sábado, 16 de fevereiro de 2019

"Troca de Esposas" é um grande acerto da Record

"Vou trocar o Tralli pelo César Filho!"

Apesar de ultimamente só se dedicar a A Fazenda, Power Couple e afins, a Record já teve uma cartela de reality shows variada. E um dos grandes destaques de sua linha de shows no passado foi Troca de Família. A atração divertia e ainda fazia pensar, ao propor a troca entre as mães de duas famílias bem diferentes entre si. Ao mostrar as dificuldades em se adaptar a uma casa que não é a sua, Troca de Família sempre deixava no ar a lição de que não há nada melhor que o nosso lar.

Produzido entre 2006 e 2011, Troca de Família teve várias fases e apresentadoras. Estreou sob o comando de Patrícia Maldonado, que, na época, fazia sucesso à frente do vespertino Tudo a Ver. No entanto, a jornalista deixou a emissora no ano seguinte e foi substituída pela atriz Ana Paula Tabalipa. Mais adiante, Troca de Família se tornou um quadro do dominical Tudo É Possível, na tentativa de elevar os índices de audiência da atração que, na época, era apresentada por Ana Hickmann. Depois, Troca de Família voltou a ser um programa independente exibido no horário nobre, e Amanda Françozo assumiu o comando. Por fim, em 2015, a Record passou a reapresentar episódios do Troca de Família, e Chris Flores assumiu a apresentação. Nesta fase, Chris recebia no estúdio as famílias participantes, que contavam o que mudou na vida deles após a experiência no programa.

O repeteco de Troca de Família deu tão certo que a Record se viu encorajada a retomar a atração. Entretanto, ao invés de um simples retorno, a emissora optou por modificar o programa e lançou o Troca de Esposas, que estreou na última quinta-feira, 14. Apesar de manter a mesma dinâmica, o novo programa tem algumas diferenças. A principal é que, em Troca de Família, havia um prêmio em dinheiro. E eram as mães opostas quem deviam ditar os rumos da premiação. Agora, a dinâmica impõe que as mães devem seguir as regras de sua antecessora na primeira metade da estadia; depois, a coisa se inverte.

Outra diferença é a presença da apresentadora. Em Troca de Família, a apresentadora apenas narrava os acontecimentos. Já em Troca de Esposas, a apresentadora Ticiane Pinheiro tem uma participação mais efetiva. Ela visita as casas das famílias, além de mediar um encontro final, no qual os casais participantes discutem o que foi vivido.

Na estreia, Troca de Esposas trouxe de volta uma das personagens preferidas dos realities da emissora: Aritana Maroni. A chef de cozinha, com passagens por A Fazenda e Power Couple (além do MasterChef, da Band), trocou de casa por uma semana com a veganista Nana Indigo. A edição, então, explorou o que acontece quando uma família vegana recebe uma amante de carnes. E vice-versa.

A aposta em Aritana se justifica, já que a chef é realmente uma figura de muitas possibilidades. O programa divertiu ao mostrá-la tentando se adaptar à nova vida num verdadeiro “santuário” de animais. Ao mesmo tempo, foi interessante acompanhar Nana tentando manter o jogo de cintura ao se ver em meio a uma família cuja alimentação tem a carne como base. Deste modo, Troca de Esposas teve um material humano muito rico. A atração provoca reflexão sobre hábitos culturais e a possibilidade de se abrir a novas experiências. Ou seja, Troca de Esposas é um reality show com alguma profundidade, algo não muito comum no segmento.

Enquanto no Troca de Família, apenas as mães se encontravam no final da experiência, desta vez Ticiane Pinheiro promove uma espécie de “lavagem de roupa suja” entre os casais. Ali, os maridos e as esposas têm a chance de falar sobre suas experiências, ampliando o choque de cultura causado pela troca. Com isso, o espectador é levado a pensar sobre sua própria família e seus próprios hábitos.

Assim, Troca de Esposas resgata uma boa ideia. E, de quebra, ajuda a diversificar a linha de shows da Record, cada vez mais refém de realities de confinamento e musicais. O formato veio para dar um necessário “respiro” às produções da emissora. Um grande acerto do canal.

André Santana

7 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Aritana???? ZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZZZZ O programa apresenta um grande desafio que comentarei ainda hoje no meu blog. Ficou evidente nesta estreia.... Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. "Ao mostrar as dificuldades em se adaptar a uma casa que não é a sua, Troca de Família sempre deixava no ar a lição de que não há nada melhor que o nosso lar."

    Ok, pode ser a premissa do programa, mas eu sempre achei tão desnecessário alguém ter de participar de um programa de TV para descobrir isso,rs...Claro, existe a chance de ficar famoso (ou ser sub-celebridade) e ganhar algum $, mas sempre me perguntei o porque de alguém se sujeitar a participar de algo assim...

    Mas com as denúncias de uma das participantes recentes de que tudo não passa de armação (o que nunca foi tão difícil de, pelo menos desconfiar), o programa fica com a imagem um pouco arranhada. Sim, TV tem MUITO de mentira, mas denúncias fortes assim podem comprometer.

    (Porém, se o Gugu depois do PCC continua no ar, não dá pra duvidar que a atração tenha até MAIS audiência depois disso,rs...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre, um reality deste tipo sempre me pareceu direcionado. Então acredito que sim, muito do que assistimos foi manipulado, ainda mais se levarmos em consideração que a troca dura uma semana, e o programa tem pouco mais de uma hora de tempo de arte. Eu só acho que a moça participante não gostou da maneira como sua participação foi editada. Não me pareceu uma denúncia contundente de que tudo no programa é armado. O que me pareceu é que ela se arrependeu de ter participado. Faz parte.

      Excluir
  3. Infelizmente, ocorreu uma polêmica com a vegana. Ela detonou a edição do programa e o cachê que recebeu.

    ResponderExcluir
  4. A tv Record ou "Record tv " não cansa de passar vergonha ,fraudes e escândalos sempre em seus programas

    ResponderExcluir