sábado, 26 de agosto de 2017

Globo acerta com "Sob Pressão", mas erra com "A Fórmula"

Em meio a um emaranhado de novas séries em sua linha de shows, a Globo abre espaço para erros e acertos. Na atual safra, as noites de terça e quinta-feira trouxeram novidades ao espectador nas últimas semanas, desde os encerramentos de Mister Brau (que volta no ano que vem) e Vade Retro (que não volta). O drama Sob Pressão e a comédia A Fórmula trouxeram novas cores e alternativas aos seus respectivos horários, mas enquanto a série médica se destaca pela qualidade do elenco, texto e produção, a segunda ficou devendo no quesito história e originalidade.

Às terças, Sob Pressão deu um tempo das comédias na faixa e trouxe um drama hospitalar, um gênero tão comum na TV estadunidense, mas que não dava as caras nas produções da Globo desde Mulher, do final dos anos 1990. Derivada do filme de Andrucha Waddington que, por sua vez, é baseado no livro Sob Pressão – A Rotina de Guerra de um Médico Brasileiro, de Márcio Maranhão, a série mostra, com competência e alta voltagem dramática, o cotidiano de profissionais da saúde num centro hospitalar onde falta todo tipo de recurso.

Dr. Evandro (Júlio Andrade) e Dra. Carolina (Marjorie Estiano) são o coração da nova série. Dois médicos idealistas, que driblam, diariamente, as dificuldades do trabalho num hospital daqueles que vemos todos os dias nos telejornais, com pacientes acamados nos corredores e ausência de material de trabalho. Para aguentar o tranco, ele faz uso constante de remédios. Para aumentar ainda mais a carga dramática, o médico viu sua esposa morrer durante uma cirurgia e, um ano depois, ainda tem dificuldades em superar o luto.

Ele se envolve com sua colega de trabalho, Carolina, mas este envolvimento traz outras dificuldades. Carolina compartilha do mesmo idealismo, mas há uma diferença de pensamentos entre ambos, que ora os une e ora os afasta. Carolina é dona de uma fé aparentemente inabalável, enquanto Evandro é pragmático e até desesperançoso. Eles estão ensaiando um relacionamento, mas Carolina também tem dificuldades que vão sendo revelados aos poucos, o que traz mais dificuldades a esta relação.

Ou seja, com Sob Pressão, a Globo aposta num segmento amplamente explorado pela TV estadunidense, o drama hospitalar, e o faz em consonância com a realidade nacional. Assim, não está apenas bem servido de dramas humanos dos mais envolventes, como também pode servir de plataforma para uma importante denúncia acerca do descaso dispensado à saúde do Brasil como um todo. É uma série para se prestar atenção.

Enquanto isso, A Fórmula encerrou na noite de quinta-feira, 24, sua primeira temporada sem dizer a que veio. Protagonizada por Drica Moraes, Fábio Assunção e Luisa Arraes, a trama foi na contramão da história que substituiu, Vade Retro. Enquanto esta última apostava num humor mais atrevido, brincando com o terror e elementos sacros, A Fórmula já contou com um humor mais fácil, exibindo um texto tão leve que poderia ir ao ar no meio da tarde.

Escrita por Marcelo Saback e Mauro Wilson, A Fórmula trouxe uma premissa interessante. A cientista Angélica (Drica Moraes) inventa uma fórmula que a deixa com a aparência que tinha há 30 anos. Afrodite (Luisa Arraes), como ela chama sua versão mais jovem, desperta a paixão de Ricardo (Fábio Assunção), com quem teve um relacionamento há 30 anos, e que chegou ao fim cheio de questões mal resolvidas. O reencontro entre Angélica e Ricardo, 30 anos depois, acontece cheio de mágoas e ressentimentos. Já o aparecimento de Afrodite desperta a paixão, o saudosismo e até o ciúme. Aos poucos, Ricardo se vê envolvido com Angélica e Afrodite, sem saber que se trata da mesma pessoa.

A temática foi explorada de maneira divertida, mas não chegou a surpreender. Faltou ao texto de A Fórmula a esperteza vista em Mister Brau, por exemplo, que consegue surpreender mesmo diante de temáticas já vistas e revistas tantas e tantas vezes. A Grande Família é outro exemplo de série de humor popular que sabia sair do lugar-comum de maneira de fácil compreensão. Já A Fórmula teve uma passagem apagada e não surpreendeu.

Bom mesmo foram as performances de Drica Moraes e Luisa Arraes, que impressionaram pela excepcional sincronia. As duas atrizes não deixam dúvida ao espectador de que vivem a mesma personagem, do gestual ao tom de voz. Elas foram vistas em total sintonia, dando uma unidade incrível à Angélica/Afrodite. O desempenho das duas atrizes, sem dúvidas, foi o trunfo da série.

A Fórmula só não teve sorte quanto ao horário, justamentea linha de shows das quintas-feiras, dia em que a direção da Globo promoveu a inversão do horário entre a série e Os Dias Eram Assim. Em razão do fraco desempenho de audiência de Vade Retro, a emissora jogou a série para mais tarde no intuito de “salvar” a novela das onze (ou “supersérie”). Assim, A Fórmula acabou exibida em horário equivocado, o que contribuiu para que a série passasse em brancas nuvens.

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Discordo totalmente. A Fórmula foi uma série agradável. Leve e divertida. Gostei bastante. Aguardo a segunda temporada ou um telefilme com a continuação da história. Já comentei no meu blog. Abs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio, tudo bem? Não consegui gostar de A Fórmula. Gostei das atuações e de uma ou outra ideia, mas, no geral, achei a série muito bobinha e previsível. Não me pegou. Abraço!

      Excluir
  2. Eu gostei imensamente de Vade Retro. Mas esta sendo um problema encontrar uma serie que agrade audiencia e critica depois da Grande Familia. Chapa Quente, Vade Retro, A Formula, todos falharam.
    Ja as tercas tem tido mais sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei de Vade Retro, Daniel! É um tipo de humor que me agrada bem mais do que o de A Fórmula.

      Excluir