quinta-feira, 24 de maio de 2018

"Chaves" no Multishow é diversão para os "fãs raiz" da série

"As pessoas boas devem
amar seus inimigos"
Nesta semana, o Multishow começou a exibir as clássicas séries Chaves e Chapolin, consagradas no Brasil pela constante exibição no SBT. Com status de estrelas cult, as duas produções dos anos 1970 estrearam na nova emissora com pompa, tendo direito a regalias raras na televisão, em se tratando de um produto importado. Isso porque o canal da Globosat optou por atender aos fãs, fazendo um planejamento de exibição que vai ao encontro do que o espectador deseja.

Exibidos no Brasil desde os anos 1980, Chaves e Chapolin cultivaram fãs que, hoje, já se aproximam dos 40 anos de idade. Ou seja, há um grande grupo de jovens adultos que cresceram vendo as geniais criações de Chespirito na televisão. Assim, tornaram-se fãs atentos e exigentes, que muito se aborreceram com o pouco caso da TV de Silvio Santos com a série, sobretudo depois dos anos 2000.

Chaves passou a circular por horários variados, tendo sua exibição diária constantemente cancelada. Além disso, o canal engavetou vários episódios, sem maiores explicações. Com Chapolin, a coisa foi ainda pior: a série do herói vermelho deixou a grade, retornando algumas poucas vezes, e sempre em temporadas rápidas. Além disso, os episódios das séries sempre foram exibidos em ordem aleatória, e muitos deles com cortes.

Percebendo um nicho de fãs das séries, o Multishow foi esperto ao adquirir os direitos das produções e basear sua exibição na opinião deles. Decisão tomada num momento em que o canal investe bastante em humor, com humorísticos nos mais variados estilos (alguns, inclusive, com um padrão popular que não tem mais espaço nem na TV aberta). Ou seja, exibir um produto clássico e com ares de cult fazia todo o sentido.

O canal, então, mirou nestes fãs, fazendo uma inédita exibição em ordem cronológica, respeitando, inclusive, as aberturas e créditos originais, sempre ignoradas pelo SBT. Além disso, trouxe muitos episódios inéditos no pacote, surgindo aí a necessidade de nova dublagem, que também foi feita baseada nas vontades dos fãs, resgatando todos os dubladores originais que estão vivos. Melhor ainda: adquiriu os direitos das músicas de fundo que fazem sucesso na exibição do SBT, com a clássica dublagem da Maga, tudo para deixar os “novos” episódios os mais próximos possíveis dos antigos.

Ou seja, ao contrário do SBT, que ainda mira as crianças, o Multishow está promovendo uma exibição segmentada, voltada a um público jovem adulto que ainda se diverte com os personagens de Roberto Gómez Bolaños. O cuidado e a pesquisa dispensados pelo canal para a promoção e exibição de Chaves e Chapolin estão sendo feitos de modo que ninguém há de botar defeito. Sem dúvidas, o canal acertou em cheio.

André Santana

4 comentários:

  1. Chave a antes comorado como brinde virou um clássico como os dese Boa antigos do Mickey, Pernalonga etc.
    Decisão sabia do sbt

    ResponderExcluir
  2. Foi um dos maiores acertos do canal. Aliás, Chaves e Chapolin conseguem ser mais engraçados que muito produto atual do multishow. Vale destacar também o ótimo TVZ com seu barriga.

    ps: alguns inéditos são gravações de outros episódios né? Porque ontem (quinta) passou uma outra versão para o episódio do surto de catapora.

    Bom texto! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, sem dúvidas! Chaves e Chapolin são mais engraçados que 99% dos humorísticos do Multishow. Muito melhor que Vai que Cola, A Vila, Xilindró, Treme Treme...

      Excluir