quinta-feira, 26 de julho de 2018

Record lança "Jesus" e SBT ataca com "Z4"

"O que Adão e Eva estão
fazendo na minha novela?"

Record e SBT promoveram estreias em dramaturgia esta semana. Enquanto a primeira retoma o “arroz com feijão” de suas tramas bíblicas passadas na antiguidade, depois do “experimento” em Apocalipse, a segunda segue investindo no público infantojuvenil. Na última terça-feira, 24, a Record exibiu o primeiro capítulo de Jesus; já na quarta-feira, 25, foi a vez do SBT estrear a série Z4.

Jesus teve uma estreia confusa. A trama começou com cenas da crucificação de Cristo (Dudu Azevedo). Em seguida, a história dá um belo “salto para trás” e chega ao Gênesis. E depois que Eva morde o “fruto proibido”, a novela deu um novo salto, desta vez para frente, chegando ao ano anterior do nascimento do protagonista. Aí, Jesus seguiu sem um foco definido. Ao mesmo tempo em que a narrativa foca na juventude de Maria (Juliana Xavier) e José (Guilherme Dellorto), também dá espaço a Herodes (Paulo Gorgulho) e à guerra com os romanos. Tanta informação deixou a trama dispersa, sem uma unidade que garantisse um interesse maior. A tentativa de contextualizar a audiência quanto ao período histórico é sempre válida, mas foi feita sem muita sutileza. Pareceu uma sucessão de cenas soltas.

Por outro lado, o texto de Paula Richard chamou a atenção pela maneira como retrata Maria e José. São dois personagens que passaram uma pureza, mas, ao mesmo tempo, não exageraram na ingenuidade. Mérito não somente do texto, mas também da interpretação dos jovens Juliana e Guilherme. Jesus também chamou a atenção pelo capricho da ambientação, cenários e figurinos, bem mais convincentes que das tramas anteriores. Ou seja, tem potencial para agradar os fãs da dramaturgia bíblica da Record. Se não cair no mesmo erro de Apocalipse e abusar da doutrinação, pode funcionar.

No dia seguinte, foi a vez de Z4 estrear no SBT. E, assim como Jesus, Z4 também teve uma estreia meio confusa. Apesar de se vender como uma série juvenil, Z4 tem estrutura e jeito de novela, trazendo muitos personagens espalhados em núcleos variados. Ao narrar a formação de uma boy band por um famoso produtor musical, a trama da série enfoca quatro jovens diferentes. Luca (Pedro Rezende), Paulo (Gabriel Santana), Rafa (Matheus Lustosa) e Enzo (Apollo Costa) são os integrantes da boy band, liderados pelo produtor Zé Toledo (Werner Schünemann) e sua filha, a coreógrafa Pâmela (Manu Gavassi).

Cada um dos quatro integrantes da Z4 acaba liderando um núcleo diferente. E todos eles tiveram espaço nesta estreia. Com isso, Z4 teve pouco tempo para apresentá-los adequadamente, o que levou ao surgimento de várias situações que soaram forçadas. Ao final do episódio, ficou a sensação de que nada aconteceu direito. No entanto, a série tem a grife da Disney e do SBT, duas especialistas em dramaturgia juvenil. Também conta com a direção de Márcio Trigo, experiente no gênero, e conta com nomes de peso no elenco, como Werner Schünemann, Bárbara Bruno e Ângela Dippe, que imprimem credibilidade à obra. Fora que resgata nomes conhecidos, como Negra Li e Patrícia de Sabrit. Vamos ver se melhora nos próximos episódios.

André Santana

4 comentários:

  1. Achei fracos os dois programas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que os dois têm potencial. Vamos ver os próximos capítulos.

      Excluir
  2. Vi pouco de Jesus, mas creio que tem potencial.
    Alguns nomes são excelentes. Também não entendi isso de Adão e Eva. Genêsis não é próxima novela?

    Sobre z4: achei o primeiro fraco, apesar de alguma frase de efeito, do colorido (o sbt sempre capricha nisso) e de ver Patrícia eterna Pérola Negra atuando novamente. E Werner e Dippe são ótimos!

    Queria muito uma novela adulta. O SBT poderia muito bem produzir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi João! Adoraria também que o SBT retomasse as novelas adultas, mas isso não vai acontecer tão cedo. Novela é um produto caro, e as últimas produções nesta seara no SBT não fizeram sucesso. Como as infantis apresentam resultado muito superior, creio que Silvio Santos seguirá concentrando seus esforços nelas.

      Excluir