sábado, 25 de fevereiro de 2017

"Eliana" cresce ao apostar em externas

Desde que ganhou a concorrência do Hora do Faro, de Rodrigo Faro na Record, a apresentadora Eliana, do SBT, viu sua vice-liderança no Ibope nas tardes de domingo passar às mãos da concorrência. A disputa entre Hora do Faro e Eliana ficou ainda mais favorável ao primeiro quando o Domingo Legal perdeu força na audiência. O programa de Rodrigo Faro recebe a audiência em alta do antecessor Domingo Show, enquanto Eliana pena para aumentar os números baixos herdados de Celso Portiolli.

No entanto, no último domingo, 19, Eliana viu sua audiência crescer. Segundo dados do Ibope, a atração registrou, das 15h15 às 19h15, 8,08 pontos de média, 15,04% de share e 11,44 pontos de pico, índice 11% superior ao alcançado na semana anterior, quando registrou 7,03 pontos de média. Apesar disso, o semanal ficou atrás do Hora do Faro, que conquistou a vice-liderança isolada novamente com média de 9 pontos, pico de 12 pontos e share de 17%. Ou seja, permaneceu atrás de Faro, mas registrou crescimento.

Curioso é notar que o Eliana do último domingo cresceu, justamente, ao fazer um programa totalmente baseado em externas. Nas quatro horas da atração, foram exibidas quatro grandes matérias externas, a maioria envolvendo entrevistas com famosos. No palco, diante de seu auditório, a apresentadora surgia apenas fazendo as “cabeças” das matérias e anunciando merchandising. No mais, o programa foi todo fora do palco. E, das quatro grandes matérias, três foram entrevistas com artistas e personalidades. Ou seja, o Eliana teve seu momento Estrelas, e a apresentadora fez bate-papos bem semelhantes aos realizados por Angélica, na Globo.

A atração começou com Eliana visitando a casa da dupla Simone & Simaria. A apresentadora mostrou como vivem as cantoras, relembrou o passado delas, vasculhou seus closets e, de quebra, saiu disfarçada com as duas pela Praia do Futuro, em Fortaleza, para relembrar os tempos que as artistas eram vendedoras ambulantes. O quadro ainda teve tempo para promover um reencontro, de uma tia que as duas não viam há tempos. Em seguida, foi a vez de Eliana dar uma carona para a cantora Ludmilla. O bate-papo começou no carro, passou por um salão de beleza onde a cantora conheceu duas fãs, e terminou num restaurante de Carlos Bertolazzi, onde provaram pratos exóticos. Logo depois, Eliana saiu de sua “porção Angélica” e encarnou um “momento Luciano Huck”, ao exibir o quadro Sueli na Sua Casa. O quadro mostrou a história de uma mulher acumuladora, cujo apartamento estava um caos, e as dicas da profissional Sueli para melhorar o ambiente. Por fim, Eliana visitou Sylvia Design, que relembrou sua trajetória de vida e, ainda, foi com a apresentadora conferir a exposição sobre Silvio Santos, em cartaz no Museu da Imagem e do Som – MIS - de São Paulo.

O bom resultado de Eliana todo de matérias externas mostra que, cada vez mais, os programas de auditório estão deixando de ser, verdadeiramente, programas de auditório. Isso já se aplica em outras atrações, como o Programa da Sabrina e o Gugu, da Record. O primeiro sempre se dá bem quando mostra Sabrina Sato entrevistando famosos e anônimos pelas ruas, aproveitando todo o traquejo adquirido pela “japa” nos tempos do Pânico. É inegável que Sabrina funciona bem melhor nestas matérias do que no palco. E o programa de Gugu Liberato é outra atração que também explora muito pouco seu palco. Grande parte do programa é dedicado às grandes entrevistas e reportagens feitas pelo apresentador e sua equipe. Na Globo, o Caldeirão do Huck é outro programa que dedica muitas edições a quadros feitos fora do estúdio.

Isso não é ruim. Quadros e matérias externas, quando bem-feitas, costumam imprimir dinamismo aos programas, deixando-os menos engessados. No entanto, o fato de tantos programas de auditório dedicarem cada vez mais seu tempo a atrações fora do estúdio sinalizam que o programa de auditório como gênero específico é uma espécie em processo de extinção. Se no passado eles eram vedetes das grades da TV, comandados por grandes animadores como Silvio Santos, Raul Gil e Chacrinha, hoje eles se reinventam com os novos apresentadores, que se colocam mais como apresentadores de quadros do que animadores, de fato. Não por acaso, Silvio e Raul, dois animadores das antigas que seguem na ativa, são praticamente os únicos a comandarem programas de auditório de fato, ao lado de Fausto Silva e seu Domingão do Faustão. Os demais, salvo exceções, estão indo por outro caminho.

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

11 comentários:

  1. Bom ponto de vista abordado, que é essa questão de ver os apresentadores cada vez mais longe do auditório propriamente dito, talvez influenciados por programas da TV paga. Mas o que me chama a atenção pelo pouco que acompanho, é que são programas muito semelhantes. Parece que fazem um rodízio de convidados. Além disso, o chororô é norma quase constante, o que faz com que tudo tem um lado bem chato...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade! Principalmente os dominicais, estão todos muito parecidos, e todos com essa mania chata de trazer histórias ditas "emocionantes". Prefiro atrações que me divirta e não que me deprima.

      Excluir
  2. Olá, tudo bem? A Record acerta ao diminuir o tamanho do Cidade Alerta. Era inadmissível esse "telejornal" ocupar praticamente quatro horas na grade. O SBT vai sofrer com a reprise de Os Dez Mandamentos. As novelas mexicanas sofrerão um bombardeio do Moisés....Abs e bom carnaval! Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, Fabio! Também acho o Cidade Alerta longo demais, e acho que a Record tem condições de dar um "baile" nas novelas do SBT com a reprise de Os Dez Mandamentos. Só acho que está muito cedo pra um repeteco. Podiam esperar um pouco mais. Abraço!

      Excluir
  3. Acho que o programa Eliana é muito longo assim como vários dominicais ,haja assuntos e pautas hein !
    Gosto tanto dá Angélica pois a mesma é simpática ,e sabe fazer externas porém os assuntos poderiam ser mais bem explorados ,as vezes acho que o convidado eh pouco explorado ficando muito a estilo revistas caras !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo! Eliana tem tempo demais, e Angélica tem de menos, hehe! Eu, particularmente, não tenho paciência pra programas excessivamente longos, e, por isso, tenho visto mais Angélica e menos Eliana, hehe! Mas gosto das duas!

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Quase não vejo o programa da Eliana, mas dá para notar que é bem melhor do que o do Faro.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com o Caio quanto à longa duração do programa Eliana. Porém, acho a loira uma das melhores apresentadoras da TV brasileira. Tem carisma e sabe entrevistar. Não me surpreenderia se Eliana vier a se tornar a nova Hebe Camargo um dia.

    ResponderExcluir