sábado, 1 de abril de 2017

"A Lei do Amor" revelou-se uma grande decepção

Infelizmente, temos que reconhecer: A Lei do Amor foi uma das maiores decepções do horário das nove da Globo dos últimos anos. E olha que a faixa já vem alimentando um histórico de decepções cheio de fortes concorrentes. Mas esperava-se muito da primeira novela das nove da Globo assinada por dois medalhões, os festejados Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari. A dupla, dona de um currículo extenso de boas produções, assinaram, nos últimos anos, “apenas” duas das novelas das sete mais bacanas de todos os tempos, Ti Ti Ti e Sangue Bom. Ou seja, a promoção ao horário das nove já era esperada, e foi muito comemorada.

O que se viu depois disso foi a promessa de um resgate de folhetim mais tradicional, o que parecia uma boa ideia após novelas mais pretensiosas, como A Regra do Jogo e Velho Chico. E a primeira fase da produção fez jus à promessa, não economizando nos mas variados clichês do folhetim básico: um amor arrebatador, uma vilã pérfida com uma peruca importada do almoxarifado da Televisa, uma grande armação para separar o casalzinho e muitas reviravoltas. Era clichê, mas tudo muito bem escrito, com bons diálogos e personagens interessantes. A primeira fase de A Lei do Amor, mesmo com seu ar “cafona”, deixou uma boa impressão.

No entanto, o salto que separou a primeira da segunda fase tornou as coisas um tanto esquisitas. Pedro (Reynaldo Gianecchinni) e Helô (Claudia Abreu), o casal fofo separado por uma armação da vilã Magnólia (Vera Holtz), logo se reencontrou, esclareceu a armação do início e o relacionamento foi retomado. E só. O casal que protagonizou a primeira semana da obra revelou-se, adiante, totalmente desnecessário à trama. A primeira fase, assim, não teve qualquer razão para existir. Por outro lado, a segunda fase procurou narrar as desventuras da família Leitão no cenário político da cidade de São Dimas, fictício município da região metropolitana de São Paulo. Mag, era, de fato, a protagonista da obra. Era a vilã quem sustentava o fio condutor da trama a partir de seu segundo ato, posando de defensora da moral e dos bons costumes, enquanto armava para manter o seu poder diante da cidade. Sua história era, de fato, bastante interessante.

O problema é que esta história ficou diluída em meio a um sem-número de personagens que “invadiram” A Lei do Amor logo no início de sua segunda fase. Eram tantos jovens, interpretados por atores desconhecidos do grande público, que era bem complicado entender qual era a relação entre eles. A Lei do Amor, assim, ficou desfocada, parecia sem norte, e revelou-se uma trama na qual era difícil se envolver. Constatado o problema do excesso de personagens, os autores trataram de enxugar o elenco, dispensando vários nomes. Outro problema foi criado a partir daí, pois eram tantas cenas de despedidas, de personagens fazendo viagens inesperadas, que A Lei do Amor ficou enfadonha.

E a trama se perdeu ainda mais quando deu destaque ao casal jovem Tiago (Humberto Carrão) e Isabela (Alice Wegmann). O casal funcionou bem melhor como trama romântica, ao contrário de Pedro e Helô, e tiveram os holofotes voltados para si durante vários capítulos. A aproximação dos dois foi feita de maneira saborosa, os personagens eram simpáticos e tinham química. Letícia (Isabela Santoni), a ex de Tiago, neste entrecho, era a “chata”, o terceiro vértice deste interessante triângulo amoroso. Também trazia algo novo à trama, pois era uma menina doente que usava sua fragilidade para chantagear a todos que amava. Era chata, sim, mas era original e tinha uma função clara dentro do enredo. Mas a trama se perdeu completamente quando Isabela foi vítima de um atentado a mando de Tião Bezerra (José Mayer), outro vilão da trama. A mocinha desapareceu no mar e Tiago sofreu com sua ausência. Ai, Letícia, do nada, fica legal, os dois retomam e se casam. Muitos capítulos depois, surge Marina (Alice Wegman), uma “sósia” de Isabela que passa a atormentar Tiago.

Tudo desandou. Letícia passando a ser mocinha perdeu sua originalidade, Tiago tornou-se um mocinho frágil e a tal Marina não tinha qualquer razão de existir. Todo mundo achava que Marina era Isabela que voltou para “se vingar”, mas uma meia dúzia de provas plantadas acabou convencendo a todos que Marina não era Isabela. Ficou esquisito demais. Além disso, os autores parecem ter perdido o tempo da chegada de Marina. Quando ela entrou na história, tanto tempo já havia se passado que ninguém mais ligava para o mistério do desaparecimento de Isabela. Saber se Marina era mesmo Marina ou era Isabela disfarçada tornou-se um mistério do qual ninguém se importava. Tanto fazia. E, no capítulo final, a coisa terminou da pior maneira possível: Marina era mesmo Isabela que voltou para se vingar! Oh! Vingança muito tola, tendo em vista que estava bem claro aos olhos do público e de boa parte dos personagens que Tiago, claro, não havia tentado matá-la. A própria Marina/Isabela já tinha juntado várias pistas de que Tiago jamais tentou matá-la, até porque ele não tinha nenhum motivo para isso. Assim, a tal vingança de Isabela tinha um argumento excessivamente frágil. Não fez o menor sentido.

Falando em mudanças de perfil dos personagens, elas foram muitas em A Lei do Amor. Ciro (Thiago Lacerda), por exemplo, era um vilão interessante que mantinha um caso com a própria sogra, o que também despontava como um entrecho original. Entretanto, quando se livrou das garras de Mag e se arrependeu de suas armações, o personagem murchou. Ciro mudou quando se apaixonou por Beth (Regiane Alves), que entrou na história para chacoalhá-la e acabou saindo de cena cedo demais, quando Mag a matou. Outro problema de coerência se deu com Pedro, que sempre foi íntegro e correto, mas traiu Helô com uma ex-namorada sem qualquer motivação para tal. Se, ao menos, ele tivesse realmente se sentido dividido quando Laura (Heloísa Jorge) chegou ao Brasil, seria mais fácil acreditar no deslize. Mas não. Ele nunca se mostrou balançado com a ex. Apenas dormiu com ela. “Forçação de barra” para criar algum conflito para o casal principal, que andou em banho-maria a novela toda. Isso sem falar nas repetições constantes das tramas: Pedro descobriu três vezes que não sabia que tinha engravidado Helô e Laura; e Helô pegou Pedro na cama com outra duas vezes.

A trama política, que seria central em A Lei do Amor, virou uma pecha cômica de baixa qualidade. Neste contexto, Salete (Claudia Raia), uma personagem multidimensional e que tinha tudo para acontecer, ficou pelo meio do caminho. Não rendeu. Luciane (Grazi Massafera), a divertida personagem que queria ser a primeira-dama de São Dimas, foi um trunfo da novela do início ao fim, sem dúvidas. Mas não dá para negar que suas cenas, aos poucos, tornaram-se esquetes dentro da novela. Boas cenas, sim, mas sem grande importância para o andamento da trama. Mileide (Heloisa Perisse) e sua turma foi mais um caso de núcleo cômico sem graça e sem importância, que parece criado apenas para cumprir cota em qualquer novela. Não aconteceu.

Em meio a tantos erros, destacou-se em A Lei do Amor, apenas, o embate entre os vilões Mag e Tião. Ele nutria amor e ódio pela mulher, que se aproveitou dele o quanto pode. Numa queda de braço constante, a tensão entre eles deu algum tempero à história. Pena que Tião perdeu um pouco de força, pois, no início, era um vilão sutil. Aos poucos, tornou-se histriônico e caricato. Mesmo assim, Vera Holtz e José Mayer foram os grandes nomes da novela. E merecem aplausos também as performances de Tarcísio Meira (Fausto Leitão), Pierre Baitelli (o simpático Antonio), Regina Braga (Silvia), Camila Morgado (a perturbada Vitória), além dos já mencionados Grazi Massafera e Thiago Lacerda. Mesmo sem história, Claudia Abreu foi uma mocinha digna, enquanto Reynaldo Gianecchini, com um personagem fraco, esteve no piloto automático.

Tantas mudanças e histórias que ficaram no meio do caminho aconteceram, dizem, numa tentativa de adequar A Lei do Amor ao gosto do público. O que mostra que intervir no andamento de uma novela problemática não é a melhor solução, pois desfigura a trama de tal modo que não consegue atrair um novo público e, ainda, afasta o público inicialmente conquistado. Uma pena. A Lei do Amor criou as melhores expectativas e saiu de cena lotada de problemas.

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu já desconfiava que seria um grande fracasso nas chamadas de estreia. Sangue Bom já tinha apresentado vários problemas em sua construção. Foi uma novela bastante irregular. O mesmo ocorreu com A Lei do Amor. Os autores repetiram os mesmos erros e até foram ampliados. Esta novela seria das onze. E para adaptá-la ao horário das nove, criaram um sem número de histórias e personagens sem sentido algum. Farei meu balanço com os pontos positivos e negativos. Aguarde. Abs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não achei Sangue Bom problemática. Gostei bastante da trama das sete. Mas A Lei do Amor, não tem como defender. Foi um horror!

      Excluir
  2. O que mais senti falta nessa novela, desde o início, foi de emoção. Tudo era ágil demais, se resolvia muito rápido. Não dava tempo de se envolver com os personagens e seus dramas. As imagens meio nubladas e a direção sem graça também atrapalharam. Acredito também que mexeram rápido demais. Talvez se tivesses deixado os autores seguirem em sua proposta inicial, a novela poderia ter sido melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que as primeiras mexidas eram necessárias, pois eram muitos personagens com tramas bobas correndo paralelamente, que a novela parecia sem foco. Mas depois foram remendando tramas e a coisa degringolou.

      Excluir