quinta-feira, 15 de março de 2018

Guel Arraes deixa de cuidar das séries da Globo, que passa às mãos de Silvio de Abreu


A notícia não é nova, mas vale o registro e o comentário por aqui: Guel Arraes, Diretor de Teledramaturgia Semanal da Globo (ou seja, era ele quem cuidava das séries do canal), pediu para deixar o cargo. De acordo com diversas fontes, Guel não quer mais exercer um papel executivo e prefere voltar à criação. Com sua saída, Silvio de Abreu, que já era Diretor de Teledramaturgia Diária (novelas), agora cuidará também da teledramaturgia semanal.

Desde que pulverizou suas atrações de entretenimento, que passaram a ser de responsabilidade de quatro grandes diretores (Silvio de Abreu e Guel Arraes respondiam pela dramaturgia, enquanto Boninho e Ricardo Waddington cuidam dos programas de variedades), a Globo vinha colhendo bons frutos desta nova gestão. Os programas de entretenimento entraram nos trilhos, as novelas ganharam maior atenção e planejamento e as séries ganharam espaço na tela da Globo, da Globosat e do streaming. Ou seja, a descentralização da produção revelou-se positiva.

No que tange às séries, a gestão de Guel Arraes perdeu espaço na grade em razão do aumento dos capítulos das novelas das onze, agora chamadas de “superséries”. Por outro lado, ampliou o leque, deixando de priorizar comédias e fazendo experimentações, além de tornar mais comum coproduções. O resultado foram séries de sucesso, como Mister Brau e Sob Pressão, e temáticas diferenciadas, como Nada Será Como Antes, Supermax e Cidade Proibida.

No entanto, a gestão de Guel Arraes fez surgir alguns desconfortos, como o fato de o diretor parecer priorizar membros de uma “panelinha”, com muitos autores e diretores que já trabalharam com ele. Jorge Furtado, Claudio Paiva, Marçal Aquino e Fernando Bonassi ganharam espaço, enquanto novos roteiristas encontravam dificuldades em emplacar projetos. Até Miguel Falabella só conseguiu emplacar suas séries porque seus projetos correram sob o guarda-chuva de Ricardo Waddington, e não de Arraes.

O nome de Silvio de Abreu para tocar também os projetos de séries, a princípio, não parecia o mais adequado. Silvio é um craque das novelas e tem grande feeling para selecionar sinopses e lançar novos autores, mas nunca teve experiência com seriados, que hoje estão bastante evoluídos e contam com formatos variados. Mas Silvio recrutou Gloria Perez para auxiliá-lo, e é a veterana novelista que analisará os novos projetos e tocará os trabalhos da Casa dos Roteiristas, um núcleo de criação da Globo que visa o desenvolvimento de novas séries. Apesar de também ser uma mestra das novelas, Gloria mostrou que entende do formato seriado com a sua ótima Dupla Identidade. Por isso, espera-se que, com Gloria e Silvio no comando, as séries da Globo consigam promover a renovação de autores e temáticas que estão acontecendo no campo das novelas. Vamos ver.

André Santana

2 comentários:

  1. Espero que isso não signifique que as séries vão ficar parecidas com as novelas, rs!

    ResponderExcluir