terça-feira, 27 de novembro de 2018

Globo reorganiza direção de variedades

Plim plim
Nesta terça-feira, 27, a Globo anunciou uma reorganização de sua escala de executivos. Ricardo Waddington, que era o diretor de gênero “variedades” responsável pelas atrações noturnas e dos finais de semana, assume um novo cargo, o de diretor de produção. Ele entra na vaga de Eduardo Figueira, que está deixando a emissora. Com a mudança, a direção de variedades da emissora passará a ser dividida entre Boninho e Mariano Boni, com várias modificações.

Waddington e Boninho dividiam “variedades”. Enquanto Waddington respondia pelos programas descritos acima, Boninho era o comandante dos programas diários, matinais e reality shows. Agora, com a saída de Waddington e a entrada de Mariano Boni, o núcleo de variedades passará a ser dividido por conteúdo, e não mais por horários de exibição. Boninho, então, continuará com os realities, mas tocará também o que a emissora chama de “games” (Tamanho Família, Tá Brincando, Os Melhores Anos das Nossas Vidas e Zero 1), “auditório” (Caldeirão do Huck e Domingão do Faustão) e “musicais” (SóTocaTop e especiais).

Enquanto isso, Mariano Boni, que era diretor-executivo de jornalismo, ficará com as variedades enquadradas em “entrevistas e talk shows”. Nesta pasta, estarão os títulos Mais Você, Encontro com Fátima Bernardes, Vídeo Show, É de Casa, Altas Horas, Amor & Sexo e Conversa com Bial, além do Bem Estar, que deixa de estar sob responsabilidade do jornalismo.

Trata-se de uma grande mudança, sobretudo porque Boninho deixará de responder acerca de vários dos programas que implantou. O É de Casa mesmo foi um programa idealizado sob sua gerência, enquanto Mais Você, Encontro e Vídeo Show sofreram várias modificações sob sua chancela. Por outro lado, Boninho assume programas idealizados por Ricardo Waddington, como Tamanho Família, Tá Brincando e SóTocaTop. Mas não deixa de ser interessante esta divisão por conteúdos. Afinal, os programas enquadrados em “entrevistas” podem render sob um olhar de quem vem do jornalismo, caso de Mariano Boni. Aliás, Boni vai "estrear" no entretenimento com uma baita bucha nas mãos: dar um jeito no Vídeo Show!

A mudança também pode dar uma pista sobre o que está sendo preparado para Angélica. Isso porque, segundo a jornalista Patrícia Kogut, o projeto da loira foi entregue para ser implantado dentro da diretoria de Boninho. Nesta nova gestão, o projeto então deve ter mais a ver com auditórios/games/realities do que entrevistas. Vamos ver o que acontece.

André Santana

3 comentários:

  1. Me parece muito claro que o caminho do horário do Vídeo Show é mais jornalismo. A tão falada queda de audiência da Globo se dá muito mais nesse horário do que nos horários dos jornais locais, do Globo Esporte e do Jornal Hoje. Lembrando que em algumas praças a Globo tem sofrido com a Record também, mas se conta mais o que acontece em São Paulo e, na média dessas 4 programas a Globo ainda vence no geral.

    A internet já dá conta do trabalho do Vídeo Show, que mudou tanto de apresentadores (e parece que sempre para pior, um pouquinho a cada troca) que perdeu identidade. Um programa mais enxuto no sábado antes do Caldeirão do Huck já seria suficiente, assim como era até o meio dos anos 90. Sem contar que o Viva pode fazer alguma atração similar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vídeo show poderia parar de ficar louvando artistas da Globo e cair fundo no baú da TV falando de programas antigos seriados fora da Globo também.internacionais,de cinema musica,ate das celebridades sem sensacionalismo

      Excluir
  2. Concordo com os dois. Aliás, Alexandre, sempre achei que o melhor caminho para o Vídeo Show, para não ser extinto de vez, era voltar a ser semanal. As pautas teriam mais tempo de serem trabalhadas, e o programa fatalmente voltaria a ser interessante.

    ResponderExcluir