sábado, 18 de fevereiro de 2017

Emissoras prometem um 2017 recheado de formatos importados

Num dos fóruns que costuma fazer regularmente para discutir conteúdo, a direção da Globo apontou para uma interessante discussão. Foi levantado que a produção audiovisual brasileira já teve seus momentos criativos, mas que vinha se tornando refém da compra de formatos importados. Foi dito que a produção nacional devia, a partir dali, ficar menos dependente de formatos enlatados e se tornar, ela sim, uma exportadora de formatos. Era preciso investir mais na criatividade nacional e torná-la, também, uma referência, levando as nossas ideias para outras partes do mundo. Tomara que Caia, mesmo mal-sucedida, já foi uma importante experiência de tentativa neste sentido. E o atual Fecha a Conta, reality gastronômico exibido atualmente no Mais Você, também é outra tentativa.

O SBT, também há tempos dependente de formatos vindos de fora para rechear a grade e seus programas de auditório, de vez em quando também arrisca uma criação própria, mesmo que ela venha com forte “inspiração” de programas estrangeiros. SOS Casamento, que o canal exibiu há um tempo, era inspirado em Supernanny, atração de formato comprado, mas trazia problemas de casais, e não de criação de filhos. Manobra válida. Máquina da Fama também foi uma reformulação de outro formato de fora, o Famoso Quem?. Deu certo. E Fábrica de Casamentos, que estreia em março, também virá com um formato criado aqui, segundo a emissora.

Mesmo com todas estas tentativas (válidas) de se tentar criar novos formatos por aqui, ainda está longe o tempo em que a televisão brasileira terá o tempo de programas vindos de fora reduzido. Num momento como o atual, de crise financeira e com pouca disponibilidade de se arriscar e apostar em novidades, produzir versões nacionais de programas vindos de fora parece uma saída a prova de erros. Deve ser por isso que a grade de 2017 dos principais canais abertos estará, a partir de março, recheada de novos e velhos formatos importados nos mais diversos horários.

A Record, por exemplo, quase passou toda a sua linha de shows das 22h30 para as mãos de Geraldo Luís. Como o apresentador não aceitou um programa diário, a solução foi rechear a faixa com realities vindos de fora. Em abril, as noites de segunda, terça e quinta-feira serão dedicadas a eles: às segundas, o Dancing Brasil será a nova aposta de Xuxa Meneghel, num programa praticamente idêntico à Dança dos Famosos do Domingão do Faustão (que também é um formato importado); e às terças e quintas serão dedicadas à nova temporada do Power Couple, com Roberto Justus. E, assim que estes programas terminarem suas temporadas, outros programas virão. A Casa, reality que pretende confinar 100 pessoas numa casa sem estrutura e apenas um banheiro, deve entrar na vaga de Power Couple. E a direção do canal já estuda um segundo formato para Xuxa, assim que Dancing Brasil sair de cena.

A Globo, mesmo canal que discursa a favor de uma maior força nacional na concepção de formatos, também não escapará de programas enlatados. Segue no ar o Big Brother Brasil, reality de maior sucesso do país. E outras novidades estão no gatilho. O Caldeirão do Huck, que já exibe quadros enlatados, como Lata Velha e Voltando ao Passado, terá sua versão de Who Wants to Be a Millionaire, game show de perguntas e respostas que “inspirou” o Show do Milhão, do SBT. Já o Domingão do Faustão, que também tem entre seus quadros vários formatos de fora, como Iluminados e o já citado Dança dos Famosos, virá com Tal e Qual, novo quadro que nada mais é que uma versão do enlatado Your Face Sounds Familiar. No novo quadro, celebridades terão de imitar outros artistas e fazer performances. Familiar, não? Sim, o SBT já teve os direitos deste formato e realizou uma temporada, chamada de Esse Artista Sou Eu, com Marcio Ballas. The Voice Brasil também volta no segundo semestre. 

Band e SBT não anunciaram, até o momento, a compra de nenhum outro formato de fora, mas seguirão investindo naqueles que já possuem. A Band, claro, segue dependendo do MasterChef, e fará mais duas temporadas do reality gastronômico. O atual Pesadelo na Cozinha também deu certo e terá novos episódios, sem dúvidas, assim como o The X Factor Brasil. Já o SBT seguirá apostando em novas temporadas do Esquadrão da Moda, Bake Off Brasil – Mão na Massa e Hell’s Kitchen – Cozinha Sob Pressão. Já a RedeTV virá com um programa italiano, L’Eredità, que será chamado de O Céu é o Limite, e apresentado por Marcelo de Carvalho. 

Nada contra a compra de formatos importados, afinal, muitos deles dão bons resultados no Brasil. O problema é quando os canais acham que apostar no que deu certo lá fora é garantia de que dará por aqui, o que não é verdade. Temos vários exemplos de programas vitoriosos lá fora  e que, por aqui, não emplacaram, como o próprio X Factor, ou o Got Talent, da Record, ou ainda SuperStar, Famoso Quem, Hipertensão, Busão do Brasil, Projeto Fashion, entre tantos outros que nem lembramos mais. Comprar de fora pode ser mais prático, mas é importante que se fomente a criação por aqui, também. Temos condições de ser, também, exportadores, e não apenas importadores.

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu sempre bato nesta tecla. Pra que o Brasil forma milhares de profissionais em Rádio e TV para importar formatos? Eu gostei do Projeto Fashion e poderia ter uma segunda temporada na Band. Abs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei do Projeto Fashion. O SBT podia comprar o formato pra revezar com o Esquadrão da Moda, já pensou? Mantendo Isabela Fiorentino e Arlindo Grund, que são uma ótima dupla!

      Excluir
  2. Fecha a conta , gostei da ideia, se fosse na Band como programa solo e com chefes famosos de jurados seria muito bom.

    ResponderExcluir