sábado, 2 de fevereiro de 2019

"Verão 90" é um deleite para os saudosistas, mas isso pode ser um problema

"Xampu, é você?"

É consenso que estamos numa safra irregular de novelas. Muitas das tramas apresentadas do ano passado para cá padeceram do mesmo mal: estrearam com fôlego e pretensão, mas decepcionaram em seus desenvolvimentos, desgastando suas temáticas rapidamente. Por conta disso, a estreia de Verão 90 gera alguma desconfiança: afinal, a trama de Paula Amaral e Izabel de Oliveira terá musculatura para ir além do frisson causado pelo resgate de elementos icônicos dos anos 1980 e 1990?

O primeiro capítulo foi recheado de referências. Em um prólogo que mostrou a infância dos protagonistas, o que não faltou foram programas, músicas, objetos e situações típicas dos anos 1980. Estavam ali as cortinas de madeira, a TV de tubo com palha de aço na antena, a decoração kitsch dos ambientes, o programa do Chacrinha, enfim. Tudo para mostrar a saga de Manuzita (Melissa Nóbrega), João (João Bravo) e Jerônimo (Diogo Caruso), que formavam a Patotinha Mágica, um programa de TV que dava origem a um grupo musical de sucesso.

Ainda no primeiro capítulo, a trama deu um salto e chegou ao início da década de 1990. Aí, o espectador reconheceu a novela Tieta, da qual Manuzita (Isabelle Drummond) fazia elenco de apoio, o orelhão com ficha, os figurinos extravagantes… Tudo isso regado a canções da época (algumas delas do fim da década, é verdade, mas não chega a ser um problema).

Neste contexto, Manu e João (Rafael Vitti) se reencontraram e iniciaram um romance. Mas, como a Patotinha Mágica se desfez com a rivalidade entre suas mães, Lidiane (Claudia Raia) e Janaína (Dira Paes), os dois optaram por manter o romance oculto. A trama também explora o ressentimento do vilão Jerônimo (Jesuíta Barbosa), o início do interesse entre Janaína e Herculano (Humberto Martins), um ex-ator de pornochanchada querendo se tornar um cineasta “cult”, e também os bastidores da Pop TV, uma emissora especializada em videoclipes totalmente inspirada na MTV Brasil, que surgiu justamente em 1990.

Assim, Verão 90 se apresenta como uma típica comédia romântica, tendo como diferencial sua reverência a um passado recente, resgatando fatos e elementos icônicos com o claro propósito de fisgar o público nostálgico. E a nostalgia não foi vista apenas nos elementos cênicos, mas também na estética da própria novela. As passagens de cena cafonas, o excesso de luz e colorido e os cenários menos realistas remetem às próprias novelas dos anos 1990, anteriores aos filtros de imagem atuais. Para completar a salada saudosista, a abertura também está lotada de elementos dos anos 1990. Há ali as cenas com chroma key, luzes e cores, a mola maluca, os videogames de 16 bits, a moda das academias e até o Pião da Casa Própria (!), além das coreografias de hits, como a lambada e a Macarena.

Ou seja, Verão 90 foi feita, assumidamente, para agradar quem viveu a década retratada. Isso é seu trunfo e seu problema. É um trunfo, pois dá personalidade à novela. Mas é um problema, porque a trama acaba ficando distante do público mais jovem. Para quem nasceu no final da década, estas inúmeras referências não dizem nada.

Sendo assim, Verão 90 corre o sério risco de ser mais uma novela que estreia chamando a atenção, mas que se perde no meio do caminho, como aconteceu com a antecessora O Tempo Não Para. A história, até aqui, não chega a ser ruim, mas também não traz nada de muito novo ou interessante. E não há saudosismo que se sustente por mais de 100 capítulos. Calcar a trama unicamente em seu período histórico pode ser um problema. Afinal, os jovens não se sentirão atraídos, e os saudosos podem cansar. Além disso, é questionável a ideia de fazer uma novela esteticamente parecida com as tramas dos anos 1990. Dá a impressão de que a produção é pobre. Comparada às outras novelas da Globo, Verão 90 tem uma embalagem pouco sofisticada.

Para decolar, Verão 90 precisa de uma história com mais vigor. Insistir apenas no saudosismo pode comprometer a obra.

André Santana

11 comentários:

  1. Andre, sera que nao ta vendo pelo prisma errado ou pre julgando por causa do fracasso de Geracao Brasil? prisma errado por se tratar de uma novela de epoca e nao te li voce com esse argumento saudosista ou nicho p quem viveu os anos 80 e 70. E Geracao Brasil porque lembro que uma das suas criticas foi isso, que ela so agradou aquele nicho.
    Assim, o ponto fundamental concordo, que eh a historia. Tem que ter uma boa historia, mas isso independe de ser a epoca de 90 . Tem novela de epoca que eh boa, outras, nao.
    Eu e um amigo jornalista de Tokyo talvez sejamos os unicos que gostou de Geracao Brasil😂. Ja as empreguetes me deu a impressao de nao ter um fio condutor, os autores desenvolviam conforme ia no ar. Por enquanto, essa impressao que me deu, de nao ter todo um roteiro pronto e apenas o inicio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não acho que seja o prisma errado. Eu não falei isso de outras novelas de época, porque, normalmente, as outras novelas de época não "esfregam" os ícones da época na cara do espectador com o claro propósito de despertar saudosismo. Normalmente, a época em que se passam as produções têm outro propósito, que não o saudosismo. E, em sua primeira semana, Verão 90 não mostrou isso, por isso abordei a estreia sob este prisma. Mas, claro, foi uma análise da primeira semana, que quase sempre não é justa. A segunda semana já me pareceu mais bem contextualizada entre trama e época, embora a história central ainda não me empolgue. Vamos ver se melhora.

      Excluir
  2. Olá, tudo bem? Não gostei dos primeiros capítulos de Verão 90. Comentarei ainda no meu blog. Fica perceptível a diferença de produção entre Deus Salve o Rei e a nova trama, por exemplo. É chocante realmente...Porém, o maior problema encontra-se no enredo. Há também problemas de datas...Abs, Fabio www.blogfrabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabio, tudo bem? Os erros de datas não me incomodam muito não, acho até normal, embora mais cuidado seria recomendável. Mas concordo com você que a diferença de produções chega a incomodar. A ideia de se fazer uma novela esteticamente semelhante a dos anos 1990 não foi boa. Verão 90 tem cara de novela "pobre". Abraço!

      Excluir
  3. Eae. André
    Confesso que o preocupante é o elenco. Claudia Raia sempre um tom acima, Rafael Vitti parece fazer sempre o mesmo papel, o melhor e que pode render algo bom é o Jesuita Barbosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estão implicando muito com o tom acentuado da Claudia Raia, mas eu confesso que adoro quando ela faz isso. Ela sempre faz isso com as personagens de comédia, e eu sempre me divirto, rs! Achei Jesuíta Barbosa um dos grandes destaques do elenco. Ele está ótimo e odioso como o vilão.

      Excluir
  4. Lembrou boogie oggie estética antiga..interpretações mais exageradas enfim....tomara que tenha uma boa história do de visual nada vivr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa referência! Mas Boogie Oogie ainda não tinha uma cara tão "pobre" quanto a de Verão 90. Esteticamente, a trama é bem estranha.

      Excluir
  5. Eu acho o cúmulo do absurdo alguns falarem que a Malhação temporada Viva a Diferença foi a melhor temporada da história da Malhação.A Malhação temporada Viva a Diferença não foi a melhor da história do folhetim Teen, na verdade, ela apenas correspondeu a meta de audiência planejada e esperada pela produção. Eu recomendo que as pessoas que dizem esse absurdo revejam as temporadas do período 1999-2006 que apresentavam bom conteúdo e tinham a audiência acima da meta ,que era de 25 pontos. É triste ver o cineasta Cao Hamburguer ter o seu talento reduzido àquela porcaria. Foi a partir da temporada Viva a Diferença que a Malhação, assim como os demais programas da Globo, virou um verdadeiro panfleto esquerdista e um programa de engenharia social de cunho Gramscista. A temporada Viva a Diferença parecia que havia sido escrita por um militante do PSOL. Entre 1999-2006 a audiência estava sempre acima de 25 pontos e temporada Viva a Diferença obteve média de 20 pontos de audiência. Portanto, ela não foi a temporada de maior sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não levo em consideração a audiência, não é isso que mede a qualidade do conteúdo. Você pode até não ter gostado de Viva a Diferença, é uma questão de gosto, mas ela teve grandes qualidades. Eu sou um dos que concorda que Viva a Diferença foi uma das melhores temporadas de Malhação, porque houve um claro salto na qualidade do texto. E não vejo abordagem "esquerdista" nisso, veja apenas uma abordagem contemporânea sobre assuntos que estão em discussão neste momento.

      Excluir
    2. Além disso, 1 ponto de audiência, hoje, equivale a bem mais espectadores que 1 ponto de audiência em 2004 ou 1995. Portanto, a comparação destes números é, por si só, equivocada.

      Excluir