sábado, 4 de fevereiro de 2017

"Amor & Sexo" ganha relevância a cada nova temporada

É impressionante como o programa Amor & Sexo só evolui. Se a gente levar em consideração que é um programa temático e, por isso mesmo, exibido em esquema de temporadas, poderíamos supor que, passados alguns anos, a fórmula estaria completamente esgotada. Mas não é isso o que acontece com o programa de Fernanda Lima. A cada ano que passa, o programa ganha substância, agregando novos conteúdos e aprofundando discussões que pareciam inviáveis na TV aberta. Ir além da superfície já foi o mote da temporada 2016, que deveria ser a última. Mas Amor & Sexo ganhou sobrevida e mostrou que é possível ir ainda mais fundo.

O episódio de estreia da temporada, exibido no dia 26, deve ter sido o melhor da história da atração. Ao tratar do tema “Feminismo”, Amor & Sexo levantou uma bandeira importante, trouxe especialistas para falar da importância da luta pela igualdade de gêneros, desmistificou uma série de inverdades a respeito do movimento feminista (feminismo não é o contrário de machismo) e falou abertamente sobre os medos e desafios de ser uma mulher numa sociedade tomada pelo machismo. O programa ainda abordou a questão social da mulher negra e sobre a liberação sexual feminina, sempre com depoimentos contundentes. Foi um levantar de bandeira, mas que fugiu da panfletagem gratuita. Levou a questão a sério, mas manteve o humor característico da atração. E ainda, como a cereja do bolo, colocou Elza Soares e Karol Concá num dueto emocionante. Um programa histórico!

Já o segundo episódio, exibido na última quinta-feira, 02, o programa foi mais light, tratando do tema “erotismo”. Não tinha a mesma conotação social e acabou sendo mais entretenimento e humor, mas, mesmo assim, serviu para derrubar uma série de mitos, e mantendo o discurso de que a sexualidade é, acima de tudo, uma questão pessoal, na qual não cabem rótulos. Até levou ao palco um casal em busca de um “terceiro elemento” para um ménage a trois, e surpreendeu quando o rapaz escolheu um outro rapaz, que foi recusado pela sua parceira. E a moça, por sua vez, escolheu outra moça. Ousado, divertido, e que diz muito sobre a sexualidade humana, que vai muito além de “isto ou aquilo”.

Soma-se a estes dois grandes momentos toda a temporada 2016, cujos episódios abordaram a temática da liberdade de gênero, tentando desmistificar ao público em geral todos os mitos e verdades do tema, cuja discussão é necessária e está na ordem do dia (há uma série muito boa sobre isso no GNT, mostrando que o assunto está mesmo em alta, e ainda bem!). Amor & Sexo soube conduzir o tema com sensibilidade e coragem, e até mesmo inserindo toques de humor (como um “game” que mostrava três rapazes heterossexuais se transformando em drag queens), aprofundando as discussões de maneira inédita num canal aberto. É louvável que a atração não tenha pudores de levantar bandeiras, colocando-se claramente a favor da liberdade de gênero, da diversidade sexual e do feminismo. Assumir um lado num momento em que as redes sociais proliferam “discussões de surdos”, onde todos falam, mas ninguém escuta, é de suma importância.

Ou seja, Amor & Sexo evoluiu a olhos vistos nestes oito anos de existência. Se lá pelos anos de 2009, o programa não passava de um game show sobre comportamento que até divertia, mas pouco acrescentava, agora a atração tornou-se, de fato, um espaço para discussões relevantes. E isso sem perder sua essência de entretenimento, que diverte ao mesmo tempo em que informa, discute e oferece elementos de reflexão para o público. Isso sem falar na presença de Fernanda Lima, totalmente à vontade no centro do palco e comandando com toda a competência este programa dono de tantas qualidades. Amor & Sexo evoluiu, e Fernanda Lima evoluiu. Segue como uma das melhores apresentadoras da TV brasileira na atualidade. E o melhor disso tudo é que a audiência também evoluiu, e Amor & Sexo vem conseguindo elevar seus números a cada nova temporada. Que feito!

Amor & Sexo já mostrou seu poder de evolução, sua capacidade de se renovar a cada temporada e sua relevância para a televisão brasileira. Nada mal para um programa que já teve seu final anunciado tantas vezes, mas que sempre consegue sobrevida. Como já provou que sua temática é inesgotável, o melhor é a direção da Globo desistir de marcar uma data para o final da atração e seguir apostando no show de Fernanda Lima em sua programação de início de ano. Com certeza, Amor & Sexo tem fôlego para muitas temporadas mais, para a sorte do público!

O TELE-VISÃO virou livro! Compre agora! CLIQUE AQUI: http://bit.ly/2aaDH4h


André Santana

3 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu, pessoalmente, não fico interessado em acompanhar. Já deveria ter saído do ar, conforme o planejamento original. Na faixa horária, estou na Band assistindo Pesadelo na Cozinha. Abs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
  2. Acho Amor & Sexo um dos melhores programas da TV brasileira. Como você mesmo disse, diverte e informa. Essa temporada começou demonstrando que o maior erro da Globo foi ter anunciado o seu fim. Voda longa ao show da Fernanda Lima na TV.

    ResponderExcluir
  3. Amor & Sexo é um programa necessário, Fernanda Lima arrasa. E tudo o que é debatido no programa é de extrema importância. Alguns programas vão perdendo a qualidade durante os anos, nesse caso é ao contrário. Abraço!

    Jurandir Dalcin | http://www.jurandirdalcincomenta.com/

    ResponderExcluir