quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Em crise, SBT dispensa estrelas e segue com reprises

Maisa Silva decidiu não renovar com o SBT. Uma perda para o canal, já que a jovem, apesar de comandar um programa bem chato, era uma das esperanças de renovação da emissora e, mais do que isso, uma estrela que atraía anunciantes. Ou seja, sua saída representa mais uma perda financeira para a emissora de Silvio Santos, que já vem dispensando estrelas, enxugando custos e lotando a grade de reprises.

Nesta semana, a emissora anunciou o desligamento de Leão Lobo, Mamma Bruschetta e Lívia Andrade. Sem uma previsão de um retorno num futuro breve do Fofocalizando, o time do vespertino acabou dispensado, com a promessa de retornarem quando as coisas melhorarem. O mesmo aconteceu com o elenco de Poliana Moça. Sem perspectiva de retomar as gravações da trama, a emissora dispensou os atores, também na esperança de os recontratarem quando a situação melhorar.

Todas estas estrelas se juntam a Rachel Sheherazade e Roberto Cabrini, dois dos poucos expoentes do jornalismo do SBT, e que também não tiveram seus acordos renovados recentemente. Isabella Fiorentino e Arlindo Grund, do Esquadrão da Moda, perdem status de apresentadores contratados e passarão a trabalhar por obra. Além de estrelas, o SBT vem desmanchando equipes de produção, como a do Bom Dia & Cia, Programa Raul Gil e Topa ou Não Topa. Enquanto isso, nomes como o próprio Raul, além de Carlos Alberto de Nóbrega, Christina Rocha e Silvio Santos não gravam há meses, por pertencerem ao grupo de risco da Covid-19.

Segundo a imprensa especializada, mais cortes devem acontecer. Carlinhos Aguiar também foi demitido. O que leva a crer que outros participantes do Jogo dos Pontinhos, como Hellen Ganzarolli, também podem estar na lista das dispensas. Curiosamente, Mara Maravilha foi poupada, mesmo estando sem fazer nada na emissora há um bom tempo. Talvez Silvio Santos tenha algum plano para ela, vai-se saber…

Lembro que o SBT passou por uma crise semelhante em 2003. Na época, a emissora dispensou medalhões, como Marília Gabriela, e acabou com programas, como Curtindo uma Viagem e Disney Cruj, que passaram a ser reprisados. Apenas Hebe, Ratinho, Gugu e Silvio Santos seguiam gravando programas de auditório. Gravações de novelas foram suspensas e a grade foi tomada por filmes, desenhos e séries, oriundos dos belos acordos que o SBT mantinha com Warner, Disney e outros gigantes do entretenimento. E, naquela época, ainda era possível contar com Chaves, que “salvava” qualquer horário.

Hoje, a emissora não tem este pacote de enlatados. Por isso, vem preenchendo a grade com reprises de Casos de Família, Raul Gil, Máquina da Fama, Duelo de Mães, A Praça É Nossa, Silvio Santos… De inéditos, há Domingo Legal, Eliana, The Noite, Ratinho e Bake Off, além de “tampões” a la Silvio Santos, como Triturando e Notícias Impressionantes. É pouco.

A crise afeta todos os canais, mas no SBT a coisa parece estar pior. O que é uma pena. Fica a torcida, então, para que o investimento em esporte traga algum retorno ao canal. Ideias que vem sendo ventiladas, como entregar o jornalismo da casa à CNN, numa parceria inédita de exibição de conteúdo, pode atrair anunciantes, o que também seria importante neste momento. Mais do que nunca, o SBT precisa de uma programação minimamente capaz de atrair o público, e que se pague. É hora de repensar toda a estratégia de programação, e com urgência. 

André Santana

2 comentários:

  1. O sbt tem um apelo familiar forte...mas com esse momento pandemico o canal que você de auditórios e estrelas idosas se vou sem o principal atrativo. .mas não sabe manter estrelas. .com veteca Maísa deve ter recebido proposta melhor igual a Larissa Manoela. ..vai perde e até suas crianças..se perder o contrato com a tela visa o fim esta próximo pois não tem nem filmes pra ofertar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O SBT está numa situação crítica mesmo. Espero que saiam dessa.

      Excluir