anos de fundação da saudosa Rede Manchete

Aconteceu, virou Manchete!
No dia 05 de junho de 1983, entrava no ar a Rede Manchete, uma das mais queridas emissoras de televisão que já existiu no Brasil. A emissora deixou a sua marca na história da televisão brasileira, com uma programação ousada, caracterizada por experimentos e a revelação de grandes talentos.

A Rede Manchete pertencia ao Grupo Bloch, que publicava a revista Manchete através da Bloch Editores. Em seus 16 anos de existência, a Manchete tinha uma identidade muito bem definida e uma grade de programação variada, na qual se destacavam as coberturas esportivas e do Carnaval, o jornalismo, os infantis e, principalmente, a teledramaturgia. A emissora criou um padrão próprio na produção de novelas e minisséries, tendo cravado algumas produções no imaginário popular.

Sua primeira novela foi Antonio Maria, de 1985, escrita e dirigida por Geraldo Vietri. No entanto, seu primeiro sucesso no segmento foi sua sucessora, Dona Beija, protagonizada por Maitê Proença. Escrita por Wilson Aguiar Filho, o folhetim se destacou pelo bom texto e pelas polêmicas cenas de nudez. São lendárias as cenas da personagem-título cavalgando nua. A sensualidade, aliás, seria uma constante na produção de teledramaturgia da Rede Manchete, que exibia suas novelas num horário mais tardio.

Outras produções em teledramaturgia da Manchete também se destacaram no decorrer dos anos 1980, como Corpo Santo, Helena, Kananga do Japão e Carmem, esta última assinada por Gloria Perez e protagonizada por Lucélia Santos. No entanto, o maior sucesso da história da emissora viria em 1990: Pantanal, de Benedito Ruy Barbosa. A saga da família Leôncio e a história de Juma (Cristiana Oliveira), a “moça que virava onça”, fez a audiência da Manchete ir às alturas, chegando aos 30 pontos no Ibope. Um fenômeno que nunca mais se repetiria.

No entanto, outras novelas da Manchete chamaram a atenção, como A História de Ana Raio e Zé Trovão e Xica da Silva, outro sucesso. Brida, sua última produção, também entrou para a história, mas não por um bom motivo: com problemas financeiros, a emissora interrompeu a produção da obra, exibindo um último capítulo no qual um locutor narrava os desfechos dos personagens.

A Manchete também fez história na programação infantil. Foi a emissora que revelou Xuxa Meneghel e Angélica, que apresentaram, em fases distintas, o Clube da Criança. Além disso, o canal exibiu infantis como Lupu Limpim Clapá Topô, Dudalegria, A Turma do Arrepio e Clube do Seu Boneco, entre muitos outros. Mas a maior marca da emissora nesta seara foi mesmo a exibição de desenhos e séries japoneses, como Jaspion, Changeman, Solbrain, Winspector, Patrini, Os Cavaleiros do Zodíaco, Shurato, Sailor Moon e Yu Yu Hakusho, entre tantos outros.

O canal também tinha um jornalismo forte, visto em programas como Jornal da Manchete, Manchete Esportiva, Programa de Domingo, Repórter Manchete, entre outros. Pela emissora, passaram nomes como César Filho, Clodovil, Márcia Peltier, Claudete Troiano, Lucinha Lins, Ferreira Neto, Roberto D’Ávila, Otávio Mesquita, Sérgio Mallandro, Luiz Bacci, Tiririca, Virgínia Novick, e até os irmãos Sandy e Junior, que apresentavam o Sandy & Jr Show nas noites de sábado.

No entanto, a Rede Manchete não sobreviveu a tantas dívidas acumuladas ao longo de toda a sua existência, e acabou sendo extinta no ano de 1999. Sua concessão foi vendida para o grupo TeleTV, que fundou a RedeTV, com uma programação popularesca que em nada lembra os bons tempos da Manchete. Uma pena.

André Santana

6 comentários:

  1. A Manchete no Distrito Federal passou primeiro pela TV Nacional nos dois primeiros anos e depois com a TV Brasília a partir de julho de 1985 até o fim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, Kleber! Aqui no interior de SP a gente recebia o sinal da capital mesmo!

      Excluir
  2. Muito bem lembrada a homenagem à saudosa Rede Manchete, que teria completado 36 anos no último dia 5. Eu tive o privilégio de assistir à emissora dos Bloch durante a minha infância, embora não fosse um telespectador assíduo, e nem sequer imaginava que um dia tudo iria terminar da forma que terminou... Pior ainda, a emissora que entrou no lugar prometia ser uma nova Manchete, mas acabou se rendendo à baixaria e ao grotesco e ganhou a minha antipatia logo no segundo ano de existência. E olha que a RedeTV durou mais tempo que a predecessora - tá aí prestes a completar vinte anos -, mas não tem nem 1/10 da história que a Manchete tem pra contar em seus exíguos dezesseis anos de vida. A Manchete teve identidade própria e, mesmo com poucos recursos, surpreendia a concorrência - isso ficou bem claro logo na estreia, quando bateu a Globo no ibope e, posteriormente, na transmissão do carnaval. É claro que a RedeTV teve seus méritos também, sejamos sinceros, mas acredito que por querer diferenciar-se radicalmente da Manchete, a emissora de Osasco acabou se perdendo e arranhando a imagem de canal de qualidade que era sua proposta inicial. A Manchete não volta mais como os saudosistas gostariam, mas escreveu um capítulo é tanto na história da TV brasileira. Parabéns Rede Manchete, mesmo depois de vinte anos fora do ar. A gente sempre em primeiro lugar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Paulo, eu via demais a Manchete! Era uma das minhas emissoras preferidas! Eu via novelas e os infantis, tipo Clube da Criança e Turma do Arrepio, além de todas as séries e desenhos japoneses que passavam! Manchete moldou meu caráter, hahaha!

      Excluir
  3. A TV Manchete teve importante relevância na minha infância. Eu adorava Clube da Criança e Os Cavaleiros do Zodíaco. Tenho uma breve lembrança de Xica da Silva porque meus pais acompanhavam e, consequentemente, eu também.

    Sobre a RedeTV, acho que só o Leitura Dinâmica presta. Uma pena pois, em seu primeiro ano, possuía vários programas interessantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem colocado, Mister Ed! Leitura Dinâmica é o único trunfo da RedeTV, pois é um jornal único, diferenciado. Uma pena que não estendem essa criatividade para os demais programas da casa. E eu também via tudo isso aí que você falou! Virei fã da Angélica por causa do Clube da Criança e do Milk Shake!

      Excluir