sábado, 5 de agosto de 2017

"Chiquititas", "Márcia" e "Tela de Sucessos": há 20 anos, SBT turbinava programação

O SBT sempre teve certa tradição de fazer estreias no mês de agosto, quando a emissora faz aniversário. Há 20 anos, entre o final de julho e início de agosto de 1997, o canal de Silvio Santos faria uma série de mudanças na grade e lançaria programas que seriam lembrados até os dias de hoje. Numa única semana, por exemplo, o SBT lançava um jornalístico, uma nova novela e três novos programas na linha de shows, turbinando a programação.

A primeira estreia foi, na verdade, uma reestreia. O jornalístico policial Aqui Agora retornava ao ar reformulado em 31 de julho de 1997, na faixa das 18 horas, com apresentação de Ney Gonçalves Dias. O jornalista, na época, fazia sucesso com o Cidade Alerta, da Record, e levou o formato para o SBT. Entretanto, o novo Aqui Agora não deu muito certo e saiu do ar em dezembro do mesmo ano, quando estreou o lendário Fantasia.

A segunda estreia foi Chiquititas, primeira versão, que entrou no ar no dia 31 de julho de 1997, às 20h. Coprodução entre SBT e a argentina Telefe, a trama infantil substituía a primeira exibição da mexicana Maria do Bairro, e era uma adaptação de um texto argentino, gravada nos estúdios da Telefe, em Buenos Aires, mas com elenco brasileiro. Flavia Monteiro, como Carolina, e Fernanda Souza, como Mili, encabeçavam o elenco desta trama que fez história e se tornou mania entre as crianças. A trajetória das meninas órfãs habitantes do orfanato Raio de Luz encantava com suas travessuras e os clipes musicais, cujas letras e coreografias eram copiadas pela crianças da época.

No dia seguinte, 1º de agosto, o SBT lançaria um novo programa no horário nobre que traria um, digamos, “novo conceito” de telebarraco no Brasil. Márcia revelava ao país a apresentadora Márcia Goldschmidt, escolhida entre 200 candidatas para apresentar a atração, e era um programa de debates, no qual populares compareciam para “lavar roupa suja” em público. A atração, uma adaptação brasileira do americano Ricki Lake Show, trazia um tema diferente a cada semana, e não era raro seus participantes saírem no tapa em pleno palco. Muitas vezes, Márcia tentava intervir na briga, mas outras tantas ela recorria ao segurança, a quem chamava “James, James!”. Era engraçado.

Márcia fez muito sucesso e abriu caminho para que outros “telebarracos” surgissem na televisão brasileira. A extinta Manchete apostaria em formato semelhante com o Magdalena Manchete Verdade, apresentado pela jornalista Magdalena Buonfiglioli. Já a Record tiraria Ratinho da CNT e lançaria seu Ratinho Livre, também caracterizado por muitas brigas no palco. Ratinho foi o fenômeno daquele ano na TV, e o SBT tentou competir com ele, tornando Márcia um programa diário, exibido às 21h. Márcia acabou substituindo a novela Os Ossos do Barão, fazendo o SBT engavetar a trama que a sucederia, Pérola Negra, que seria exibida apenas no ano seguinte. No novo horário, Márcia não conseguiu fazer frente à Record, e acabou sendo deslocada para a faixa das 18h. Saiu do ar quando Ratinho foi contratado pelo SBT. A apresentadora, no entanto, conseguiu construir uma carreira na telinha, tendo passado por programas como Programa Livre, Fantasia, Mulheres, Hora da Verdade e Jogo da Vida.

Dois dias depois da estreia de Márcia, em 3 de agosto, entrava no ar o Concurso de Paródias. Também versão nacional, desta vez de um formato europeu, o programa, como o próprio nome sugere, recebia compositores de paródias, que apresentavam suas canções e concorriam a prêmios. O programa trouxe de volta à telinha Moacyr Franco, que estava há 15 anos afastado da TV, e era um entretenimento bem divertido. Mas teve vida curta, já que o SBT sacrificou o programa para abrir espaço a transmissões de futebol. Entretanto, o programa serviu para trazer Moacyr Franco de volta, já que o “showman” emplacaria outras atrações na emissora nos anos seguintes, como os humorísticos Ô, Coitado e Meu Cunhado, e o show de crianças Pequenos Brilhantes. Moacyr segue no ar até hoje, vivendo tipos em A Praça É Nossa.

Outro programa “antológico” que estrearia naquela semana era a faixa de filmes Tela de Sucessos, nas noites de sexta-feira. A atração estreou um dia depois do Concurso de Paródias com a missão de ser uma espécie de “Tela Quente do SBT”, tornando-se a principal faixa de filmes da emissora. Apesar de ter estreado em 1997, a Tela de Sucessos só diria a que viria a partir de 2000, quando a emissora investiu pesado em blockbusters.

Todos estes programas se juntariam ao Alô Christina (depois, grafado como Alô Chrystynah), mistura de game e talk show apresentado por Christina Rocha. A atração estreou em abril daquele ano, trazendo a ex-apresentadora do Aqui Agora comandando games por telefone. O público participava mandando cartas, e Christina ligava para a casa de um espectador, que devia dizer “Alô Christina!” para participar. Além dos jogos, o programa também recebia convidados e números musicais. Deste modo, naquela primeira semana de agosto de 1997, a emissora montaria uma linha de shows variada e popular nas noites de segunda a sábado, às 21h40: Hebe, às segundas; Márcia, às terças; Alô Christina, às quartas; Concurso de Paródias, às quintas; Tela de Sucessos, às sextas; e A Praça É Nossa e Sabadão, aos sábados.

Esta linha de shows não teve vida longa. O SBT exibia futebol naquela época, e abriu as noites de terças e quintas para o esporte. Assim, Márcia, antes de se tornar diário, passou para as noites de quarta-feira, enquanto Alô Christina e Concurso de Paródias foram definitivamente cancelados. Quando Márcia se tornou diário, foi substituído pelo Fórum Popular, com Ney Gonçalves Dias, que tentava resolver problemas de populares imitando um julgamento. O programa também teve vida curta.

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

14 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Não fala alô, fala "Alô, Christina" kkkkkkkkkkkkkk..... Esse programa é antológico kkkkkkkkkkkkkkkkkkk... A Marcia conquistava a liderança na noite de terça-feira... Derrubava a audiência da Regina Casé na época. Eu também acompanhava. Eu já era "crescidinho" com Chiquititas..Além da novela ser de menina kkkkk.. Pensamento da época...Abs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No começo so tinham meninas depoks entraram meninos na historia tbem

      Excluir
    2. Eu tinha 13 anos quando Chiquititas estreou. Como um menino e pré-adolescente, não podia, jamais, admitir que eu assistia à novela. Mas eu assistia e adorava!

      Excluir
  2. Naquele ano o SBT reagia diante do crescimento da Record e lançou a linha de shows que eram a imagem e semelhança de Silvio Santos e não podemos esquecer também do Fantasia, o game show que foi lançado no final daquele ano e que também marcou essa fase do canal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado, Kleber! Foi um ano de "raiz" do SBT, com lançamento de programas que eram a cara da emissora.

      Excluir
  3. Eu lembro um pouco desse programa do Moacyr, mas confesso que não lembrava do nome. A Tela de Sucessos nunca mais saiu do ar, heim? Assisti muitos filmes como "Os Flintstones" e "O vingador do futuro". Sobre os programas da Márcia e da Cristina, lembro quase nada, mas Chiquititas foi demais. Eu chegava da pré-escola e assistia as aventuras das órfãs do Raio de Luz. Saudade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu assistia todos! Márcia, Christina, Moacyr... hahaha! Vi Os Flintstones na Tela de Sucessos também!

      Excluir
  4. Esqueceu do disney club..o antologico cruj cruj..com línguagem diferente. Assistia elw e depois as chiquititas que começavam depois..epoca de ouro do sbt.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado, Guelito! Na verdade, não incluí porque o texto se referia às estreias de agosto, que foram muitas e numa tacada só. O Disney Club havia estreado em abril, mas "pulou" das 18h para às 19h com a estreia desta nova grade. O SBT, acertadamente, apostava no público infantil no horário nobre, e Disney Club colado com Chiquititas foi um belo acerto!

      Excluir
  5. Márcia deu o que falar na mídia naquela época
    Pelo que lembro a tv Manchete fez algo no mesmo estilo ,na época até me assustei pois a rede manchete sempre ofereceu qualidade em sua programação
    Momento nostalgia Hehe : como era bom chegar do colégio a tarde é verdade timão e Pumba no Disney cruj que saudade !!! #feliz#infancia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o Magdalena Manchete Verdade tinha praticamente o mesmo formato do Márcia. Realmente, não fazia muito o estilo da Manchete, mas a emissora já estava numa crise de audiência na época e se viu obrigada a imitar a concorrência.

      Excluir
  6. Márcia deu o que falar na mídia naquela época
    Pelo que lembro a tv Manchete fez algo no mesmo estilo ,na época até me assustei pois a rede manchete sempre ofereceu qualidade em sua programação
    Momento nostalgia Hehe : como era bom chegar do colégio a tarde é verdade timão e Pumba no Disney cruj que saudade !!! #feliz#infancia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorava assistir cruj..timão e pimba a turma do pateta tv qua que... e depois chiquititas

      Excluir